PARTILHAR
????????????????????????????????????

A s equipas do Instituto Português do Oriente e do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais são constituídas por atletas amadores portugueses. À agência Lusa, os remadores dos barcos dragão garantem que a prova os ajuda a estarem mais inseridos na cultura local.
Uma equipa feminina do Instituto Português do Oriente (IPOR) estreou-se ontem nas corridas “Barcos Dragão”, em Macau, como forma de reforçar a integração na comunidade daquele território administrado pelos chineses, explicou à Lusa uma das participantes.
“Eu acho que uma equipa totalmente portuguesa de uma instituição portuguesa poder participar num campeonato destes, que é uma coisa local da China, de Macau, traz uma grande energia e uma grande mensagem para os chineses em geral e para Macau. Quer dizer que nos integramos, fazemos parte da comunidade”, disse a vogal da direcção do IPOR Patrícia Ribeiro.
Para Patrícia Ribeiro, viver este tipo de provas fortalece os laços entre a comunidade portuguesa e a chinesa. “Participar nestas competições serve exactamente para demonstrar que também fazemos parte deles. Somos bem recebidos aqui em Macau”, considerou a funcionária do instituto, que tem como uma das principais missões difundir a língua e a cultura portuguesas no Oriente.
A exemplo dos últimos anos, o IPOR voltou a abrir as portas para que a comunidade possa acompanhar os jogos da selecção portuguesa no Mundial2018 de futebol.
Apesar da dificuldade do fuso horário, a grande maioria das colegas da embarcação assistiu ao embate contra a Espanha, em que Cristiano Ronaldo marcou os três golos do empate de Portugal com a Espanha (3-3). “A nossa inspiração […], a nossa musa inspiradora é o Cristiano Ronaldo, porque ele tem uma força e uma energia que nos transmitiu agora nesta prova”, confessou, sorridente, Patrícia Ribeiro.
O IPOR foi a única equipa portuguesa a participar neste evento, mas dentro de algumas equipas de Macau há também portugueses que se juntam à população local. Foi o caso de Rodrigo de Matos, residente em Macau há oito anos – este ano teve “um clique” e decidiu participar naquela que considera ser “uma grande festa”. “Este ano comecei a trabalhei no Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais de Macau (IACM) e soube que eles tinham uma equipa de ‘Barcos Dragão’ e a precisar de novos atletas para fazer uma reciclagem, de maneira que vim experimentar e gostei”, contou Rodrigo de Matos, antes do início da sua prova. “Isto é um evento com uma certa tradição. Será para este território comparável às corridas de remo, em Inglaterra, nos célebres duelos entre Oxford e Cambridge. A diferença é que estas são umas regatas internacionais”, explicou o funcionário do IACM.

Todos juntos
Ontem foi o último dia em que se realizaram as regatas locais de pequenas e grandes embarcações para entidades públicas de Macau, universitárias e dos trabalhadores da função pública, num total de 140 equipas.
Já as grandes provas internacionais tiveram lugar ontem, com a participação de equipas estrangeiras a competirem na Regata Internacional de Barcos Dragão de Macau para Grandes Embarcações, na categoria Open e na categoria feminina.
“O número de equipas que participam são cerca de 160”, disse à Lusa a secretária-geral da comissão organizadora dos “Barcos Dragão”.
Inicialmente, estas provas eram planeadas de forma voluntária por organizações não-governamentais, mas desde 1979 esta actividade passou a ser promovida de forma anual, incluindo uma regata internacional de barcos dragão, em que equipas de diferentes países têm sido convidadas a participar.
Desde o estabelecimento da RAEM que a Regata Internacional de Barcos Dragão de Macau é organizada em conjunto pelo Instituto do Desporto e pela Associação de Barcos Dragão de Macau, China.
A festividade tem origem numa lenda sobre um alto e leal funcionário do reino de Chu, de nome Qu Yuan, que se terá lançado ao rio pondo termo à sua vida, após ter visto o rei recusar as suas propostas por causa de intrigas. Caindo em desgraça perante o soberano, Qu Yuan partiu para o exílio, altura em que compôs vários poemas a expressar a sua revolta por não poder continuar a servir o seu país, e mais tarde decidiu suicidar-se.
Dada a estima que nutriam pelo patriótico e justo “poeta”, os habitantes locais remaram nos seus barcos de madeira para a zona, fazendo com que os barcos dragão simbolizem a busca pelo salvamento de Qu Yuan.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here