Concerto | Marcel Khalife toca amanhã no Centro Cultural de Macau

O músico libanês toca em Macau pela primeira vez no sábado, apresentando ao público as sonoridades do oud, acompanhado por dois percussionistas e um baixo-duplo. Marcel Khalife destaca-se como um artista com elevada sensibilidade social, considerado por muitos como o Bob Dylan do Médio Oriente

Talvez a arte salve o mundo. Este é o lema de muitos artistas com mensagem política e social. “Quero combater a brutalidade que se vive nos dias de hoje com música, é o que sei fazer melhor”, comenta Marcel Khalife.

O músico libanês usa o oud, um instrumento de cordas que se assemelha a uma viola, para veicular uma mensagem de forte cariz social. Tanto hoje, como há mais de 40 anos, quando começou a sua carreira, Marcel canta para os povos oprimidos, ao que são submetidos à violência. “A barbárie pode ser combatida com amor, música e poesia, talvez seja a forma de salvar o mundo”, um conceito transversal à mensagem do músico.

Olhando para a actualidade, o libanês não considera que a desumanidade se limita apenas ao Médio Oriente, estando espalhada por todo o mundo. Mas focando a região de onde é originário, Khalife é da opinião de que, “historicamente, os regimes que controlam o mundo fazem-no através da brutalidade, com violência que gera mais violência”. É assim que explica o aparecimento de grupos como o Estado Islâmico, efeito secundário dos actos desses regimes.

A selvajaria não se esgota no terrorismo e na guerra. Nesse sentido, o músico é sensível também às questões da miséria, opressão e falta de acesso à saúde e educação.

Apesar da fealdade que enche o mundo, a Marcel Khalife não lhe faltam oportunidades de deslumbre e inspiração. “Se olharmos para a vida, para o que nos rodeia, podemos encontrar beleza, é uma questão de visão”, explica, seja um olhar bonito, ou uma criança a brincar.

Com aclamação pela crítica, tanto no Médio Oriente como no resto do mundo, a obra de Marcel Khalife tem sido reconhecida também pela sua função social e humanitária. Como tal, o libanês foi nomeado em 2005 pela UNESCO como Artista pela Paz. Dois anos depois era distinguido pelo prestigiado Prémio Charles Cros, pela obra “Taqasim”, na categoria de música do mundo.

Alguns críticos consideram Marcel Khalife como o Bob Dylan do Médio Oriente, uma comparação que não entusiasma particularmente o libanês. “Esta similaridade tem que ver mais com o compromisso social e político, assim como com o conteúdo das letras”, comenta. Musicalmente, o mestre do oud considera que Dylan seguiu outro percurso.

Faz-se luz

Marcel Khalife nasceu na pequena cidade de Amchit, filho de um pai pescador que tocava flauta. O músico não consegue destacar o momento exacto em que se apaixonou pelo oud, porque “ninguém sabe quando se começa a amar algo, o amor é como a magia, simplesmente acontece”, comenta.

Certo é que desde pequeno se sentia atraído por instrumentos musicais. Aliás, até os pais lhe comprarem o primeiro oud, o músico fez-lhes a vida negra ao usar musicalmente tachos e panelas. Inspiravam-no cânticos religiosos e as melodias que ia ouvindo. A mãe achou que o jovem tinha algo dentro de si, um talento por explorar. Então, decidiram comprar um instrumento para que se pudesse expressar. Decidiram-se pelo oud por ser barato e aí começou uma festa que levaria o jovem Marcel a ser um dos mestre contemporâneos desta forma arcaica de alaúde.

Os pais arranjaram-lhe um mestre que passados uns meses decretou não ter mais nada para lhe ensinar, tendo-os avisado que o filho possuía um dom inato para o instrumento.

Ainda teve outro professor até ingressar no Conservatório Nacional de Música de Beirute. Completou os estudos e, quando se preparava para iniciar a carreira musical, a vida intrometeu-se com violência. Rebentava a guerra civil libanesa.

Por esta altura, Marcel Khalife era um jovem idealista, revolucionário, com vontade de mudar o mundo. Por uma questão de divergência política com as forças que dominavam a sua região, votou-se a uma espécie de prisão domiciliária onde mergulhou no oud e na poesia de Mahmoud Darwish.

“Estava só a passar o tempo, a pegar na poesia e a transformá-la em música, nunca esperei que esse trabalho acabasse num palco em Macau”, recorda o músico. Quando sentiu que já não podia ficar mais tempo fechado na casa onde cresceu, Marcel saiu e partiu para Paris levando consigo o oud e a música que havia composto com base na poesia de Darwish.

As sonoridades do libanês chegaram aos ouvidos certos e a sua música nunca mais parou de se espalhar, tornando-se num fenómeno global. “De repente, algo que fiz às escuras chegou à luz”, interpreta.

A música luminosa de Marcel Khalife chega assim, 43 anos depois do início da sua carreira, a Macau. Amanhã, no Centro Cultural, pelas 20h, o músico libanês sobe ao palco ladeado por dois percussionistas e um baixista para um concerto que promete ser memorável.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários