Exposição | Vhils participa em mostra de arte urbana em Singapura

A legitimação da street art, que saiu da obscuridade ligada à delinquência para as galerias mais afamados do mundo da arte, será celebrada em Singapura. Alexandre Farto (Vhils) e André Saraiva (Mr. A) vão participar na “Art from the streets”, que mostra quatro décadas de arte urbana

 

Há algum tempo que o graffiti conseguiu granjear o reconhecimento do universo da crítica e das exposições artísticas, em particular no Ocidente. Saindo da clandestinidade e da criminalidade para um patamar estético de relevo é natural que na Ásia estas manifestações artísticas tenham vindo a ganhar alguma popularidade. Nesse sentido, os artistas Alexandre Farto (Vhils) e André Saraiva (Mr. A) estão entre os participantes da mostra “Art from the streets”, que passa em revista 40 anos de Arte Urbana e é inaugurada a 13 de Janeiro, em Singapura e estará em exibição até 3 de Junho.

A “Art from the streets” mostra “40 anos de Arte Urbana, desde os primeiros tempos de contracultura até à extraordinária ascensão como importante fenómeno na arte contemporânea”, através de trabalhos de “alguns dos maiores artistas urbanos do mundo”, lê-se no texto de apresentação da exposição.

Na lista de participantes da exposição estão nomes tão sonantes como o misterioso britânico Banksy, o norte-americano Shepard Fairey, conhecido como Obey e que no último verão pintou três murais em Lisboa no âmbito da exposição que teve patente na galeria Underdogs.

Entre os participantes estão os clássicos franceses da arte de rua JR, Blek le Rat e Invader e o francês de origem portuguesa André Saraiva, criador do mural com mais de 53 mil azulejos pintados à mão do Jardim Botto Machado, em Lisboa.

Com curadoria da francesa Magda Danysz, que tem galerias com o seu nome em Paris, Xangai e Londres, a exposição “reflecte a evolução da Arte Urbana, traçando as diversas técnicas usadas pelos artistas ao longo das décadas e mostrando como a tecnologia criou novos caminhos expressivos para os artistas”.

Patente de 13 de Janeiro a 3 de Junho, a mostra vai incluir “uma série de pinturas ao vivo e instalações criadas no local por nomes icónicos da área”.

Portugueses de rua

Nascido em 1987, Alexandre Farto cresceu no Seixal, onde começou por pintar paredes e comboios com “graffiti”, aos 13 anos, antes de rumar a Londres, para estudar Belas Artes, na Central Saint Martins. Captou a atenção a “escavar” muros com retratos, um trabalho que tem sido reconhecido a nível nacional e internacional, e que já levou o artista a vários cantos do mundo.

Além de várias criações em Portugal, Alexandre Farto tem trabalhos em países e territórios como a Tailândia, Malásia, Hong Kong, Itália, Estados Unidos, Ucrânia, Brasil.

Em 2014, inaugurou a sua primeira grande exposição no Museu da Electricidade, em Lisboa: “Dissecação/Dissection” atraiu mais de 65 mil visitantes em três meses.

Em 2015, o trabalho de Vhils tornou-se extraterrestre e chegou ao espaço, mais precisamente à Estação Espacial Internacional, no âmbito do filme “O sentido da vida”, do realizador Miguel Gonçalves Mendes.

No ano passado, a arte de Alexandre Farto invadiu Macau com a exposição “Destroços”, patente no espaço das Oficinas Navais Nº 1 – Centro de Arte Contemporânea. Uma mostra que foi abruptamente interrompida pela destruição semeada pela passagem do tufão Hato por Macau. Uma calamidade que provocou prejuízos que não chegaram a ser divulgados.

Filho de portugueses, nascido na Suécia em 1971, André Saraiva começou fazer “graffiti” em 1985. Foi, porém, na década de 1990, que criou “Monsieur A” (Mr. A), uma personagem de cabeça redonda, olhos em X, com uns traços a fazerem de pernas e um sorriso rasgado, com a qual se tornaria conhecido e que espalhou em paredes de cidades de todo o mundo.

Seja em que parede for, a arte urbana está aí para ficar. Singapura será um centro desta corrente underground até Junho, com dois artistas de origem portuguesa no panteão dos mais representativos artistas que dominam as ruas.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários