PARTILHAR

A deputada Kwan Tsui Hang pretende saber quais os resultados de um ano de funcionamento da equipa de prestação de serviços psicológicos comunitários, criada pelos Serviços de Saúde de Macau (SSM) em Julho do ano passado. Para a deputada, continuam a existir muitas famílias com elementos a necessitar de apoio psicológico ou psiquiátrico, mas que desconhecem a existência do serviço.

“Alguns dos familiares dos pacientes afirmam que não têm forma de ficar a par do teor dos respectivos serviços, nem canais para pedirem o respectivo apoio. Eu também cheguei a consultar o website dos SSM, mas não encontrei informações relacionadas”, escreveu a deputada numa interpelação escrita entregue ao Governo.

Kwan Tsui Hang pretende saber ainda se os SSM vão promover mais este serviço. “Quais os meios de que dispõem os SSM para promoverem os serviços desta equipa? Vão ou não aumentar os meios para a sua divulgação e reforçar os trabalhos de promoção, de modo a facilitar que os doentes e familiares com necessidades tomem conhecimento dos serviços prestados pela referida equipa e peçam o seu apoio?”

A deputada oriunda da Federação das Associações dos Operários de Macau alerta ainda para o facto de existir o projecto de lançamento de uma segunda equipa, sendo que ainda não foram avançados mais detalhes. “Qual o ponto de situação do trabalho da equipa desde a sua entrada em funcionamento, em Julho do ano passado? E quais os resultados? Numa reunião do Conselho Consultivo dos Serviços Comunitários da Zona Norte, em Novembro do ano passado, o Governo revelou que ia preparar a criação de uma segunda equipa. Qual o ponto de situação?”, questiona.

Kwan Tsui Hang recorda ainda as recomendações da Organização Mundial de Saúde, que afirma que “os doentes mentais devem ser integrados nos bairros comunitários e conviver com as suas famílias, ao mesmo tempo que recebem o devido tratamento, até conseguirem recuperar por completo a sua saúde”.

“O Governo criou ou não mecanismos que permitam às famílias aprender os conhecimentos necessários para viverem com os doentes recuperados, assim como receber apoio adequado em caso de necessidade?”, inquiriu ainda a deputada.

PARTILHAR
[email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here