PARTILHAR
Está a chegar ao fim mais um Festival Internacional de Cinema e Vídeo de Macau e com ele uma semana de novo dedicada ao cinema internacional. As opções vão do documentário ao humor negro e ao surreal, passando ainda pelo cinema para a família numa série de projecções diárias

ODe amanhã e até 5 de Junho são os dias marcados para as últimas projecções internacionais de mais uma edição do Festival Internacional de Cinema e Vídeo de Macau (FICVM). Depois da abertura com o que veio de fora, dos Macau Indies – com o que de melhor se vai fazendo por cá – e de um programa recheado de actividades ligadas à sétima arte, é tempo de despedidas com um retorno ao cinema internacional. 31516P11T1-B
Está marcado “Um café no fim do mundo” já para dia 1 de Junho pelas 19h30. Numa co-produção do Japão e Taiwan, a película conta com a realização de Chiang Hsiu-Chiung. A realizadora de Taiwan faz assim a sua estreia no cinema nipónico com este filme à volta de temáticas como a identidade, o desgosto e a definição familiar. Misaki regressa à cidade onde nasceu, na península japonesa de Noto, oito anos depois do desaparecimento do seu pai. Transforma a velha casa flutuante num pequeno café ao mesmo tempo que desenvolve amizade com a família vizinha. Com o passar do tempo desenvolvem-se laços afectivos numa tentativa de unidade familiar num cenário situado no “fim do mundo”.

Alpinistas em documentário

Em formato documental é exibido o americano “Meru” a 2 de Junho à mesma hora. De Jimmy Chin e Elizabeth Chai Vasarhelyi este “documentário vertiginoso”, como é adjectivado pela organização, conta a história de três alpinistas que tentam cumprir a missão impossível de subir a este pico também conhecido por “Barbatana do Tubarão”. Por entre tempestades de neve, avalanches e lesões que atingem um dos membros da equipa e que agoiram a indomabilidade do lugar, este documentário “celebra a amizade, a perseverança e o espírito humano”.

Comédia no feminino

Para o serão de sexta-feira, dia 3, está marcado um encontro no feminino com “Jacky no Reino da Mulheres”. Agendada para as 21h30, esta realização francesa de Riad Sattouf faz uma incursão na República Democrática de Bubunne, onde são as mulheres que governam, dão ordens e fazem a guerra e o uso de véus e as tarefas domésticas cabe aos homens. Jacky é um desses homens que sonha em casar com a filha da ditadora-general Collonelle, aqui protagonizada por Charlotte Gainsbourg, numa “divertida comédia que aborda a inversão de papéis”.
O festival soma e segue com “Operação Ártico”, recomendado para as famílias, numa produção norueguesa levada a cabo por Grethe Boa_Waal. No sábado às 16h30 a “Operação” arranca com a história de Julia, que se muda com a mãe e os irmãos gémeos para uma pequena cidade. Na ânsia de se reencontrarem com o pai que trabalha no sul do país, os irmãos entram escondidos num helicóptero que voaria nessa direcção. A rota não seria essa e os irmãos vêem-se perdidos e sozinhos numa ilha deserta onde são obrigados a enfrentar tempestades, fome e ursos polares. Para a organização é um filme de coragem e resiliência para lidar com a vida.
No mesmo dia também vai pairar no ecrã o humor negro com a “Festa de Despedida”. É “uma comédia negra e emocional sobre a amizade e a importância de aprendermos a dizer adeus”. Aqui, um grupo de amigos de uma casa de repouso de Jerusalém, para ajudar um companheiro em estado terminal, constrói uma máquina de auto-eutanásia. Quando o conhecimento da existência deste dispositivo se espalha, cada vez são mais os doentes a pedirem este “apoio”, confrontando os protagonistas com os dilemas daí advindos.

Despedidas

Dia 5 de Junho encerra as projecções internacionais com “A Múmia do Príncipe” e “Deus Branco”, ambos às 16h30.
O primeiro, dedicado ao cinema em família, vem da Holanda e conta com a realização de Pim van Hoeve na narração da história de uma criança de 11 anos cuja vida muda ao encontrar uma múmia “encantada”. A múmia de Dummie, um jovem príncipe, volta à vida após ser atingida por um raio quando é transportada para o museu. Dummie é o oposto do tímido Gus e ambos desenvolvem uma amizade improvável.
“Deus é Branco” é o filme vencedor do prémio “Un Certain Regard” do Festival de Cannes 2014 de produção húngara e alemã e que conta a história de “terror e vingança” numa perspectiva canina. Realizado por Kornél Mundruczó, o filme mostra os direitos à rebelião a partir do ponto de vista de um cão. Numa altura em que as novas legislações taxam as raças mistas levando ao abandono de inúmeros animais, Haggen, abandonado nas ruas, passa pela experiência de sem abrigo sendo posteriormente capturado e levado para um canil. Ali, e com poucas esperanças de sobrevivência, os cães vão aproveitar uma oportunidade de fuga para se revoltarem contra a humanidade.
A produção que conta com a participação de Israel e Alemanha e com a realização de Sharon Maymon e Tal Granit está agendada para as 21h30.
Os bilhetes rondam as 60 e 80 patacas e os filmes vão estar em exibição no Centro Cultural de Macau.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here