Surto | China e ASEAN juntos no combate ao Covid-19

A China e dez países do sudeste asiático concordaram ontem em fortalecer a colaboração para combater o novo coronavírus (Covid-19), que deixou mais de 2.100 mortos e mais de 74.000 infectados na China continental, epicentro da epidemia.
O anúncio foi feito através de uma declaração conjunta dos dez ministros dos Negócios Estrangeiros da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e do ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, após uma reunião especial na capital do Laos.
Os ministros comprometem-se a trocar informações e tecnologia para combater a epidemia.
Prometeram ainda visitas recíprocas de especialistas e a promoção da investigação de medicamentos e vacinas contra o coronavírus.
Também concordaram em combater a desinformação e as notícias falsas, além de ajudar os sectores económicos, especialmente as pequenas e médias empresas, afectados pela epidemia.
“A troca de comunicação entre a ASEAN e a China é essencial”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros da Indonésia, Retno Marsudi, num comunicado de imprensa separado, pedindo que uma linha directa seja estabelecida entre o bloco e Pequim.
Retno também observou a importância de aumentar a educação pública para evitar confusões sobre a epidemia.
Wang Yi agradeceu a ajuda de mais de 160 países e 30 organizações internacionais dada à China.
Alguns países da ASEAN, como Singapura, Vietname e Filipinas, proibiram a entrada de viajantes da China, enquanto a Malásia impôs restrições aos que chegavam da província chinesa de Hubei e o Vietname fechou parte da fronteira terrestre com a China.
No passado, Pequim descreveu essas medidas excessivas e lembrou que a Organização Mundial da Saúde (OMS) aconselhou contra a restrição do tráfego internacional de passageiros.
A ASEAN é composta por Myanmar (Birmânia), Brunei, Camboja, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Singapura, Tailândia e Vietname.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários