Epidemia | Ho Iat Seng: “não vou esconder qualquer informação”

O Chefe do Executivo prometeu. Ho Iat Seng não vai permitir qualquer encobrimento de informação sobre o novo coronavírus e antecipa que o pico de casos da doença possa acontecer depois do ano novo chinês. Sobre quem vem de Wuhan, não estão previstas proibições na fronteira

 

“O facto de eu estar aqui já é uma resposta efectiva porque estou a anunciar as medidas [de combate à pneumonia]”, foi desta forma que Ho Iat Seng respondeu ontem aos jornalistas quando questionado sobre a actuação do Governo, caso a situação do coronavírus de Wuhan venha a ser agravada no território.

O Chefe do Executivo antecipou também, pese embora admita que a evolução do novo vírus seja difícil de prever, que o pico de casos da doença possa acontecer depois do Ano Novo chinês.

“Não sabemos quando será o pico da doença (…) mas acho que será depois do ano novo chinês porque, agora, as pessoas estão a movimentar-se. Se houver propagação, vai ser nesta altura das deslocações das populações e, por isso, o estado mais crítico da doença poderá ser depois do Ano Novo”, avançou ontem Ho Iat Seng, por ocasião de uma conferência de imprensa que teve lugar na sede do Governo.

De forma a garantir que a população está bem informada sobre a situação e que serão tomadas todas as medidas de prevenção adequadas, Ho Iat Seng prometeu transparência por parte do Governo na hora de comunicar e admite activar o centro de protecção civil caso o contexto venha a ser agravado.

“Não posso antever em que cenário seria activado o centro de protecção civil, mas temos de estar bem preparados e dar as informações correctas à população. Temos que garantir que a cada dia divulgamos as informações atempadamente, (…) informações correctas e transparentes. Eu não vou permitir qualquer encobrimento, isto é, todas as informações têm de ser divulgadas. É a minha promessa. Eu não vou esconder qualquer informação”, garantiu Ho Iat Seng.

Sublinhando que, ao contrário do SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave), os sintomas do novo vírus não são tão visíveis, sendo, por isso, mais difíceis de filtrar, o Chefe do Governo lançou um apelo à população para ficar em Macau e, caso venha a ter sintomas, permanecer em casa de forma a repousar e evitar o risco de novas contaminações.

Fronteiras abertas

Em relação aos visitantes que vêm de Wuhan, Ho Iat Seng não encontra razões para proibir a sua entrada em Macau, até porque as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) não vão nesse sentido. O responsável máximo da RAEM apelou, no entanto, aos residentes da cidade da província de Hubei para que não venham a Macau, enquanto a situação do novo coronavírus não estiver controlada.

“A OMS não nos informou que temos de impedir a entrada das pessoas de Wuhan (…) mas apelamos para que eles não se desloquem a Macau. Até agora, a situação não é assim tão grave. Na altura do surto do vírus da SARS, também não proibimos a entrada de pessoas de Hong Kong”, lembrou Ho Iat Seng. Em relação a uma quota sobre o número de entradas, não pensamos nisso por enquanto”, acrescentou, frisando também que a todos os visitantes terá de ser concedido um visto e que estes podem ser, por isso, limitados.

Aos que já cá estão, Ho Iat Seng pede paciência. Encontrando-se em Macau, no total, 5 mil pessoas provenientes de Wuhan, o Chefe do Executivo desaconselhou para já, o regresso a casa por parte destes visitantes. “Por enquanto vamos aconselhar estas pessoas a não regressar a Wuhan ou Hubei. Temos trabalhadores da região também aqui em Macau e esperamos que não voltem a Wuhan entretanto, porque agora não é o momento ideal”, apontou.

Sobre os residentes de Macau que estudam em Wuhan, o Chefe do Executivo assegura que o seu paradeiro e estado de saúde está ser monitorizado. “Desde o dia 1 de Janeiro temos vindo a acompanhar 457 estudantes de Macau que estão em Wuhan. Alguns já voltaram a Macau e temo-los seguido de perto para verificar se apresentam os sintomas da pneumonia”, esclareceu o responsável.

Recorde-se que desde a manhã de ontem, não existem voos nem acesso ferroviário a partir de Wuhan, após a medida ter sido decretada pelo Governo central.

Ho Iat Seng anunciou também que a partir da tarde de ontem passou a ser recusada a passagem nas fronteiras de Macau, a pessoas com sintomas de febre, sendo que a medição da temperatura corporal passa a ser feita não só à entrada, mas também à saída. O procedimento, explicou o Chefe do Executivo está a ser já seguido na cidade vizinha de Zhuhai e a decisão de Macau vai no sentido de reforçar o esforço conjunto de contenção da epidemia.

Confiança e experiência

Questionado acerca capacidade de resposta do novo Governo e da secretária para os Assuntos Sociais e Cultura, Ao Ieong U, para gerir uma eventual crise de saúde pública, Ho Iat Seng fez questão de sublinhar que a responsável está preparada e que tem ao seu dispor uma equipa de profissionais experientes e qualificados e que ele próprio tem conhecimento de causa sobre a matéria, pois viveu na pele a crise do SARS.

“Há 17 anos, eu passei pela SARS e, em Abril, só estava eu no avião para Pequim. Era o estágio mais crítico da SARS e ninguém apanhava um avião. Estive no combate contra a SARS e sei o que se está a passar, tenho experiência”, frisou o Chefe do Executivo.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários