PARTILHAR

As conversas de café podem ter níveis de profundidade diversos. Há conversas mais metafísicas, mais banais ou aborrecidas. Há conversas sobre o tempo e, dependendo do grupo de amigos que se decidiu encontrar numa esplanada, poderá haver uma ou outra conversa sobre sexo.
O que se passou a seguir poderia fazer parte de um episódio de uma qualquer série de romance e/ou comédia. Falava-se sobre sexo descontraidamente e desprendidamente. Falava-se de imagem corporal e possíveis encontros amorosos. Caiu-se no cliché de até ter uma troca de dicas de maquilhagem e de revelar preocupações maioritariamente femininas.
Uma delas sentiu-se na necessidade de partilhar um momento de embaraço que lhe tinha acontecido recentemente. Um visitante masculino faz-lhe uma visita surpresa no seu domicílio. Alguns entenderão que é chato ter uma visita relâmpago quando uma pessoa não tem tempo de se preparar para a chegada de outrém. O erro cometido, neste caso, foi o de deixar o estendal cheio de roupa interior a secar. Há olhares e constrangimento, pelo menos de uma das partes. O visitante semi-indesejado está à vontade de, contudo, fazer comentários. Aquilo que eram cuecas de conforto e dia-a-dia da nossa protagonista, são erradamente interpretadas como ‘os boxers do amante sortudo’. Não há sortudos, muito menos amantes, são as cuecas feias, grandes e de algodão que todas nós temos nas gavetas. Resultado: embaraço. Embaraço somente para ela, porque ela não foi capaz de lhe retribuir o desconforto ao confessar de quem eram as cuecas na realidade.
Depois de uma confissão embaraçosa, outras deveriam vir atrás. Possuir este tipo de informação sobre alguém, momentos de concentração sanguínea nas bochechas, momentos de claro desconforto e reforço da fragilidade, é muitas vezes percebida como uma vantagem sobre os outros. A norma era agora que todos partilhassem momentos de embaraço e, surpreendentemente ou não, ao rodar a mesa de esplanada, tinham que ver com relações, paixões ou sexo.
Divagações sobre o embaraço não serão especialmente desenvolvidas aqui, mas se não há uma psicologia do corar muito bem estabelecida, é porque é um tópico que dá pano para mangas. Das teorias psicanalíticas clássicas sobre o tema (cerca anos 30), temos a habitual (e estranha) explicação que o corar vem em reposta do medo e vergonha de castração nos homens, e a ausência de pénis nas mulheres: potencialmente legítimo. Da evolução temos mecanismos de comunicação não-verbal onde se mostra desconforto e a confirmação que muito provavelmente se fez porcaria: mais interessante. Os objectos, tópicos ou situações que nos fazem corar, esses é que são construções individuais daquilo que achamos ser certo e errado, em relação às expectativas da população em geral. Tópicos favoritos de embaraço em meios ditos ocidentais são sexo, movimentos intestinais e/ou menstruação. Das mulheres sei ainda que há embaraço quando não atingimos os padrões de estética exigidos. Os exemplos incluem pêlos indesejáveis, maquilhagem inexistente ou borratada até mulheres com o mesmo vestido numa gala (!!!).
A lista é interminável.
Facto: As mulheres têm um sofisticado mecanismo de limpeza e lubrificação vaginal. Facto: A vagina segrega o que tem que segregar. Facto: As mulheres andam com as cuecas sujas de corrimento. E há alguém que saiba de tudo isto? Embaraço. Vergonha. Esconde-se de tudo e de todos. Escondem-se as cuecas depois de despi-las.
Num mundo ideal todas as histórias de embaraço fariam parte de um repertório de comédia, mas, às vezes, constituem um dramatismo tal que poderiam complementar enredos de filmes de terror. Talvez se não houvesse tanto embaraço, tivéssemos menos tanto tabu. E, se houver menos tabu haverá menos embaraço! Coisa curiosa, a condição humana, que de tanta consciencialização se inibe de expressão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here