PARTILHAR

Vivemos numa sociedade de premiados. Todos os dias os grupos fechados que fazem parte de coisas várias premeiam gentes. De tanto prémio já nem sabemos os que se auto-premeiam com a ilusão constante da rotatividade dos clubes e da imensa e inócua produtividade dada em corrupios de um inflamado génio que sempre falta. São quase organizações clandestinas estas que se estrangulam no delírio do prémio. Ora, os prémios, são de fato o que menos importa. Ninguém talha um caminho para erguer taças ao alto, nem a vida é essa insustentável leveza de vaidades ardilosas fechada nas benesses dos que trabalham para a mesma causa em suportes variados de sujeição.

Os imensos esforços de camaradagem forçada que se denota nestes ambientes impulsiona o mais desprevenido a desejar sair dali e não querer sequer que saibam que está vivo. São de facto um atentado à inteligência e um festival de ousadas demonstrações de salubridade mental.

É um espectáculo insano estes pequenos guetos assaltados por uma gente detentora de poderes para gerir, absolver, ignorar e inutilizar: em muitos instantes nem o pensamento sobre a função é claro, pois que não conseguem explicar de forma natural aquele amontoado de situações, entrando assim numa esfera comprimida onde a inventividade estanca, a mobilidade é morta, mas passeando-se mesmo assim pela orla das suas degeneradas funções.

Há Ministérios para certas actividades que devem ter as verbas distribuídas para grupos das suas legiões, mas nada disto é um assunto abrangente e muitos vivem de nada fazerem para além de assinaturas a petições, acabando-se aqui a intervenção cívica e social . É grotesca a forma como se movem os seres que destroem não só o erário público bem como aquilo que poderia haver ainda de talentoso. Continua a ser tudo “sacristão maçónico” com o aguilhão da polícia secreta, estão habilitados a matar, a salvar, a expulsar… é, sim, é uma gente malsã! É um espectáculo desprezível desde os cumes até às bases. Para não falar na jactância emproada de alguns protagonistas. Claro! Há muita violência doméstica, as pessoas não são expansionistas para andarem na rua a gritar, fazem-no então entre quatro paredes onde não raro se matam todas umas às outras. E é neste estado que vivem os presidentes de certas associações que andam por aí. Gente que não tem um rasgo de cultura adquirida a que possamos chamar civilidade.

Os nossos pares? – Devem estar a brincar! – Primeiro, há seres ímpares, depois os pares escolhem-se, e isto não deve tomar mais do que o tempo de uma análise da nossa reflexão. Geralmente quem teve a sorte de escolher o bom, olha para isto com ar incrédulo, mas há que não desmerecer a confiança que nos depositaram. Há coisas que trazemos como um distintivo, uma conquista, uma forma de merecimento, e outras que são tão circunstanciais, que não passam disso mesmo.

Todos os dias nas sociedades dos prémios há gente a jogar para ser premiada gente que se esforça por ganhar o euro milhões, outros o pódio, e outros a atenção de aqueloutros- e mais outros- premiar este que já premiou aquele, e assim sucessivamente até ao dia de os tirar a todos de lá para fora porque afinal eram outros que tinham feito a Obra. Isto para não falar do excesso de zelo para com uma população cada vez mais afugentada do saber da linguagem e que a única razão de não passar definitivamente a dialecto é o de poder sustentar uns nativos longe da sua região de origem. O que estes Institutos e linguistas ganham para degenerar tudo por onde passam na sua insensibilidade verbal, dava para fazer ensinos de grande qualidade, mas, agora como sempre, há uma forma de vida artificial por onde passa um ardil de gentes sem mérito que na sua consciente falta dele se auto premeia a si mesma.

Sabemos que de nós fica pouca coisa na duração do tempo, essa deve ser a visão clara, não nos é dado “sujar” o espaço de forma metódica e continuada pois que seria do grau da insuportabilidade, e que o barroco oco da nossa ganância pátria para com o maior , o mais importante, o mais este, o mais aquele, deu esta imensa decrepitude social onde agora se mergulha. Neste imenso opróbrio onde a liberdade foi sonegada em detrimento de vantagens tão substituíveis que nem notamos, nota-se o artefacto de uma moléstia tardia que vingou. Quando se contarem as peças desta manobra feita de angariadores e mercenários, talvez muitos fiquem esmagados de vergonha perante a robustez dos tenazes, e que a supremacia dos distribuidores de prémios se sinta cruelmente nua no meio de uma história que não querem contar e outro a recitará. E os euromilhões fiquem escancarados nas esquinas dos prédios e as notas em sacos dos carros de Estado, estampados nos semáforos.

Não chamaria inaptidão ao legado frouxo que ninguém quer, chamar-lhe-ia um acto previsível. Quanto à astúcia e toda a estultícia, garbo, altaneiro estado, guardem tudo. Vão precisar de todos essas características quando mais nada restar de uma continuada e valente fraude.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here