Festival da Luz de Macau arranca a 3 de Dezembro com o tema “Amor Macau”

A partir do próximo dia 3 de Dezembro e até ao final do ano Macau brilhará com mais intensidade. Começa o Festival da Luz que promete encher a cidade com projecções e jogos luminosos com produção cem por cento local. O evento custará 18 milhões de patacas, menos dois milhões que no ano passado

Tal como descrito no Génesis, em Dezembro haverá luz. A dirigente máxima da Direcção dos Serviços de Turismo (DST), Helena de Senna Fernandes, anunciou a abertura da terceira edição do Festival de Luz de Macau. O evento começa no próximo dia 3 de Dezembro e decorre até ao final de Dezembro, todos os dias entre as 19 e as 22 horas.

Este ano, a produção estará a cargo de mais de uma centena de produtores inteiramente locais, com eventos a decorrer um pouco por toda a cidade sob o tema “Amor Macau”. Helena de Senna Fernandes explicou que o tema do festival foi escolhido devido ao período complicado que Macau atravessou depois da passagem do tufão Hato. “Houve muito sofrimento, mas também solidariedade entre diversos sector de Macau”, explicou a directora da DST que acrescentou que o festival celebrará os laços de fraternidade e amor entre todos.

No menu deste ano estão espectáculos de vídeo mapping, instalações luminosas, jogos interactivos, exposições em que a luz será o ingrediente principal, concertos de bandas locais e cinema ao ar livre. Os custos desta edição do festival são de 18 milhões de patacas, menos dois milhões do que na edição do ano anterior.

As Ruínas de São Paulo foram o palco escolhido para a cerimónia de abertura, intitulada “Desejo Feito debaixo das Estrelas”, que decorre no dia 3 de Dezembro, às 18h45. O mesmo local acolhe mais dois espectáculos de video mapping, onde serão projectadas luzes que interagem com o relevo do monumento em alusão à confluência de culturas, religiões e etnias que marcam o território. Em “Amor Ilimitado” a narrativa passa pela viagem da frota portuguesa, ligando a Rota da Seda a Macau. No outro espectáculo, “Amor Interligado”, os espectadores embarcam num jogo interactivo que lhes possibilita a participação nas projecções de luz nas Ruínas de São Paulo.

Lago de Luz

O ponto central do festival acontece no Lago Nam Van, onde será instalado o “Labirinto das Flores”, que irá ter várias configurações. O labirinto é um velho sonho de James Chu, presidente da Associação de Designers de Macau e um dos artistas que participa na exposição que a Casa Garden acolhe no âmbito do festival. Na tenda do Lago Nam Van serão projectadas imagens em luz, sendo permitido ao público participar com frases e haverá uma paragem de autocarro em holograma. Haverá ainda música, dança e jogos para públicos de todas as idades.

A fachada da Igreja de Santo António será palco para “O Farol da Guia da Vida”, com uma projecção que pretende aliar histórias de amor e os marcos históricos da igreja. Na Igreja de São Lázaro será projectado o espectáculo visual “Misericórdia e Amor para Todos”, numa experiência que junta a música à profusão de luzes.

A luz do festival vai também inundar a Freguesia de São Lázaro e as imediações do Jardim de Luís de Camões, enquanto que na zona das Casas-Museus da Taipa será montado um palco para concertos de bandas locais.

Helena de Senna Fernandes estima que esta edição do Festival de Luz de Macau tenha mais visitantes, ultrapassando os 200 mil registados no ano passado. O optimismo da directora do DST é justificado por o festival ter mais locais e elementos. Ao mesmo tempo, a líder dos serviços de turismo conta com o maior reconhecimento que o evento tem na sua terceira edição. “O programa deste ano integra a história e a cultura da cidade e queremos torná-lo num evento de marca de Macau”, conta Helena de Senna Fernandes.

Em simultâneo, a responsável máxima pelo turismo acrescenta que o Festival de Luz de Macau também pode beneficiar dos múltiplos eventos que acontecem ao longo do mês. Mais precisamente, a Maratona Internacional de Macau, que ocorre no mesmo dia da abertura do evento, o Festival Internacional de Cinema, o Festival de Compras de Macau, o Desfile Internacional de Macau, o Aniversário da RAEM, assim como a quadra natalícia que se avizinha.

Jardim iluminado

A Casa Garden recebe a exposição “A luz na alma – Exposição de Luz de Macau”, que conta com a participação de José Drummond, João Ó e James Chu.

“Este trabalho é um pouco a continuação de preocupações anteriores, com linhas de infinito que traçam metáforas sobre a vida, o amor e existência. A minha peça maior será muito proeminente porque obriga as pessoas a uma circulação especial dentro dela”, conta José Drummond. A obra em questão tem como título “There Is a Light That Never Goes Out”, em alusão à música dos britânicos The Smiths. A experiência imersiva é composta por uma coreografia de luzes projectadas “numa espécie de corredor que as pessoas atravessam”, ao som da música dos The Smiths reinventada pelo artista, ao ponto de ser praticamente irreconhecível.

José Drummond participa com mais duas peças em néon vermelho que funcionam como um antagonismo escrito. “Each man kills the things he loves”, de Oscar Wilde e “Find what you love and let it kill you” do poeta norte-americano Charles Bukowski.

James Chu, outro dos artistas convidados a expor na Casa Garden, aventurou-se pela primeira vez numa experiência de projecção de vídeo. No entanto, o novo elemento será adicionado num contexto familiar, um quadro abstracto de nuvens coloridas. “Vou usar o vídeo para tentar projectar uma ideia que tenho na mente em cima da pintura. É a primeira vez que faço algo assim, ainda estou no processo criativo mas está a ser muito excitante”, conta o artista.

Apesar de não ter concluído o trabalho, e de confessar que ainda não está satisfeito com os resultados alcançados até agora, James Chu tem tempo até à abertura do Festival de Luz de Macau.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários