PARTILHAR

‘OBenfica joga em casa’, mas não literalmente. Muitas são as expressões que pretendem camuflar a frontalidade que seria confessar ao mundo que uma mulher está a sangrar entre as pernas. Aquela altura do mês.
No dia 28 de Maio celebrou-se o dia internacional da higiene menstrual com o intuito de quebrar mitos e tabus que a menstruação ainda carrega, em alguns pontos do planeta mais do que outros. Certamente ainda recebemos conselhos das nossas avós de que não se deve tomar banho, lavar a cabeça ou pentear durante a menstruação. Os nossos avôs não nos deixam entrar nas adegas da terrinha porque o vinho azeda. É melhor nem pensar em fazer bolos nestas alturas, porque os bolos vão ficar uma valente porcaria. E isto é só em Portugal.
Uma organização não governamental no Nepal realizou um projecto fotográfico com jovens raparigas para perceber como é viver durante a menstruação. Por lá os mitos são ainda maiores, uma mulher menstruada é tratada como se tivesse uma doença contagiosa. Não pode cozinhar, não pode tocar em picles, não pode atravessar o rio, não pode ter contacto com elementos do sexo masculino. Não podem tocar em fruta porque a apodrece, nem em árvores de fruto porque as enfraquece, nem em sementes porque as tornam inférteis. Na primeira menstruação não se podem olhar ao espelho, porque atrai azar. A piorar, não têm condições sanitárias para se lavarem ou lavarem os seus pensos de pano. Pensos descartáveis são de um luxo tal que, em alguns países, as raparigas vendem favores sexuais para os poderem comprar. Poderia ser só ridículo, mas é tudo muito verdade.
Parece-me compreensível que um sangramento cíclico mensal, de mais de três dias, possa ter parecido estranho às mentes de há dois mil anos atrás. Os registos da antiguidade clássica falam com medo e desdém desta coisa universal a todas as mulheres. Referem-se à menstruação como nefasta e perigosa a todos, estragando colheitas e jardins e até matando abelhas e enlouquecendo cães. Por isso, agora, a sabedoria popular continua a fazer da menstruação um bicho de sete cabeças, porque existe, é chato e embaraçoso, e relembra as capacidades reprodutivas das mulheres. O desconhecimento sobre o que a menstruação realmente é, e de que forma se lida com ela, faz com que caia numa espiral de tabu de consequências nada positivas. Li algures uma história de um homem na Etiópia que ao perceber que a sua filha estava menstruada, pensou que fosse o sinal de que ela tivesse iniciado a sua vida sexual, que em comunidades tradicionais, a pôs numa situação de humilhação e desdém. Há locais onde a menstruação é um obstáculo à educação também, sendo as raparigas privadas de ir à escola ‘na altura do mês’ ou até definitivamente.
Os programas de educação e divulgação pretendem oferecer informação e melhorar condições sanitárias, para que a menstruação seja vivida com naturalidade. Sangue, cheiro, dores e mau-estar. Agora que o transtorno pré-menstrual (TPM) está cada vez mais em voga as mulheres também estão mais sintonizadas com as suas mudanças de humor uma a duas semanas antes, porque vêm irritabilidade e afins. Apesar de nos protegermos com o chavão ‘da altura do mês’, não deixa de ser tabu, nem nos contextos ditos mais ‘desenvolvidos’. Em 2015 a baterista Kiran Gandhi correu uma maratona sem tampão, onde orgulhosamente exibiu as suas manchas de sangue nas suas calças de licra de corrida. Outros tentam inovar ao criar arte com o sangue que o nosso corpo rejeita. Outros simplesmente falam sobre o período, abertamente, relembrando que é um processo normal e natural.
Em contraste muitas mulheres por aí não têm acesso a produtos e a condições para uma menstruação digna. Tampões, pensos higiénicos, pensos de pano, copos menstruais, há de tudo, mas não em todo o lado. Já pensaram naquelas situações lixadas de vida que muitos vivem neste momento, e nas mulheres que mensalmente se sentem vulneráveis e incapazes de lidar com a sua menstruação? Porque a menstruação interessa, muito mais do que se pensa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here