PARTILHAR
Não haja dúvidas: a comunidade portuguesa, residente em Macau, deve ser mesmo muito especial. Por um lado, o nosso “contributo activo” é importante para a RAEM, segundo Chui Sai On. Por outro, somos “insubstituíveis” para o futuro de Portugal, segundo o secretário de Estado, Jorge Gomes. Os habituais discursos do 10 de Junho, na residência consular, reafirmaram o costume, mas desta vez, ainda foram mais longe. Ele é muita responsabilidade…

O chefe do Executivo de Macau referiu nas cerimónias do 10 de Junho que as relações entre Portugal e Macau “têm vindo a ser concretizadas com sucesso” em áreas como a Justiça e sublinhou o contributo da comunidade portuguesa para o desenvolvimento da região. No âmbito da celebração do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Chui Sai On começou por agradecer a camisola da selecção portuguesa de futebol com o número 8 – o número da sorte – e o seu nome em português [Fernando], que, momentos antes, lhe foi entregue pelo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong.
“As relações entre Portugal e Macau são de longa data e, desde o estabelecimento da Região Administrativa Especial têm vindo a ser concretizadas com sucesso, em especial nas áreas do comércio, turismo, educação e saúde”, disse. “Também na área da Justiça, a cooperação entre Portugal e Macau saiu consolidada e reforçada, com as recentes visitas da senhora Procuradora-Geral da República Portuguesa e do senhor presidente do Supremo Tribunal de Justiça de Portugal”, observou.
O chefe do Executivo reconheceu “o contributo activo dos portugueses e dos macaenses (…) para a construção e desenvolvimento da região”. Também referiu que, hoje em dia, Macau tem “a relevante missão de elo de ligação nas relações culturais e comerciais entre a China e Portugal e também entre a China e os países de língua portuguesa”. Neste âmbito, invocou a preparação em curso, “com o forte apoio do governo central, da quinta edição da conferência ministerial no âmbito do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa”. “Estamos convictos de que, apoiando-se na estratégia nacional de ‘Uma Faixa, Uma Rota’ e, tirando partido destas singularidades, Macau continuará a fomentar e reforçar as suas relações na cooperação com os países de língua portuguesa”, afirmou.

Os insubstituíveis

O secretário de Estado da Administração Interna disse que comemorar este dia em Macau tem “uma carga emocional” por se celebrar “uma relação histórica de cinco séculos entre Portugal e a China, de admiração e de respeito mútuo” Jorge Gomes disse que em Macau “verifica-se o empenhamento em manter uma matriz portuguesa, facto que bem simboliza o sucesso da transição”.
“As informações que nos chegam, designadamente das autoridades portuguesas e do Executivo de Macau, comprovam que aqui os portugueses não são apenas bem-vindos. Mais do que isso são vistos como um pilar essencial desta comunidade empreendedora e virada para o futuro”, acrescentou. Por outro lado disse que “esta comunidade tem um papel insubstituível no futuro de Portugal. A distância não diminuiu em nada esse papel”.
Da relação entre Portugal e Macau salientou o Acordo Quadro da Cooperação em matéria de segurança pública interna, que se tem traduzido na realização de actividades conjuntas pelas forças de segurança, nomeadamente na área da formação, afirmando haver condições para o reforço desta cooperação bilateral.
Jorge Gomes falou ainda do plano de reformas que está a ser realizado pelo governo português e descreveu Portugal como um país de oportunidades de investimento e recordou a participação de investidores chineses nos processos de privatização de empresas portuguesas, e a internacionalização de outras que têm identificado negócios com a China. “Fora da Europa, não podemos esquecer: a China é um dos principais parceiros comerciais de Portugal”, salientou. Além disso, destacou a cooperação multilateral, desejando “os maiores sucessos” para a próxima reunião ministerial do Fórum Macau a realizar em Macau no final deste ano.

O cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong, Vítor Sereno, afirmou que “não gostaria que, quando se chegar a 2049 [data até à qual é garantido o funcionamento do princípio ‘Um país, dois sistemas’], exista a possibilidade de Portugal ser apenas lembrado por aqui ter deixado um conjunto de edifícios que são património histórico da humanidade”. Referindo o contributo da comunidade para o desenvolvimento de Macau, Vítor Sereno referiu a importância da vinda de mais quadros especializados de Portugal para a região. “Queremos estar na primeira linha de apoio, com mais professores de todos os graus de ensino, com mais médicos, com mais enfermeiros, com mais engenheiros, com mais técnicos especialistas”, disse.

Presidente da República: “Foi sempre o povo a lutar por Portugal quando elites falharam”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu que foi o povo português, “sempre o povo”, quem assumiu o papel determinante quando o país foi posto à prova, lutando por ele, mesmo quando as elites falharam. No discurso das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, no Terreiro do Paço, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa fez o elogio do povo português, “o povo armado e não armado”, que, “nos momentos de crise, quando a pátria é posta à prova”, assumiu o “papel determinante”. “Foi o povo quem, nos momentos de crise, soube compreender os sacrifícios e privações em favor de um futuro mais digno e mais justo. O povo, sempre o povo, a lutar por Portugal. Mesmo quando algumas elites – ou melhor, as que como tal se julgavam – nos falharam, em troca de prebendas vantajosas, de títulos pomposos, meros ouropéis luzidios, de autocontemplações deslumbradas ou simplesmente tiveram medo de ver a realidade e de decidir com visão e sem preconceitos”, afirmou.
“Portugal é o seu povo, que não vacila, não trai, não se conforma, não desiste”, declarou. “Aqui em Lisboa, seguro de estar a interpretar a vontade popular, condecoro militares cujo pundonor e percurso no passado ou no presente são exemplo para todos nós”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, no discurso que antecedeu a condecoração de seis militares, três no ativo e três outros que combateram na Guerra Colonial.
No elogio ao povo, Marcelo Rebelo de Sousa percorreu vários momentos da história de Portugal, desde a fundação, passando pelas perdas e recuperação da independência, às invasões estrangeiras do século XIX e o 25 de Abril. “Esse mesmo povo que hoje é garante do nosso desenvolvimento económico, da justiça social na reconfiguração de Portugal como país de economia europeia, de raiz multicultural, expressão da língua portuguesa, plataforma entre continentes, culturas e civilizações, é esse povo que hoje queremos celebrar”, afirmou. Numa intervenção curta (durou cerca de nove minutos), de tom mobilizador, Marcelo Rebelo de Sousa referiu-se também ao simbolismo do lugar em que decorreram esta primeira parte das cerimónias, o Terreiro do Paço. “Podemos dizer que devemos aos acontecimentos ocorridos neste espaço o que somos hoje e o que fomos sendo desde o século XV”, afirmou, referindo-se a vários acontecimentos, culminando no terramoto de 1755. “Foi aqui também que demos prova de que somos capazes, novamente a partir do nada, planeamos, reconstruímos, reerguemo-nos, Lisboa renasceu e a esta praça tornou-se uma das mais belas da Europa. Mostrámos ao mundo de então de que fibra somos feitos e do que somos capazes”. “Hoje, em 10 de Junho de 2016, desta mesma praça, que é símbolo maior do nosso imaginário colectivo, partimos, uma vez mais, rumo ao futuro. Somos portugueses, como sempre, triunfaremos”, concluiu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here