Sarampo

A ignorância mata! Quando ouvir alguém dizer “a verdade para mim é ‘x’”, corra o mais depressa que conseguir, fuja a sete pés. Gente que tem “verdades pessoais” representa, com alarmante consistência, um perigo para a comunidade. Não estou a falar de pioneiros do conhecimento, que antes da publicação das suas descobertas, guardaram razões na sua esfera. Não! Falo daqueles que, indiferentes ao que se conhece da realidade, por motivos de fé religiosa ou crença nas suas incríveis capacidades de discernimento, optam por relegar a realidade para segundo plano, para uma dimensão conspirativa, apoderando-se de uma verdade que passa a ser sua.

Uma das manifestações perigosas destas ego-verdades é a crença anti-vacinas. Vou passar por cima de todos os fundamentalismos religiosos e políticos que criam super-vilões e assassinos em massa. Não são tema desta humilde coluna. O meu propósito é endereçar as ilusões anticientíficas dos que julgam possuir, sem qualquer formação ou ideia, sabedoria que ultrapassa milénios de conhecimento adquirido. Pessoas que acreditam que a Terra é plana são apenas um sintoma de total desapego à factualidade. São divertidos numa medida, mas preocupantes no absoluto desprezo que devotam à realidade.

Na Terra plana a ilusão está na área das ideias parvas e descabidas, mas com poucas ramificações materiais. O povo anti-vacina é portador de uma ignorância viral, literalmente. Ambas são profudamente egocêntricas porque supõem que a pessoa é especial, proclamadora de uma verdade que a todos escapou e que se encontra escondida num blog, fórum de internet, meme, dogma religioso, etc.

A crença anti-vacina acha que a mesma comunidade científica que permitiu passar da esperança de vida de 33 anos, no início do século XIX, para 80 no ano 2000, nos quer matar a todos. A indústria farmacêutica, com todas as suas falhas, quer dizimar a população da Terra. Sim, leram bem, uma indústria que quer matar os seus próprios clientes.

O problema dos dogmas é que são imunes à razão, estão vacinados contra factos. Apontar que desde que tivemos capacidade para campanhas de imunização paramos de morrer em massa é fútil. Cheguei a ler que a peste negra desapareceu sem vacinas… a pessoa que teve a coragem de dizer esta alarvidade não consegue computar que se estimam que tenham morrido entre 70 a 200 milhões de pessoas na Europa e Ásia. No seu pico, no século XIV, a peste negra dizimou entre 30 a 60% da população europeia e não saiu de cena de seguida.

Cólera, varíola, gripe espanhola também resultaram em números de mortos de proporções bíblicas. A imunização erradicou muitas das doenças altamente contagiosas que mataram às centenas de milhar, aos milhões. Podemos mostrar aos que colocam a factualidade na categoria da crença pessoal a história de irradicação de doenças, e o seu ressurgimento em populações não vacinadas, sem qualquer efeito. Multiplicam-se os “sim, mas ouvi dizer”. A parte do ouvi dizer não me aflige tanto. A ignorância também é contagiosa, principalmente se vier condimentada com “eles mentem e só tu sabes a verdade”. Mas aquele “sim”, que passa pela factualidade como se ela não fosse nada, reduz a zero a informação fundamental para compreender situações complexas, o seu contexto. Esta é a parte doentia da coisa. A forma como o ego se blinda a uma verdade considerada inoportuna é um reflexo desta era de extremismo identitário, quando opiniões nascidas de memes de internet se transformam em características de personalidade. Uma pessoa não duvida que as vacinas sejam eficazes, ou suspeita que sejam uma conspiração numa seringa.

Não. A pessoa é anti-vaxxer da mesma forma que não se limita a crer que a Terra é plana, (passando a ser terraplanista). A ignorância, alicerçada na crença, ultrapassa em muito o patamar da convicção. Torna-se naquilo que a pessoa é, ou que aspira a ser, faz parte da sua identidade. É preciso querer para crer (frase que marca o meu momento Gustavo Santos da semana).

Entretanto, doenças que deviam pertencer à história da infectologia regressam impelidas por uma ignorância tão cega e assassina como os próprios vírus.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários