Devin Nunes | Expansão chinesa não beneficia populações

O congressista norte-americano Devin Nunes criticou ontem em Lisboa a actuação da China em termos globais, nomeadamente em África, por não levar benefícios às populações dos países onde investe e militarizar as regiões.

“A China espalha influência pelo mundo; em África trazem pessoas, constroem estruturas, que muitas vezes não funcionam bem, colocam militares, não se misturam com as pessoas e só se preocupam com eles”, disse o republicano em entrevista à Lusa, durante a passagem por Lisboa.
“Se faz parte do partido, está numa elite e os outros não têm nada, e projectam isto pelo mundo, e uma das razões por que fazem isto é que uma parte da elite quer tirar o dinheiro do país e pô-lo noutros lugares”, criticou o congressista republicano, que visitou as instalações de defesa naval portuguesa e participou num encontro de legisladores luso-americanos, no fim de semana.
Para Devin Nunes, os chineses frequentemente argumentam com razões económicas quando têm fins militares: “Quando vão para esses sítios, e dizem que vão para pesquisa científica ou razões económicas e depois aparecem os militares, isso é inaceitável”, vincou.

África minha

Em África, a China é um dos principais investidores em Angola, comprando metade do petróleo que o país exporta, e em Moçambique o gigante asiático já investiu 6 mil milhões de dólares desde 2015, segundo dados apresentados pelo embaixador chinês em Maputo, na semana passada.
Questionado sobre as relações entre a Rússia e as eleições norte-americanas, que ditou o afastamento de Devin Nunes da investigação, apesar de se manter como presidente da comissão parlamentar sobre informações, o republicano lembrou que “a Rússia tem estado fortemente envolvida nas eleições [norte-americanas] há décadas, mas dantes não se falava nisso”.
Os russos, considerou, “são muito bons em propaganda” e estão envolvidos também nas eleições europeias, “é o velho KGB a funcionar, há televisões russas em toda a Europa, incluindo a RT em Portugal, e são muitos bons a promover o seu regime”.
“O desafio é saber se a Rússia sai da Crimeia, da Ucrânia, e trabalha connosco contra o ‘jihadistas’, isso seria positivo, mas acho que não”, disse.
O congressista considerou que a falha de avaliação das intenções e objectivos da Rússia nos últimos anos “é o maior falhanço desde o 11 de Setembro” e vinca que avisou o anterior Governo “há um ano” e que há vários anos que tem alertado para a “inabilidade dos EUA em perceberem os planos da Rússia”.
Sobre a União Europeia e a recente decisão do Reino Unido de abandonar esta entidade, e o ressurgimento de nacionalismos que têm colocado os partidos de extrema-direita mais perto do topo das intenções de voto, Devin Nunes preferiu não se alongar na análise.
“É muito importante ter uma União Europeia forte, e o desafio é o nível de burocracia em Bruxelas, saber quanta burocracia é demasiada, porque há uma linha ténue entre ter uma enorme burocracia que dificulta a vida diária das pessoas, versus dar-se bem com os vizinhos e ter uma boa relação; nós só queremos ser úteis e fortalecer a relação com os nossos aliados”, concluiu.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários