Protecção de dados | GPDP reage ao caso do vídeo de Andy Hui

Depois de rebentar o escândalo de adultério com a publicação do vídeo em que se vê o cantor e actor de Hong Kong Andy Hui a trair a também super-estrela Sammi Cheng num taxi com a também actriz Jacqueline Wong, a questão da privacidade e protecção de dados voltou à ordem-do-dia. Como tal, o Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais (GPDP) veio esclarecer que em Macau “quer na situação actual, quer após a entrada em vigor do Regime Jurídico de Táxi, o condutor de táxi e o titular da licença não podem instalar, por iniciativa própria, o sistema de gravação de som e imagem no interior de táxis”.

O GPDP vem reiterar que só é permitido à Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT) instalar, nos termos da lei, o sistema de gravação de som e imagem no interior de táxis, assim como todo o tratamento dos dados pessoais recolhidos. A entidade pública explica que os taxistas, ou os donos de táxis, que gravarem e tratarem os dados recolhidos dentro dos carros de serviço ficam sujeitos, de acordo com a lei, a uma pena de prisão até dois anos, ou pena de multa até 240 dias. Se a pessoa divulgar os dados na internet violando o dever de sigilo pode ser punida com pena de prisão até três anos ou pena de multa até 360 dias. Situação similar à que se passou com Andy Hui.

O comunicado do GPDP surge na sequência do escândalo que abalou um dos casais mais famosos do cantopop, depois de Andy Hui ter sido filmado dentro de um taxi a beijar a actriz e ex-Miss Hong Kong Jacqueline Wong.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários