PARTILHAR

Que pena, a eliminação de Portugal do mundial de 2018, na Rússia, não foi? Mais um campeonato do mundo que se esfuma dos horizontes da nossa ambição. Quer dizer, deu para o que deu, e no fim perdemos com um adversário valoroso; o Uruguai é muito boa equipa, e faz lembrar a Itália, mas em bom. Antes desta partida ainda tivemos o França-Argentina, que se saldou numa vitória por 4-3 a favor dos gauleses. Tem sido um mundial muito emocionante, e até agora só uma partida terminou como começou, em zero-zero (o França-Dinamarca, na fase de grupos). Promete, o jogo entre os quartos-de-final amanhã em Novgorod, entre franceses e uruguaios.

Aproveitei as noites em branco do futebol para arejar, também, agora numa fase de pré-férias. Depois da derrota das cores nacionais, na madrugada de Domingo, fui ver o sol nascer ao Miradouro da Penha – não me perguntem porquê. Local aprazível, aquele. Localizado ao cimo da Colina da Penha, mesmo debaixo da ermida com o mesmo nome, é um lugar aberto, refrescante, com uma paisagem magnífica, com vista para o Lago e Ponte Nam Van, e a torre de Macau. Por volta das seis e picos dá para escutar um verdadeiro recital de música gentilmente chilreada pelos passarinhos. Um deleite. Contudo, e apesar de ser um local isolado, ao ar livre e fechado ao trânsito, não se pode lá fumar. Nem nos banquinhos muito catitas ali colocados dá para, como se diz em chinês, “conversar com o cigarro”. A estranha paranóia higienista que grassa em Macau, que leva a que se pintem “smoke free areas” à volta das paragens dos autocarros e esconda os cigarros nos supermercados, como se fosse material pornográfico, tem destas coisas.

Mas rola a bola, e no Domingo tivemos mais dois encontros dos oitavos-de-final do mundial, ambas decididas nos desempates dos pontapés da marca de grande penalidade. Melhores nesse particular estiveram a Rússia, que eliminaram a Espanha, levando “nuestros hermanos” a fazer o mesmo caminho de volta a casa que fizemos no dia anterior. Não estiveram muito bem para os pergaminhos que ostentam, para ser sincero. Mais tarde foi a vez da Croácia, uma das boas equipas em prova, fazer o mesmo com o reino da Dinamarca. Russos ou croatas, um deles, vão estar nas meias-finais. O que se pode considerar uma surpresa relativamente agradável.

Com tudo isto, entre o Sábado e o Domingo e os sonos que andam trocados, passou-me a lado uma (Grande! Enorme!) manifestação realizada no território, contra a construção de um crematório na ilha da Taipa, “onde vive muita gente” (a sério, isto foi usado como argumento). É um tema sensível, sem dúvida. Toda a gente quer o metro ligeiro, desde que ele não passe à sua porta, assim como toda a gente acha que um crematório é necessário, mas de preferência o mais longe possível. O que ninguém quer é ter pessoas a entrarem-lhes literalmente pela janela. Passo o apontamento de humor negro.

Chega a segunda-feira, voltamos às lides profissionais, mas lá se arranja maneira de dormir como se pode até à noite, hora dos jogos do mundial. E nesse dia tivemos o Brasil a vencer o México por 2-0, com o craque-malabarista-mergulhador Neymar a garantir que havia ali hora e meia bem passada. Mais tarde tivemos o Bélgica-Japão, e apesar dos belgas quase terem ficado com os olhos em bico (desculpem, a sério…), conseguiram ganhar com um golo no último minuto, consumando uma reviravolta espectacular. O escrete para mim é o grande favorito no jogo dos quartos, a mas a Bélgica é um osso duro de roer.

Ontem, e antes da dose dupla de futebol à noite, tivemos uma tragédia a assinalar. Em Macau, na zona norte da cidade, rebentou uma botija de gás num restaurante, causando uma vítima mortal, e ainda dois feridos. É muito triste, ainda mais tendo que em conta que a morte a lamentar foi a de alguém que fazia pela vida, numa cidade onde há cada vez menos espaço, e este vale cada vez mais (vale, mesmo?). Não surpreende portanto que não haja nem espaço para o gás respirar, quanto mais nós. Botijas umas em cima das outras, e pouco tijolo à sua volta.

E depois disto tivemos o Suécia-Suíça e o Inglaterra-Colômbia, com suecos e ingleses a garantirem cada um o seu bilhete para os quartos-de-final. Continuará a Suécia, uma equipa muito arrumadinha, por sinal, a surpreender? Ou “is it coming home?” – os ingleses e os aficionados do desporto-rei entendem esta, com toda a certeza. Com mais um Verão muito quente e molhado aqui em Macau e as tais férias que nunca mais chegam. Vai-nos valendo o mundial de futebol.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here