PARTILHAR

O Open Internacional de Macau de Taekwondo começa no sábado, no Centro Olímpico de Macau, e Nikola Maricic definiu como objectivo a conquista do ouro. O atleta que representa Macau, apesar de ter nascido na Croácia, vai actuar na classe Poomsae, em que os lutadores estão sozinhos a simular movimentos de combate e são avaliados com base nos movimentos técnicos.

“Estou à espera lutar pela medalha de ouro e conquistá-la. Considero que é um objectivo possível, se durante a performance não cometer muitos erros, nem me sentir muito ansioso”, confessou, ontem, Nikola Maricic, ao HM.

O atleta chega à competição do território, após ter alcançado o bronze no Campeonato Internacional de Taekwondo da Malásia, que decorreu em Agosto, na cidade de Kuala Lumpur. Na altura, Maricic tentava defender a medalha de ouro conquistada na edição do ano anterior. Contudo, o facto de não ter conseguido o objectivo, não o levou a alterar de forma radical a preparação para o torneio de Macau.

“Não mudei nada na minha preparação depois do torneio em Kuala Lumpur. Na altura, apesar de não ter conquistado o ouro, fiquei contente com o bronze, por isso continuei a fazer os meus treinos com a selecção, como faço sempre. Além disso realizo as minhas sessões de treino individuais”, contou o praticante de 48 anos, que vai competir na categoria para atletas com idades entre os 41 e 50 anos.

Questão de equilíbrio

Porém, como a simulação de combate para este torneio vai exigir aos atletas um maior equilíbrio, esse foi um dos aspectos que o praticante trabalhou de forma mais intensa.

“Desta vez apostei muito mais no equilíbrio, porque de acordo com as regras para esta competição, vai ser um dos principais aspectos a ser avaliado. Normalmente a importância atribuída aos critérios de avaliação muda consoante o torneio, assim trabalhei muito o equilíbrio de olhos fechados”, explicou Nikola Maricic.

“Quero conseguir uma pontuação de oito pontos, o que no Taekwondo é uma nota mesmo muito elevada. Para se ter uma ideia, os campeões mundiais, e estamos a falar de atletas de topo, não vão além dos 8,20 ou 8,30”, acrescentou.

Além de competir no sábado, Nikola Maricic vai ser júri de outras competições nos restantes dias. Uma tarefa a que está acostumado, e que diz contribuir para ser um treinador melhor.

“É uma posição muito exigente porque temos de acompanhar todos os movimentos dos atletas, é um grande esforço. É também uma grande responsabilidade porque temos de estar atentos para retirar pontos sempre que é cometido um erro, mesmo que seja uma coisa de pormenor”, apontou.

“É uma vertente muito importante, principalmente como treinador. Se não formos bons a saber avaliar os atletas também é mais complicado conseguir ensinar bem os nossos alunos”, frisou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here