PARTILHAR
Está terminado o novo filme do realizador Thomas Lim, o segundo totalmente feito em Macau. “Sea of Mirrors” é lançado em 2017, depois de muitos obstáculos “enriquecedores” uma pós-produção nos EUA e em Tóquio

Omais recente filme de Thomas Lim, “Sea of Mirrors”, vai ser lançado no próximo ano. A película, realizada em Macau, narra a história de Riri Kondo, uma ex-actriz japonesa, que viaja para Macau com a filha, Nana, para reunir com um potencial investidor que afirma ser seu fã. A proposta feita foi a de investir num filme realizado por ela, mas a verdade é que a questão tem mais a ver com sexo do que com filmes. Riri desmarca uma reunião com o investidor mas, em retaliação, a filha é raptada e a tentativa para a salvar leva-a à beira da loucura.
Foi no final de Abril que Thomas Lim, que filmou “Sea of Mirrors” com um iPhone 6, terminou as gravações. Um trabalho que, para o produtor do filme, também de Macau, não foi nada fácil.
“O maior desafio foi a contínua mudança de horários, devido ao tempo horrível. Tivemos também de ser muito flexíveis porque foram diversos os novos actores que entraram no filme diariamente e o nosso tempo de filmagem foi muito curto”, desabafa Jess Hao, que refere ainda que muitas das gravações no exterior foram canceladas e tiveram de ser substituídas. sea of mirrors
Ainda assim, o produtor diz que os obstáculos foram ultrapassados e não foram vistos como uma derrota. “O stress constante só fez a experiência mais enriquecedora e fiquei surpreendido em como Thomas Lim conseguiu reunir uma equipa tão diversa, com tantos backgrounds diferentes. Só mostra como o próprio background dele, vindo de Singapura e tendo vivido em diferentes partes do mundo, ajudou.”

Preferências

As diferentes origens dos actores estão bem vincadas em “Sea of Mirrors”: a australiana, ainda que quase local, Sally Victoria Benson, do Japão chega a actriz e produtora Kieko Suzuki e da Coreia do Sul o actor Jay Lim. No total foram 25 as pessoas que fizeram parte do filme – mais de 15 eram de Macau.
“Uma das protagonistas, Sally, cresceu em Macau e considera-se local. Tão local que foi ela quem deu algumas das direcções aos condutores para chegarmos a determinados locais”, brinca Thomas Lim.
A verdade é que, para o realizador do filme “Roulette City”, também filmado em Macau, desta vez foi “mais difícil” arranjar actores no território.
“Acredito que se deveu ao facto dos nossos personagens não serem a típica mãe de dois filhos ou polícias. Muitos dos papéis eram de mulheres que eram personagens não tão positivas (anti-heróis). Apesar de ser comummente defendido que estes personagens são mais memoráveis, os actores em Macau, geralmente, não gostam de fazer esses papéis. Ficámos admirados com este fenómeno.”

O telemóvel como arma

Como refere Thomas Lim, o filme é quase todo em Inglês e Japonês, sendo que a equipa chegou também de Hong Kong, além da Austrália, Japão e Coreia. O realizador, que já assumiu que o território é um dos seus sítios favoritos para filmar, não deixa de apontar como é que algumas cenas tiveram de ser, simplesmente, reescritas.
“Não acredito que três semanas passaram a voar assim. Tivemos tantos desafios, como o tempo, com nevoeiro e chuva. O filme era suposto começar e acabar num terraço que ia olhar para o horizonte de Macau, repleto de casinos. Em todos as vezes que tentámos filmar, estava nevoeiro, não dava para ver nada. Filmámos na mesma, mas depois começou a chover. Quando revi as cenas desse dia, decidi que não funcionavam: resultado, tive de as rescrever e filmámos, então, num hotel assustador. Tivemos de usar o único dia de folga para refazer essas cenas”, confessa Lim.
Além de todas as mudanças, uma das características da película é ser totalmente filmada em iPhone. Uma decisão que necessitou da colaboração de Thomas Lim com o cinematógrafo Santa Nakamura, do Japão. Algo que despertou duas coisas: o interesse pelo aparelho como câmara e a visão de alguém que vem de fora.
“Na primeira semana, foi basicamente eu a dizer-lhe o que queria para as gravações. Mas depois descobri um elemento que elevou a nossa cooperação: por ser esta a primeira viagem dele a Macau, ele não sabia as regras culturais do território e, por isso, tinha ideias que eu não tinha, sendo que, apesar de não ser de Macau, já aí vivi”, afirma Thomas Lim.
Já no que ao aparelho diz respeito, a utilização do Iphone vai “maravilhar as pessoas, assim que estas compreenderem como é que uma longa-metragem pode ser feito com alta tecnologia, mas com um equipamento pequeno e disponível em qualquer loja”, frisa Lim. sea of mirrors
Também Santa Nakamura explica o processo de filmar com um smartphone. “Como cinematógrafo tentei algumas coisas diferentes. Thomas Lim queria contar uma história através da composição do enquadramento e isso é uma forma muito visual e psicológica de fazer um filme. às vezes tínhamos de sacrificar uma boa luz, ou um background bonito, pelo que, para compensar, tive de usar o carregador de bateria como estabilizador. Senti que era uma extensão do meu corpo, como se tivesse mais um par de olhos ou dedos. Tentei, assim, pegar no que o iPhone pode fazer e outras câmaras convencionais não deixam.”

O próximo passo

Para o produtor Tan See Kam, de Macau e Singapura, as gravações da película, caracterizada como um “thriller psicológico” foi não só uma boa experiência, como foi algo que ajudou o território.
“Macau tem uma comunidade cinematográfica que está a crescer e fico satisfeito por ver que as pessoas dessa indústria de Macau foram generosas com o seu tempo, energia e recursos. O projecto permitiu também oportunidades para as pessoas de Macau crescerem e desenvolverem-se em termos de exposição e experiência”, frisou.
Nakamura partilha da opinião, dizendo que não é nada usual ter pessoas de tantas partes do mundo juntas num filme independente como este, algo muito “gratificante”. O mesmo sentimento tem Sally Victoria Benson, que diz que ter participado num filme feito no sítio onde cresceu foi mais do que um momento feliz. “Representar nas estradas em que brinquei quando era pequena e usar a minha cidade, que amo, como fonte de inspiração é algo que não vou esquecer.”
Jay Lim, pela primeira vez no território, caracteriza Macau como um lugar de fantasia, “bonito de dia ou de noite” e que combina bem, “tal como Sea of Mirrors”, o tradicional com o moderno. A opinião parece ser partilhada pela actriz japonesa Kieko Suzuki, que descreve Macau como “fotogénico” e “de tirar a respiração”. Tanto, que filmar em Macau durante três semanas foi para ela “um dos maiores projectos” de vida.
As gravações estão feitas e fazer um filme não é suposto ser fácil, como admite o realizador da Island Man Picures. Mas Thomas Lim não fecha os olhos aos próximos desafios, que passam “pela pós-produção do filme” – algo que está a ser feito em Los Angeles e que depois será finalizado em Tóquio. Esta fase termina no final do ano e o filme é, então, lançado em 2017.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here