Rita Serafim | Uma mulher entre voos

Aterrou pela primeira vez em Macau há 20 anos, ainda durante a administração portuguesa. Imagine-se, uma adolescente de 13 anos, arrancada do seu meio, dos amigos, da escola, e de tudo o que tinha conhecido até então, para vir morar para o outro lado do mundo.

“O meu pai foi convidado para trabalhar para a Air Macau e a família mudou-se para cá”, lembra Rita Serafim. Numa altura da vida em que tudo é um drama, vir morar para a Ásia foi aquilo que se espera. “Foi muito complicado no início porque, apesar de haver muita gente portuguesa aqui e de, na altura, termos três escolas, mudar de país foi muito difícil”, recorda. De repente, viu-se sem chão. “Senti que tinha tudo em Portugal, os meus amigos”, a vida a que estava habituada, tudo ficou para trás.

Mas o ser humano tem, de facto, grande capacidade de adaptação. Ao início não foi fácil, em particular nos dois primeiros anos, mas com o alargamento do ciclo social e integração, tudo passou a ser mais simples. Hoje em dia, Macau é a sua casa, “mais ainda do que Portugal”.

Para Rita Serafim, esta é uma cidade onde se consegue evoluir profissionalmente. Actualmente, a portuguesa trabalha numa empresa de jactos privados. A sua função é certificar-se de que tudo está em ordem antes de os aviões saírem, desde o tempo, lista de passageiros, bagagem, licenças, slots, etc..

A profissão que desempenha costumava ser quase exclusivamente feita por homens. “Há um bocado de preconceito, se calhar pelos horários e volume de trabalho, que é bastante pesado”, revela. Além disso, é um trabalho que precisa de constante actualização, que evolui ao sabor do avanço tecnológico. Rita aceita com prazer a aventura de estar nos bastidores do mundo da aviação, e da necessidade de constante adaptação. Algo em que se tem tornado perita ao longo da vida.

Vai e vem

Em duas ocasiões, e sempre para estudar, Rita Serafim viu-se na necessidade de regressar a Lisboa. Primeiro para terminar o ensino secundário de 2004 a 2007 e, mais tarde, para frequentar um curso de pastelaria de 2010 a 2013. “A ida foi mais uma questão de estudos, porque aqui não há, aqui o ensino é mais orientado para áreas como o Direito”, explica. No segundo regresso a Portugal, Rita foi estudar formação turística. Não gostou. Experimentou cozinha, com o mesmo resultado, até que acabou a tirar um curso em pastelaria tradicional portuguesa. O curso foi rápido mas, nessa altura, Macau estava a puxá-la com uma força irresistível: a sua filha. “Custou-me muito ter de deixá-la cá, foi a melhor opção na altura, mas assim que pude regressei”, lembra a operadora de voo.

Com uma vida em constante mutação, um pouco à imagem de Macau, Rita não esquece as suas raízes, em particular no que toca aos sabores. “Quando tive a minha filha decidi que em vez de comprar coisas deveria fazê-las e, como somos portugueses no estrangeiro, queremos comidas de Portugal”.

Duas décadas de Macau foram o suficiente para testemunhar a evolução tremenda no território. Rita considera que há algo a perder-se. “Acho que está cada vez pior, o nível de vida aumentou, e a cidade perdeu aquele estado de inocência que tinha, que fazia com que toda a gente que chegasse cá se apaixonasse”.

Na sua perspectiva existem demasiados casinos, e desapareceu a velha e romântica Macau, com aspecto de vila de pescadores. Não é contra a modernidade, mas considera que o progresso deixou a população para trás, atropelou a comunidade. O rápido crescimento parece ter sido “mais virado para fora do que para dentro”. Entre tanto progresso, Macau parecer ter-se esquecido do seu bem mais precioso: as pessoas.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários