A chave dos sonhos

Julietta, ou La clé des songes (Julietta, ou A chave dos sonhos) é uma ópera em três actos com música e libreto original em francês do compositor checo avant-garde Bohuslav Martinů, baseada na obra com o mesmo nome do poeta surrealista francês Georges Neveux. A ópera, de meados dos anos 30 do século XX, foi um dos primeiros grandes sucessos do compositor, a par de outras obras como as Inventions pour piano et orchestre, encomenda do Festival de Veneza (1934), e Kytice (Le bouquet de fleurs, 1938). Martinů tomou conhecimento da peça de Neveux em 1932, dois anos após a sua estreia no Théâtre de l’Avenue em Paris, mas através de uma revista literária, e nunca chegou a assistir à peça, decidindo adaptá-la a uma ópera. Ao que parece, Neveux tinha chegado a um acordo com Kurt Weill para basear uma comédia musical nesta peça mas, ao ouvir alguma da música de Martinů, optou pelo checo. Quando a estreia ocorreu, alguns meses antes da última visita do compositor à sua terra natal, Martinů já tinha escrito oito óperas numa variedade de estilos.

Um libreto em checo foi mais tarde preparado pelo autor para a estreia na Checoslováquia, no Teatro Nacional de Praga no dia 16 de Março de 1938, sob a direcção de Václav Talich, com a presença de Neveux. O compositor esteve presente na estreia na Alemanha em Wiesbaden, em Janeiro de 1956. A estreia em França teve lugar no Grand Théâtre em Angers, em 1970, após uma emissão na rádio realizada em 1962, dirigida pelo maestro Charles Bruck. A estreia no Reino Unido realizou-se em Abril de 1978 em Londres pela New Opera Company, dirigida por Charles Mckerras, numa tradução em inglês. A ópera foi reposta pela English National Opera na temporada seguinte, seguida por uma produção na Guildhall School of Music and Drama em 1987, dirigida por Howard Williams. Seguiu-se uma apresentação no Festival de Edimburgo por uma companhia eslovaca e a próxima produção no Reino Unido foi pela Opera North em 1997.

Uma produção de Richard Jones em Paris em 2002 foi reposta pela English National Opera em Setembro/Outubro de 2012, com grande êxito. Uma nova produção pela Bielefeld Opera na Alemanha, dirigida por Geoffrey Moull, teve oito representações em 1992. O Teatro de Bremen realizou uma nova produção em 2014, sob a direcção de John Fulljames. Andreas Homoki e Fabio Luisi montaram uma nova produção na Opernhaus Zürich em 2015, e a Berlin Staatsoper estreou uma nova produção no dia 28 de Maio de 2016, sob a direcção de Daniel Barenboim, com encenação de Claus Guth, com Magdalena Kožená no papel de Juliette e Rolando Villazón no papel de Michel.

Posteriormente, a ópera foi executada de forma intermitente no Teatro Nacional de Praga; novas produções foram montadas em 1963 e 1989, e uma produção da Opera North foi vista três vezes em 2000; em Março de 2016, foi estreada uma nova produção, a qual foi reposta no dia 16 de Março de 2018, no 80º aniversário da sua estreia.

O musicólogo James Helmes Sutcliffe acentuou na Opera News a “bela partitura de Martinů” e a sua “música atmosférica, lírica”. A obra é amplamente considerada a obra-prima de Martinů. O arranjo de Martinů do seu libreto é primariamente lírico, embora não haja árias a solo prolongadas. O “diatonismo estendido” das obras maduras do compositor surge ao lado de “ritmos motores encontrados no seu Duplo Concerto de 1938, especialmente onde a trama se move rapidamente para a frente”.

O musicólogo Jan Smaczny observa que a capacidade do compositor de caracterizar, aperfeiçoada como observador da vida de uma cidade pequena, enquanto criança a viver na torre do relógio de Polička, resulta numa sequência de “quadros pintados com nitidez”, como um “carnaval de caricaturas”, tanto cómico quanto comovente. Para os cantores, há o factor de que secções significativas da peça são constituídos por diálogo e não por canto, embora a experiência de Martinů numa variedade de obras teatrais antes desta, a sua nona ópera, lhe permita tecer as palavras faladas como parte integrante do impacto da ópera, “distanciando o público da qualidade muitas vezes onírica do tecido musical”. Um fragmento de melodia num acordeão fora do palco, e um fragmento melódico que simboliza a saudade, são introduzidos em momentos-chave da partitura. Smaczny comenta que “a sugestão é tudo nesta partitura, e Martinů é surpreendentemente bem-sucedido em estimular a imaginação, muitas vezes com uma economia de meios de tirar o fôlego”. A ópera era uma das obras favoritas do compositor, e este incorporou alguns compassos da obra na sua última sinfonia composta em 1953.

Há dois papéis principais: Julietta (soprano) e Michel (tenor). A premissa de Julietta é que Michel, um vendedor de livros parisiense que chega a uma cidade costeira e é assombrado pela memória de Julietta, uma rapariga que conheceu numas férias à beira-mar três anos antes, cuja voz ouviu uma vez. Enquanto ele a procura nos seus sonhos, encontra uma sucessão de personagens da cidade que se comportam de maneiras cada vez mais bizarras, principalmente motivadas pelo fato de que não se lembram do passado e só podem existir no momento presente. Michel é eleito presidente da câmara da cidade, e mata Julietta; para apaziguar a multidão, conta-lhes uma história, apenas para ser atacado novamente, não por causa do assassinato, mas porque a história não era muito boa.

Sugestão de audição da obra:
Bohuslav Martinů: Julietta ou La clé des songes
Magdalena Kožená (Julietta), Steve Davislim (Michel), Frédéric Goncalves, Michéle Lagrange e Nicolas Testé, Czech Philharmonic Orchestra, Sir Charles Mackerras – Supraphon, 2009
Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários