João Marques da Cruz: “As autoridades chinesas estão a fazer um trabalho notável”

O presidente da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa (CCILC) olha para o desenrolar dos acontecimentos relacionados com o coronavírus com tranquilidade e deposita total confiança no trabalho feito pelas autoridades da China e de Macau. No que diz respeito ao território, João Marques da Cruz defende que não deve existir uma reacção excessiva e aponta para a necessidade de medidas de apoio às Pequenas e Médias Empresas. O responsável diz não compreender a decisão de Carrie Lam de suspender as ligações marítimas entre as duas regiões administrativas especiais

 

 

A crise gerada pelo coronavírus apanhou todos de surpresa. Quais são as directrizes que estão a ser seguidas para empresários de Portugal e China?

É evidente que este coronavírus apanhou toda a gente de surpresa. Neste momento importa dar duas notas: a primeira é que as autoridades chinesas estão a fazer um trabalho notável de contenção que todo o mundo elogia, começando pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Aquele esforço logístico impressionante, com a construção de um hospital em 10 dias, de abastecimento de cidades que estão de quarentena e que têm 60 milhões de habitantes. Tudo isso é muito relevante e acho que devemos assinalar. Também as declarações da OMS têm sido muito equilibradas, evitando os excessos. Tem de haver um equilíbrio. Sem dúvida que têm de se tomar medidas, mas as medidas não podem ser propiciadoras de isolacionismo, que é sempre mau conselheiro. Temos de ter sempre os pés assentes na terra.

Concorda então que a OMS tenha demorado a definir o coronavírus como uma epidemia global.

Sim, penso que foram muito ponderados. Acho que, aliás, no actual contexto, a OMS representa uma mistura de serenidade e conhecimento técnico. Mas no que diz respeito às relações Portugal-China, do ponto de vista comercial, as exportações portuguesas para a China são à volta de 600 e 700 milhões de euros. Grosso modo, considerando que as exportações portuguesas para o mundo são 60 mil milhões de euros, nós estamos a falar de 1 por cento. Todas as exportações portuguesas para a China são 1 por cento das exportações portuguesas. Este número relativiza a questão. 600 milhões são 600 milhões, mas é só 1 por cento. O que espero que aconteça é business as usual. Aconteceu o que aconteceu, há casos na província de Hubei, mas importa continuar a funcionar normalmente.

A fim de manter essa normalidade, a Câmara de Comércio tem reunido com empresários, têm chegado alguns pedidos de informação?

O maior pedido que tem chegado da parte de empresas nossas associadas e que têm negócios na China tem a ver com a necessidade de ajuda no fornecimento de máscaras e outros materiais, e é algo que estamos a fazer. Já identificámos identidades portuguesas que podem prestar essa ajuda aos associados e a empresas portuguesas e chinesas que têm uma relação com Portugal. Mas muita gente coloca dúvidas sobre o que irá acontecer em eventos que são daqui a três meses, e a minha resposta é que seguramente vai acontecer tudo normalmente, porque esta crise vai ser controlada a muito curto prazo, espero. Tudo o que acontece no mês de Fevereiro foi desmarcado. Eu deveria ir na próxima semana a Hong Kong, Macau e Pequim, e obviamente que não vou. Mas a CCILC tem uma delegação em Macau e está muito activa em todos os momentos na promoção das relações comerciais e de investimento entre a China e Portugal. Normalmente falamos de questões económicas apenas, mas neste momento queremos estar activos e solidários nesta questão. Tenho confiança nas autoridades da China e de Macau de que estão a fazer tudo o que é possível para debelar a crise. Tudo o que seja de criticar fica para outra altura. Não deve ser feito agora.

Enfrentamos tempos difíceis no comércio mundial, tendo em conta que este novo coronavírus surge depois de uma guerra comercial.

Há que separar os dois assuntos. Foi importante as autoridades chinesas darem toda a informação. A China hoje é diferente da China de 2002/2003. Foi em Novembro de 2002 que começou a SARS, que durou nove meses, com aproximadamente oito mil infectados e uma mortalidade muito significativa. Mas independentemente destas distinções, na altura a China demorou algum tempo, demasiado, a reagir. E neste momento foi muito rápida, houve transparência, actualizações contínuas. Diria que temos de estar todos do lado das autoridades chinesas para lidar com esta crise. Vejo os dados actualizados, vejo um evidenciar de que há um problema. É verdade que há casos em todas as províncias, mas o número de mortes noutras províncias chinesas que não Hubei é muito residual. Há várias províncias que têm zero mortes. Há pouco tempo houve o primeiro morto em Pequim, o que mostra que é algo que está muito concentrado e isso resulta do esforço de contenção. Mas falou do problema das trocas comerciais. Espero e desejo que neste momento não haja a menor mistura dos dois assuntos.

No caso de Macau, por ser um território mais pequeno, com uma economia mais dependente do jogo, pode vir a sofrer maiores consequências com esta epidemia?

É evidente que sendo uma economia baseada no turismo, onde o jogo é o grande atractivo, uma epidemia é a pior coisa que pode acontecer. Obviamente que a economia de Macau vai sofrer e para Macau o que é importante é que esta fase de contenção do vírus tenha sucesso e passe o mais rápido possível. O que será muito mau para a economia de Macau, e espero que não aconteça, até porque não há nenhum sinal nesse sentido, era se houvesse um desenvolvimento não contido do vírus. Houve voos cancelados entre as Filipinas e Macau, está a acontecer algum excesso. Isto porque, quer em Macau quer em Hong Kong, a população que não está afectada pelo vírus é um número de 99,999 por cento. Há que ter um ponto de equilíbrio.

Mas é um território densamente povoado e de pequena dimensão, e já existem dez casos confirmados.

Vivi em Macau e tive H1N1, fui tratado lá. Macau tem boa capacidade de resposta a estas situações e falo com experiência própria. Acho que não é do interesse de Macau uma reacção excessiva, é mau para todos e para Macau é péssimo.

Mas quando fala de reacção excessiva, refere-se a que tipo de medidas?

Tenho dificuldade de entender que haja cancelamento de voos entre regiões que não têm casos ou têm casos marginais, para Macau.

E a decisão da Chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, de suspender as ligações de ferry, também foi exagerada?

Com a indicação que eu tenho neste momento, não consigo entender. Não sei se a motivação é para evitar que os 20 e poucos casos que há em Hong Kong, numa população de sete milhões, que se espalhe para Macau, ou da dezena de casos de Macau de ir para Hong Kong. Mas qualquer que seja o movimento acho que há um exagero. Todas essas medidas criam o factor medo, e quando isso entra na cabeça das pessoas, até de forma irracional, apesar de o vírus poder estar totalmente controlado, o factor medo persiste. E tirar da cabeça das pessoas esse medo demora muito mais. Não tenho os dados que estão por detrás dessa decisão do Governo de Hong Kong, mas com a informação que eu tenho, não a entendo.

Como tem sido o contacto com as autoridades de Macau no que diz respeito às PME locais e portuguesas? Há também esse sentimento de medo?

É importante criar medidas a curto prazo que aliviem essas empresas, nomeadamente no alívio de tesouraria das PME, que sofreram imenso com a ausência de clientes. Sei que o Governo está a tomar medidas concretas nesse sentido.

Acredita que depois desta epidemia a China pode mudar a sua postura relativamente ao comércio de animais vivos?

Sim, acredito que depois de resolvida esta questão que as autoridades chinesas vão rever [as regras], sobretudo quando estamos a falar de animais vivos selvagens. Mas isto não é a primeira vez que acontece e penso que é justo dizer que o conhecimento científico leva-nos a achar que a razão destes surtos tem que ver com esta promiscuidade que existe entre animais vivos e pessoas.

Subscrever
Notifique-me de
guest
1 Comentário
Mais Antigo
Mais Recente Mais Votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Jorge
6 Fev 2020 14:46

Mais um a lamber as botas aos chineses para defender o tacho! Cambada de tugas invertebrados.