Música | Jazz alastra pela cidade com múltiplos eventos

Depois de décadas de relativa inactividade, vive-se na cidade nos dias de hoje uma renascença jazzística. A acrescentar às noites de domingo de jazz no LMA, outros concertos aparecem na agenda. No próximo 23, o Chef’s Corner recebe o All That Jazz, sob a batuta do baixista Zé Eduardo

Com raízes na escravatura afro-americana, o Jazz é, hoje em dia, uma música abraçada pelas elites sociais, numa interessante inversão sociocultural.

Em Macau, passou de um panorama musical relativamente incipiente, tirando alguns eventos como o Festival de Jazz, para uma cena com alguma vibração.

Neste trajecto de crescimento, o baixista Zé Eduardo tem sido um fio condutor que tem atravessado décadas da música no território.

Veio a Macau pela primeira vez em 1979 para participar na segunda edição do Festival de Jazz de Macau, com a banda de Rao Kyao. Passados 27 anos, Zé Eduardo passa pela cidade convidado pelo Jazz Club. “O panorama era muito diferente do que é agora, isto ainda era território português”, recorda. “Ainda cá estava um grande número de funcionários portugueses, havia um clube mas era uma comunidade muito fechada, onde os chineses não se aventuravam. Aliás, não havia grande propensão por parte da comunidade chinesa para o estilo musical. A insondável hermética chinesa estava no seu melhor, depois de milénios de isolamento”, conta Zé Eduardo.

Também a população portuguesa se encerrava sobre si própria, nos seus costumes. “Ficavam a ver a RTP Internacional e o futebol”, recorda. Como o Jazz Club era predominantemente português, à excepção de um par de músicos amadores apaixonados pelo saxofone, o estilo musical sofreu com a debandada aquando da transferência. Antes, Zé Eduardo dava workshops que estavam repletos de filhos de engenheiros, arquitectos, doutores portugueses, que mantinham alguma afinidade com o Jazz. Desse tempo, apenas um par de macaenses permaneceu ligado à música, apesar de ser ao rock.

Beat de abertura

Com a génese da RAEM, a vinda dos casinos, a extensão dos aterros e a construção de arranha-céus, houve uma viragem no panorama do jazz de 180 graus. “Uma pessoa já via que ia acontecer qualquer coisa de mirabolante”, recorda o baixista e professor de música jazz. “Em 2001 estava tudo mudado, os meus alunos já não eram putos portugueses, eram quase só chineses e eu disse: até que enfim!”, recorda Zé Eduardo.

Para o músico, o China americanizou-se “a toda a força” e, com essa abertura, o jazz tornou-se popular.

Algo que não é de estranhar, dadas as características do estilo musical que se tornou património mundial da humanidade. “O jazz é uma música planetária, criada por escravos mas que tem uma mensagem incrível de liberdade”, explica Zé Eduardo.

Para o músico, o jazz em Macau tem penas para andar, isto porque, “finalmente, é feito por malta daqui”. Inclusive, por alguns portugueses que por cá vivem. Vive-se um período de renascença das sonoridades que ofereceram ao mundo génios como Coltrane, Gillespie, Davis, Monk, entre outros.

“Há um grupo de malta jovem, na casa dos 30 e poucos anos, que fala sobre jazz e que sabe do que fala e isso é algo que acho porreiro e me deixa contente”, confessa o baixista que viu o estilo musical evoluir em Macau.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários