Portugal | Chineses impedidos de doar máscaras devido a subida dos preços

Um grupo de empresários chineses radicado em Portugal lamentou ontem o aumento dos preços de máscaras cirúrgicas nas farmácias portuguesas, quando estão a doar material médico para conter o surto de um novo coronavírus na China.
O empresário Xia Yu disse que o preço de uma caixa com 50 máscaras cirúrgicas pode custar até 25 euros, quase dez vezes o preço original. “Entendo que seja o mercado a funcionar, mas um aumento desta proporção, numa altura destas, não é razoável”, considerou.
O empresário mostrou à Lusa uma factura no valor de quase 1.800 euros, por um total de 110 caixas de máscaras cirúrgicas, numa despesa acrescida de 435 euros em portes de envio.
Num gesto raro, para combater a crise provocada pelo coronavírus, o Governo chinês pediu esta semana a ajuda do resto do mundo, perante a necessidade urgente de repor as provisões de máscaras, fatos ou óculos de protecção, para conter a epidemia. Pequim agradeceu a vários países, como a França, Reino Unido, Japão e Coreia do Sul, pelo envio de material médico.
“Observamos que os preços subiram em todo o país, o que torna incomportável fazer mais donativos”, lamentou Xia. “Acreditamos que a maioria dos portugueses são amáveis e atenciosos, por isso é que escolhemos viver aqui”, sublinhou.

Por cá também

Na China alguns supermercados estão a cobrar até dez vezes o preço original e surgiram já denúncias sobre grupos criminosos que vendem máscaras usadas como novas.
O Ministério da Indústria chinês reconheceu esta semana que as fábricas para a produção de máscaras estão a operar apenas com 70 por cento da capacidade máxima, já que a epidemia ocorreu em simultâneo com as férias do Ano Novo Lunar, entretanto prolongadas pelo Governo para limitar os riscos de contágio. O país aumentou as importações de máscaras da Europa, Japão e Estados Unidos, segundo a mesma fonte.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários