PARTILHAR

U ma mostra inédita de ourivesaria e filigrana portuguesas está patente ao público desde ontem em Macau, seguindo uma estratégia de entrada no mercado oriental numa altura em que as exportações do sector registam um crescimento sem precedentes. A iniciativa é “uma combinação de dois mundos, tem obviamente um interesse comercial mas também existe um desafio cultural”, disse Fátima Santos, secretária-geral da Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal (AORP), que promoveu o evento, à agência Lusa.
O mercado asiático é uma das grandes apostas do projecto de internacionalização da joalharia portuguesa da AORP que, em Março, participou na Feira Internacional de Joalharia de Hong Kong, juntando 2.500 expositores e cerca de 25 mil visitantes profissionais, oriundos de mais de 50 países. Depois de Hong Kong, rampa de lançamento para negócios com o interior da China, nomeadamente em Xangai, a intenção agora é “estar em Macau” e apostar na ponte que o território pode erguer com o resto da Ásia, frisou. Para Fátima Santos, “as exportações de Portugal para Macau ainda são residuais” e o objectivo primordial é “inverter a tendência”, tirando partido desta ponte.
A responsável pela AORP ressalvou a rota da filigrana, uma iniciativa que “trouxeram com muito carinho” em parceria com a Câmara Municipal de Gondomar. Marco Martins, presidente da Câmara Municipal de Gondomar, reiterou à Lusa a aposta na internacionalização e a importância de Macau como “entreposto comercial”. “Não tinha sentido não recorrermos à história do país e não apostar neste entreposto comercial. Queremos que Macau seja uma ponte para toda a Ásia e que com isso consigamos aumentar o lucro das exportações nesta matéria, dado que em 2017 foi o [ano de] maior crescimento de sempre da exportação da filigrana”, declarou.

Artesanato precioso
As exportações da ourivesaria e joalharia portuguesa aumentaram 53 por cento entre 2015 e 2017, de 65,5 para 100 milhões de euros. A associação sectorial AORP definiu como meta a atingir os 150 milhões de euros em 2020.
Natural de Gondomar, um dos núcleos mais importante e prolíferos da ourivesaria portuguesa, a artesã Olga Almeida, com 47 anos, contou como esta arte lhe corre nas veias há mais de 30. “Andava na escola, na primária, e enquanto a minha mãe preparava o almoço, a gente praticava”, recordou. Desde então, nunca mais parou. “Faço isto porque gosto muito, então depois de ver a peça em si, ainda mais”.
Promovida pela AORP, com o apoio institucional do Consulado-geral de Portugal em Macau e Hong Kong, a exposição está patente até hoje na residência consular de Portugal no âmbito das comemorações do “Mês de Junho, mês Portugal”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here