PARTILHAR

Sem dúvida que esta foi uma semana especialmente e homossexualmente animada na China. Casos judiciais, hashtags no Weibo, e muitas vozes expressando-se pelo direito à igualdade foram proclamados pela comunidade LGBT chinesa, e não só.
No Verão passado, Sun Wenlin e o seu companheiro Hu Mingliang, fizeram um ano de namoro e decidiram casar-se. A homossexualidade não é criminalizada na China desde 1997, nem é oficialmente considerada uma doença desde 2001. Se o preconceito ainda existe, e se ainda existem psiquiatras a administrar terapias de choque a homossexuais – porque pensam conseguir “curá-los” – garante-se que sim, é uma tendência opinativa que, infelizmente, ainda anda por aí. Este casal, contudo, fez história ao tentar oficializar a sua união: a proposta de matrimónio foi recusada e ainda foram bombardeados com sugestões tradicionalistas de que uma família pressupõe um homem, uma mulher e a possibilidade de ter filhos. Eles não fizeram mais nada e levaram o caso a tribunal, alegando que a legislação chinesa não proíbe o casamento homossexual nem explicitamente sugere que o casamento só pode acontecer entre um homem e uma mulher.
A audiência aconteceu na cidade de Changsha, onde muitos membros da comunidade LGBT chinesa viajaram para apoiar a causa. Trezentas pessoas rodearam o tribunal e outras cem estiveram na assistência. Sem grandes surpresas, ao fim de poucas horas de audiência, o pedido de matrimónio foi recusado ao casal. Mas, Sun Wenli garante que vai recorrer as vezes que forem necessárias, porque, casar-se com a pessoa de quem gosta, é o que ele quer. É o que todos queremos. Todos reconhecem que isto de derrota teve muito pouco porque deu azo a um mediatismo e a uma mobilização estupenda, o que possibilitou a discussão entre todos. Foi o primeiro caso de tentativa de casamento homossexual na China, e, certamente, não será o último. O facto de ter sido discutido em contexto judicial, já é razão para alguma esperança. Afinal, foi com alguma surpresa que o casal e o advogado receberam a notícia que o estado de Hunan estava disposto a ouvi-los e aos argumentos a favor da sua união.
A partir daqui as vozes multiplicaram-se pelas redes sociais e nasceu um hashtag que apela ao fim dos casamentos de fachada. Neste momento, imensas pessoas estão a dar a cara a esta trend e garantem que não irão cair em pressões societais ditas ‘normativas’. São homossexuais que não irão casar-se com heterossexuais para manter as expectativas familiares porque, afinal de contas, ninguém na parelha vai ficar muito feliz. Até os pais de filhos homossexuais têm deixado mensagens no Weibo a garantir que incentivarão os seus filhos a casarem com quem eles quiserem.
Também muito recentemente, um trabalhador transgénero processou a companhia onde trabalhava por despedimento sem justa causa, ao revelar a sua preferência sexual e de género. O trabalhador em questão nasceu mulher, mas sente-se homem. Por isso, assim que começou a mostrar a sua verdadeira identidade masculina, foi acusado de não respeitar as regras do empregador. Foi despedido e agora espera um veredicto do processo em 45 dias, com a esperança de que o caso possa de alguma forma contribuir para o fim da discriminação dos transgénero no contexto laboral.
Não podia estar mais orgulhosa, a China fez-me muito feliz esta semana. Se no ano passado a opinião geral era que só daqui a 20 anos poderia ver-se o reconhecimento dos direitos da comunidade LGBT na China, à luz destes micro-passos, parece que já não é uma realidade assim tão longínqua. Pode estar mesmo ao virar da esquina! Apesar de tudo, o sistema não está a desmotivá-los. Há legitimidade na luta que ainda mal começou. Desenganem-se se acham que as opiniões e acções discriminatórias são subtis. Têm havido outros casos de queixas relativas ao constante estigma, até em manuais escolares, ou censura, na televisão e na internet, que façam referência à homossexualidade. Ao que parece há 16 milhões de mulheres na China casadas com homens homossexuais. Não será altura de permitir a liberdade, e a felicidade, para quem a quiser aceitar?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here