PARTILHAR
Gui Minhai

O editor sueco de origem chinesa Gui Minhai surge num vídeo, quase três semanas depois de ter sido preso pela polícia chinesa, em que confessa mal-estar e acusa Estocolmo de o ter manipulado como um “peão de xadrez”.

A AFP refere que não se sabe se as declarações filmadas são sinceras porque, no vídeo, Gui aparece com dois polícias, e um amigo próximo disse que o editor está a ser manipulado.

Gui, de 53 anos, que comercializava em Hong Kong obras que ridicularizavam o regime comunista, foi preso por polícias à civil em 20 de janeiro num comboio chinês em direção a Pequim, onde tinha combinado um encontro com um médico especialista sueco por temer estar com a doença de Charcot.

Na altura da detenção Gui estava com dois diplomatas suecos e Estocolmo denunciou a intervenção como brutal e “contrária às regras internacionais fundamentais com apoio consular”.

Em 7 de fevereiro, Pequim confirmou a detenção do editor, que assim desaparecia pela segunda vez em circunstâncias preocupantes.

Mas Gui acusa a Suécia de ser “sensacionalista” em relação à sua detenção num vídeo de uma “entrevista” organizada na sexta-feira pelas autoridades com os ‘media’ chineses, que afirmaram terem sido escolhidos criteriosamente.

O editor adianta no vídeo ter sido pressionado pelas autoridades suecas para deixar a China apesar de estar proibido de deixar o território devido a assuntos jurídicos pendentes.

“Recusei numerosas vezes. Mas porque eles me incitavam sem parar, caí na armadilha. Olhando para trás, se calhar fui o peão da Suécia num jogo de xadrez. Violei a lei porque me instigaram. A minha vida maravilhosa está arruinada e nunca mais confiarei nos suecos”, diz Gui, no vídeo.

Gui era um dos cinco editores de Hong Kong que desapareceram em 2015.

O editor desapareceu durante umas férias na Tailândia antes de aparecer num centro de detenção e de “confessar” à televisão pública chinesa o seu envolvimento num acidente vários anos antes.

A família de Gui não estava disponível, mas o poeta dissidente Bei Ling, um dos seus amigos declarou não ter “qualquer dúvida” de que o editor se queria tratar no estrangeiro e afirma a propósito do vídeo que não se podia “acreditar nas palavras de alguém que está oprimido como um prisioneiro”.

1 COMENTÁRIO

  1. Mas quem é que acredita nas declarações falsas feitas sob coacção. Têm sido feitas por inúmeros prisioneiros, geralmente defensores dos Direitos Humanos!
    Será que o Governo da RPC pensa que alguém acredita neles?
    Maria Teresa Nogueira

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here