Das memórias de Adriano

Memórias de Adriano» de Marguerite Yourcenar é um livro que foi quase uma instituição pública, porém, a direita europeia mais conservadora adopta para com a autora uma reverência estranha, incomum – não que não fosse digna dela, era-o – Yourcenar é um marco brilhante na literatura, mas este aspecto talvez extravase os domínios de uma elite mais apegada a leituras menos públicas. As Academias e as mais variadas instituições fizeram seguir debates permanentes, homenagens, simpósios, colóquios, de forma continuada e sistemática durante décadas. Mas vamos ao que interessa desta análise: Adriano.

Foi Adriano o mais radical antissemita que apareceu na História. É certo que construiu Jerusalém, mas a que preço e a que pretexto é que não pode ser esquecido: começa por lhe mudar o nome rasurando assim a sua herança e, passando então a chamar-se Élia Capitolina, ergue templos a deuses e a Júpiter sobre as ruínas da cidade judaica, proíbe a circuncisão sob pena de morte, e limpa a Judeia do mapa chamando-lhe Palestina que designa inimigo de judeus, neste caso em filisteu.

Os judeus, esses, esconderam-se nas grutas da Judeia e foram dizimados nas zonas rurais, e nem Tito chegou a tanto, nem mais ninguém, creio, depois de Hitler, não existiu mesmo alguma vez uma vontade tão forte e arrasadora. Dir-se-ia que Adriano pode ser considerado o primeiro exterminador, fazendo (pior que a morte) do Templo, altar para deuses pagãos. Ora que seja enaltecido, será certamente por outras qualidades em esfera ficcional mas, falando de Yourcenar, falamos também de rigor e intenção, pois que não foi um ser de plumas que alguma vez se deixasse atravessar pelo reflexo de si mesma e cuja metodologia seguia planos bem traçados.

No entanto, Yourcenar nos próprios apontamentos justifica a existência dele e diz isto: «Este livro foi concebido, depois escrito, completamente ou em parte, sob diversas formas, entre 1924 e 1929. Todos esses manuscritos foram no entanto destruídos e mereciam sê-lo.» Não sei se era prática dela fazê-lo, mas fê-lo neste caso. Por quê e o que por fim aconteceu ? Nada sabemos. A liberdade de escrita é maior que os desígnios morais, mas há sempre uma moral que serve mais que outra, sempre disposta a colher das coisas tudo o que delas interesse.

De forma bastante subliminar se construía um ciclo imparável de descodificação à obra, entusiasmadas que estavam as Academias onde nenhuma mulher até então tivera assento, e dando relevo a um nome que a imaginação do leitor popular se deixou guiar como um analfabeto sequioso de comando. Esta experiência é bastante interessante e capciosamente fabricada para não mostrar as verdadeiras intenções. A extrema-direita sempre esteve por cá, ora na forma de se saber insinuar fabricando “estátuas”, ora aplicando a fórmula literária da múltipla leitura. O certo é que, “engolido” Adriano, a origem da besta se desvanecia, e o que representou filosoficamente (dado que era também um Imperador filósofo) superava em muito qualquer mal que se lhe pudesse atribuir. Uma das razões para a História se repetir é a cegueira daqueles que por ela passam, os seres precisam de estímulos dominantes e cada época é useira na sua propaganda.

Debaixo dos olhos de todos, em todas as épocas, dormita a mesma evidência, mas a maior alucinação colectiva é o não conseguir vê-la. Mesmo os que têm responsabilidades parecem por vezes hipnotizados dado o grau de convencimento das fontes.

Élio Adriano foi então o Esposo de Élia Capitolina, uma rábula pagã dos Cânticos de Salomão, que dormitavam no pó ardendo em prováveis golfadas de indignação ao testemunharem tais brutalidades, mas estas medidas são no entanto entendidas por muitos como conquistas, e é de assinalar que este tema é de tal ordem importante que se arrastou para os séculos posteriores e muito particularmente para a Europa dando uma dimensão que a influenciou até aos nossos dias, porém, e só aqueles que estão em guarda a usam de forma a manejar o “objecto mundo” que é uma rosácea de mariposas onde nada de verdadeiramente importante se deve saber sem o filtro de um dirigismo preparado, que usam então para seu gáudio.

Foi este homem reabilitado na mais fina tradição cultural europeia e por ele se lourearam as teses e hoje pedimos aos judeus europeus para não usarem a “kipá” de modo a não serem agredidos, e voltamo-nos com unhas e dentes contra Israel, chamando os nomes que Marco António (sim, esse, verdadeiramente filósofo) disse ao passar por aquelas terras a caminho do Egipto: «sinto-me repugnado com os judeus mal-cheirosos e desordeiros». Agora é a esquerda barulhenta que faz suas estas palavras. Sim, que a direita das Academias pegou na eloquente versão de Yourcenar para mais subtis comandos.

Não é no hélio, mas no éter, que quero agora deixar uma diáfana pergunta. Porquê, Yourcenar?

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários