Vasco Lourenço, Capitão de Abril: “Prefiro uma má democracia a uma ‘boa’ ditadura”

O presidente da Associação 25 de Abril continua a dizer, 46 anos depois, que ter sido forçado a assistir à revolução à distância é a “maior frustração” da sua vida. Em tempos marcados pela pandemia da covid-19, Vasco Lourenço acredita que os valores de Abril estão vivos e que podem ajudar a construir um mundo melhor, sem populismos e com uma nova relação com a natureza

 

Com que tónica e de que forma devem ser celebrados os 46 anos do 25 de Abril?

Respeitando as condicionantes. Não pode ser na rua. Não pode ser em convívios. Terá de ser no isolamento social que teremos de tentar romper através dos meios de comunicação. Consideramos essencial reafirmar os valores de Abril, para além de os praticarmos com a fraternidade, tão bem glorificada pelo Zeca, devemos também materializá-los na maneira como estamos a lidar com a crise. Vamos mostrar o apego ao 25 de Abril, cantando a Grândola, seguida do Hino Nacional, às 15h do dia 25. Confio que, em todo o país se sinta esse apego e vontade de defender os valores da liberdade, da democracia, da paz, da igualdade, da justiça social e da solidariedade.

Se tivesse de escolher apenas uma, qual a memória mais vívida que tem do dia 25 de Abril de 1974?

O ouvir, às duas e vinte da manhã, 4h20, no Continente, no gabinete do “oficial de dia” do Quartel General em Ponta Delgada, o primeiro comunicado do MFA. Ao ouvir “aqui, posto de comando do Movimento das Forças Armadas…”, saltei como um louco, sozinho no gabinete, a gritar “Ganhámos! Ganhámos!”, louco de alegria com a convicção, com a certeza de que, chegados ali, íamos vencer!

Quando nasceu a sua vontade de agir e como começou o seu percurso revolucionário?

A minha vontade de agir, nasceu em plena guerra colonial, na Guiné. Ao regressar, em Junho de 1971, acompanharam-me três sentimentos, distintos e até contraditórios: satisfeito! Considerei-me realizado o meu comportamento na guerra, quer como homem, quer como militar. Angustiado! Descobrira que, como militar, estava a ser explorado, pelo poder, para fazer uma guerra injusta, que servia para suportar um regime iníquo e ilegítimo. Decidido! “Abertos os olhos”, optara por não voltar à guerra e tudo fazer para ajudar a modificar esse estado de coisas. É o “Estado a que isto chegou”, como diria o Salgueiro Maia, ao falar aos militares que comandou, a caminho de Lisboa. É este último sentimento que me cria a vontade de agir. Como começo o meu percurso de revolucionário? O Congresso dos Combatentes provoca uma reacção de contestação no seio dos oficiais do quadro permanente das Forças Armadas. Essa contestação vai até mim, encontra-me com aquele sentimento que referi.

Antes de haver qualquer plano traçado, como começou a ser delineada a revolução?

Como se sabe, após a realização do Congresso dos Combatentes e do seu esvaziamento, andavam os contestatários a discutir como aproveitar a embalagem dessa contestação, quando lhes cai, “como sopa no mel”, um decreto que cria graves problemas de natureza socioprofissional no seio dos oficiais do Exército. Pessoalmente, senti que era chegada a hora, tinha que aproveitar a oportunidade. Naturalmente, de início não se podia avançar imediatamente para uma contestação de natureza política e para a revolução. Quando, depois de alguma preparação, realizámos a primeira grande reunião, em 9 de Setembro de 1973, num Monte alentejano em Alcáçovas, que marcou o nascimento “oficial” do Movimento dos Capitães, o posicionamento dos 136 oficiais que participaram, podia ser dividido em três grupos: Os contestatários aos decretos, por razões sócio-profissionais. Camaradagem, eram jovens do tipo “vamos para a farra” e “o meu amigo vai, eu também vou”. E os determinados a aproveitar a oportunidade. Se o primeiro era maioritário e o segundo estava em clara minoria, o terceiro era difuso, com ideias e opiniões escondidas. Não sei dizer-lhe se eram muitos ou poucos. Sei que eu era um deles, sei que consegui “impor” a palavra de ordem que dali saiu e que viria a constituir a principal arma dos conspiradores: “recuperar o prestígio das Forças Armadas, junto da população portuguesa”. Foi assim que dali saímos, conquistando adeptos, até chegarmos ao 25 de Abril.

Como foi levada a ideia a partir daí?

Direi que, tendo permanentemente presente o objectivo, em quatro etapas. A demonstração de que o prestígio das Forças Armadas estava muito por baixo. Isto foi extraordinariamente fácil, bastava constatar a situação, visível a olho nu. Responder à pergunta “porquê?”, de fácil resposta, pois as forças armadas eram vistas como suporte do regime repressivo que impunha a guerra. Responder à pergunta “que fazer?”, também de fácil resposta, pois o objectivo era deixar de ser esse suporte. Depois, responder à última pergunta, “como?”. Fácil! Fazer um golpe de Estado, derrubar a ditadura, libertar a liberdade e resolver o problema colonial. Foi certamente a primeira acção deste tipo que durou tão pouco tempo a consumar-se: o tempo da gestação de uma criança, prematura, porque não chegou aos nove meses. Foi um percurso complicado, feito na clandestinidade, não podendo dizer quais os objectivos, tacteando, arregimentando conspiradores, discutindo a necessidade da elaboração de um programa político na altura devida. Enfim, uma tarefa que só foi possível pela experiência ganha na guerra colonial, pela capacidade dos “dirigentes” e pela coragem e determinação de todos!

À distância, o que teria feito diferente durante a preparação e execução do golpe militar?

Falar depois é fácil, como é fácil acertar no resultado de um jogo depois da sua realização. Fui o principal responsável pela conspiração e nem sempre impus o meu pensamento. É, aliás, uma das minhas características. Gosto de ouvir os meus companheiros, os meus colaboradores. Muitas vezes aceito optar por soluções diferentes das que defendo à partida. Também aqui, nem sempre as minhas opiniões foram seguidas. A principal talvez tenha sido a da constituição da Junta de Salvação Nacional, em que eu defendia que, não tendo generais, teríamos, em último caso, Capitães. Hoje, faria alguma coisa de forma diferente? Nas mesmas condições, ou sabendo então o que sei hoje? Não vejo como teria feito diferente! Até porque “tudo correu bem”.

Como foi assistir ao golpe militar à distância?

Isso constitui, ainda hoje, a maior frustração da minha vida! Eu, como já afirmei, fora o principal responsável pela conspiração. Numa Direcção do Movimento, constituída por três oficiais, os majores Vítor Alves e Otelo Saraiva de Carvalho, e o capitão Vasco Lourenço, eu era o responsável operacional. Se não tivesse sido transferido compulsivamente para os Açores a 9 de Março, preso e enviado por via aérea, no dia 15 de Março, teria sido eu a comandar as operações do 25 de Abril. Calcula, portanto, como me sentia, ainda por cima depois do fracasso do 16 de Março. Tenho a opinião de que, se tivesse sido “despachado” daqui em Dezembro ou Janeiro, não teria havido um 25 de Abril! Teria havido um outro 25 qualquer, em Outubro, Novembro, Dezembro…, mas Abril, não! Porquê? Porque a nossa organização teria levado um enorme rombo e levaria algum tempo a recuperar. Nessa altura, em Março, já estávamos de tal maneira avançados que a minha saída pôde ser perfeitamente colmatada com a transferência do Otelo para o meu lugar. E, como costumo dizer, “com o Otelo, correu bem! Comigo, não se sabe, falta fazer a prova!”.

Acompanhou as operações a partir de Ponta Delgada?

As ligações eram muito difíceis. Por razões de segurança, não voltei a comunicar pessoalmente com ninguém. Mesmo as cartas da minha mulher não levavam informações directas, mas sim num código que eu, especialista, pois era criptólogo, inventara e lhe dera. Aproveitando a ida de um capitão da Força Aérea, Ernesto Estevinho, a Ponta Delgada, entreguei-lhe um código, a que juntei as normas de utilização, e pedi que o transmitisse ao Otelo. Como pedido, no dia 24 de Abril, o Melo Antunes, ao chegar a casa depois do serviço, encontrou o telegrama que chegara dirigido à sogra: “Tia Aurora segue EUA 25.03.00”. Voltou ao Quartel General, entregou-me o telegrama e foi assim que os dois ficámos a saber que a acção militar seria desencadeada nessa mesma noite às três da manhã! Aconteceu que estava de “oficial de serviço” nesse dia. Enquanto o Melo Antunes regressava a casa, fiz o serviço mais rigoroso que alguma vez fiz na vida. Havia duas horas de diferença entre Lisboa e Ponta Delgada. Por isso, depois de encerrar o portão pela última vez, à uma da manhã, fui para o gabinete do oficial de serviço e sintonizei o rádio. Pensei, “se fosse eu, tentaria ocupar um posto de radiodifusão para duas finalidades. Para comunicar com a população e, em caso de emergência, para comunicar com as minhas forças no terreno. Será que o Otelo pensou o mesmo? E, se pensou, que emissora vai ocupar?”. Fui ouvindo o rádio, de posto em posto, eram duas horas e vinte minutos. Termina a transmissão de uma música, verifico que o posto que estava sintonizado não é português, vou rápido à procura de um outro posto, caio na parte final de um comunicado “pede-se aos médicos que acorram aos hospitais, pede-se às pessoas que não saiam de casa”! E, começa uma marcha militar que desconhecia. Foram os dois ou três minutos mais longos da minha vida. Ansioso, percorro os três ou quatro metros do gabinete, para um e outro lado, vezes sem conta, murmurando “é nosso? É deles? É nosso? É deles?” De repente, para a música e ouço: “Aqui, posto de comando do Movimento das Forças Armadas…”

O que aconteceu depois disso?

Nomeei um aspirante miliciano, meu auxiliar na ligação aos milicianos, e a quem perguntara depois do jantar, no dia 24 se sabia rezar. Ainda me recordo bem das suas reacções – “porque me pergunta isso, capitão”? “Porque, se souber, mando-o rezar”! “Não me diga, não me diga que é hoje”! “Sim, é hoje! Vamos preparar tudo”! – para ouvir as rádios e me ir dando informações sobre a evolução das operações, enquanto eu e o Melo Antunes tratávamos de controlar tudo em Ponta Delgada, nomeadamente as atitudes do Almirante Comandante Chefe. E foi fundamentalmente através das notícias da BBC que fomos sabendo da evolução do que se passava no Continente. De realçar que não tivemos que executar os planos previstos, pois o Almirante acatou as nossas “ordens” e o Marcelo Caetano não conseguiu fugir para Ponta Delgada, como constava dos planos do poder, desde os tempos de Salazar. Regressei a Lisboa, no primeiro voo da TAP, cheguei às duas da manhã do dia 29, integrei-me no Comando da Direcção do MFA. Acabei por ser o único dos Capitães de Abril que pertenceu a todos os órgãos de direcção superior do Movimento, desde a primeira comissão coordenadora, escolhida a 9 de Setembro de 1973 em Alcáçovas, até ao Conselho da Revolução, extinto em Outubro de 1982. É um orgulho, mas, acima de tudo, uma honra que tenho!

Como encarou os tempos depois da revolução? O que o preocupava mais?

Aguentar, não deixar que os derrotados recuperassem, não permitir que os oportunistas se aproveitassem e inviabilizassem o cumprimento dos principais objectivos: resolver o problema da guerra colonial, alcançando a paz. Estabelecer a democracia, garantindo eleições livres para uma Assembleia Constituinte, no prazo de um ano. Lançar as bases de um desenvolvimento que permitisse a construção de uma sociedade mais justa! Os três DDD, como ficou conhecido o Programa do MFA: Democratizar, Descolonizar, Desenvolver!

Como vê a polémica gerada em torno das comemorações deste ano?

De uma forma simples: a extrema-direita, e mesmo alguma direita democrática, não gostam do 25 de Abril! É natural, nunca gostaram, foram afastados do poder! Mas, como o 25 de Abril, até por continuar a ser um acto único na História Universal, nunca acontecera, nem voltou a acontecer, algo semelhante, está no coração da grande maioria dos portugueses. Não é popular manifestarem-se contra! Daí que, salvo vozes muito isoladas, insignificantes, não têm coragem para assumir a sua oposição ao 25 de Abril, enquanto acto libertador! Por isso, aproveitam as emoções criadas com a crise viral, que obriga a enormes sacrifícios, o menor dos quais não é o de ter de estar confinado em casa, para, de forma populista, hipócrita, covarde e oportunista, virem esgrimir contra a evocação do 25 de Abril numa sessão solene da Assembleia da República. Escamoteando que a Assembleia não vai abrir, para essa sessão solene, pois o que acontece é que a Assembleia decidiu não encerrar no dia da Liberdade e decidiu comemorar solenemente esse dia “inteiro e limpo…”. Isto é uma falácia, mas, nos dias de hoje, onde, face ao desmascaramento de uma mentira, se tem a lata de dizer “está bem, não aconteceu! Mas, podia ter acontecido”! O que lamento é ver democratas, amantes da Liberdade e da Democracia, amantes do 25 de Abril, deixarem-se arrastar nesta miserável jogada dos neofascistas que, apesar de não conseguirem impor-se na sociedade portuguesa, andam por aí.

No seu texto “25 de Abril e a covid-19″ faz referência ao Governo de Bolsonaro como desprestigiante para as forças armadas do Brasil. Como vê actualmente, não só a liderança do Brasil, mas também outras que têm vindo a assumir posições controversas na gestão da pandemia?

O que se está a passar nalguns países, não é mais que o desmascaramento da mediocridade dos líderes, a incapacidade e incompetência, o enorme erro cometido pelos povos que os colocaram no poder! Sinal dos tempos, onde os populistas, os traficantes de mentiras, das fake news, os imorais sem escrúpulos, têm conseguido enganar os respectivos povos. Pode parecer inconcebível, mas é um facto que pessoas como Trump, Bolsonaro, Jonhson e outros da mesma espécie foram eleitos para líderes dos seus países! A História dá-nos exemplos trágicos de situações semelhantes, o maior dos quais é Hitler! Confiemos que a história se não repita! No Brasil, em especial, porquê a minha atitude? Em primeiro lugar, porque o Brasil tem uma ligação muito especial com Portugal. Em segundo lugar, o facto de Bolsonaro ser um militar e de as Forças Armadas brasileiras terem uma história bem triste, no que se refere a ditaduras. Por isso, eu manifestei a minha esperança para que os militares brasileiros percebessem que é hora de recuperar o prestígio das suas Forças Armadas, junto da sua população! Só assim, ficariam na História do Brasil em letras douradas. Se assim não for, agravarão a péssima imagem que já lá consta, devido à sua actuação na última ditadura militar que o Brasil conheceu e de que sofreu terríveis consequências. Tive o cuidado de apelar a uma solução política e democrática – estava a pensar no “Impeachment”, até porque, se assim não for, virá uma nova ditadura militar. E eu continuo a preferir uma má democracia a uma “boa” ditadura! A minha esperança é que, depois de passar esta terrível “guerra” viral e global, as populações aprendam e encontrem soluções governativas em que os seus agentes sirvam e não se sirvam. E, aí, estes trastes populistas “irão à vida deles”.

O que é que uma crise desta natureza põe a nu, a nível social e político?

Confio que esta crise ponha ao léu as asneiras que os homens vêm cometendo, quer no tipo de vida, quer no tipo de organização das sociedades. É inconcebível que hoje já existam mais ditaduras no mundo do que democracias. Hoje, parece-me pacífico que as pessoas irão meditar e reconhecer que não podem continuar a destruir a natureza, que não podem continuar a consumir como até aqui, que têm de se organizar privilegiando o colectivo em detrimento do individual. Por isso, embora céptico, faço força para acreditar que muito irá mudar e que o mundo será melhor.

À distância, como vê o impacto que o 25 de Abril teve em Macau naquele tempo e no percurso feito depois rumo à transição?

Pessoalmente, nunca tive muitas ligações a Macau. Fiz duas visitas, uma em 1982, no âmbito de um curso de defesa nacional, outra em 1999, visita turística com a minha mulher e dois casais amigos. Tenho presente que as diferenças que encontrei, entre as duas visitas, foram de tal modo impressionantes que me deram uma ideia de como a vida avança nessas paragens. Durante a conspiração, tivemos contactos com oficiais que prestavam serviço em Macau, mais por motivos de relações pessoais do que por razões de conspiração. Macau não era problema, Macau não estava em causa, na mudança que se exigia.

Após o 25 de Abril de 1974, recorda-se em que termos foram iniciadas as conversações com a China de forma a preparar a transição?

Depois do 25 de Abril, Macau continuou a não ser um problema. Portugal tinha a noção de que, quando a China quisesse, o estatuto de Macau seria alterado, a China não pressionou. Ao contrário das colónias africanas e de Timor, tudo pôde ser feito com calma e com planeamento. Em Macau não havia guerra de libertação, não havia a premência de se ter de obter a paz. Nas colónias de África houve que acelerar o processo de independência e descolonização. E em Timor, apareceram os interesses imperialistas da Indonésia, apoiada pelos EUA e pela Austrália, formou-se um movimento independentista com timorenses regressados da Europa, nomeadamente de Portugal, foi uma tragédia com a ocupação e os massacres perpetrados pela Indonésia. Mas, o 25 de Abril tinha de ter influência no Estatuto de Macau. O Portugal imperial terminara, não fazia sentido manter o tipo de ligação que havia com Portugal e o 25 de Abril teve, de facto, influência, ajudando a encontrar uma solução que, pelo menos aparentemente, agradou a todas as partes: a Portugal, à China e aos portugueses e chineses que viviam e continuaram a viver em Macau. Foi essa a minha percepção de então, continua a ser a minha actual visão. E, não duvido, se agora, passados mais vinte anos, voltasse a Macau, voltaria a ter dificuldades em reconhecer a Macau de 1999.

Como vê a relação que Portugal tem com a China através de Macau?

Neste contexto, e admitindo uma evolução negativa nas relações entre o Ocidente e o Oriente, Portugal poderá, através de Macau ser um bom interlocutor, um bom intermediário, entre as duas partes. Pessoalmente, prefiro ver um futuro mais pacífico, mas, se ele se agravar, prefiro ver-nos no papel de amortizador do que num papel de porta de entrada para um qualquer “cavalo de Tróia”! Um último desejo, como Capitão de Abril: os valores que nos levaram, há 46 anos, a tudo arriscar e a escrever uma das mais belas páginas da História Universal, estão vivos, estão a demonstrar que podem servir, podem ser essenciais para a criação de um Mundo melhor. É essa a minha convicção, é essa a minha esperança.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários