PARTILHAR
As causas são políticas, naturalmente. O problema com Hong Kong é o filme “Dez Anos”, passado num futuro distópico em que a antiga colónia inglesa se vê a braços com um opressor regime comunista. Já em relação a Taiwan, a culpa é de Tsai Ing-wen, a nova presidente da ilha rebelde e de quem Pequim não gosta. Por cá, a reacção de alguns realizadores é de repúdio mas de que também estão a chegar ventos de mudança

Primeiro foi a CCTV, que emite a cerimónia de entrega de prémios Hong Kong desde 1991, a anunciar o boicote. Depois seguiu-se a Tencent que, apesar do contrato que detém, resolveu boicotar a emissão que estava agendada para o QQ.
A decisão das duas operadoras surgiu na sequência do comunicado da SAPPRFT, a autoridade chinesa para audiovisual, no dia 21 deste mês (ver caixa).
No entanto, tudo indica que a culpa é do filme “Dez Anos” nomeado para melhor filme do ano nos Hong Kong Film Awards, que serão entregues no próximo dia 4 de Abril. O filme traz-nos uma história que nos leva a Hong Kong daqui a dez anos quando a cidade se encontra debaixo de um impiedoso regime comunista, com lojas a serem atacadas por soldados por venderem materiais proibidos e activistas a imolarem-se como uma declaração de independência.

“Têm medo de quê?”

Para o jornal South China Morning Post, o filme é “uma advertência sobre o poder do cinema independente e inteligente como veículo para a crítica política e social”. Apesar de ter tido exibições limitadas e ter sido feito com um orçamento de apenas 600 mil dólares de Hong Kong, já conseguiu facturar seis milhões em bilheteira. As razões do sucesso terão muito ver com o facto da história impactar a população de Hong Kong tendo-se já visto pessoas a deixarem o cinema em lágrimas.
Já na China, as lágrimas são de raiva: o jornal Global Times, por exemplo, classificou “Dez Anos” como “um vírus da mente” e culpa-o mesmo pelos recentes desacatos em Mong Kok.
“É muito estranho. Estão com medo do quê?” disse à imprensa Ng Ka-leung, um dos cinco realizadores do filme sobre o boicote chinês. “É apenas um pequeno filme independente mas com esta atenção toda só fazem as pessoas ainda mais curiosas”, disse ainda Ng Ka-leung.

Falar verdade na “prisão”

“É uma loucura!” diz Vincent Hoi (Sio Lio), realizador local, considerando que os festivais de Taiwan e Hong Kong são os mais significativos para o mundo chinês e chegando mesmo ao ponto de dizer que “a China é uma prisão” para ilustrar as limitações criativas que se colocam aos cineastas.
Harriet Wong, realizadora, não estava a par do assunto mas está bem ligada ao que se passa no meio do cinema na China já que estudou em Pequim e por lá tem vivido bastante tempo. Desmultiplica a situação dizendo que tanto ela como os meus colegas também nunca vêem televisão. “A CCTV, para nós, é só o espectáculo de fim de ano. Em relação a outros temas, há sempre uma forma de vermos o que queremos na internet. Usamos todos VPN”.
A realizadora fez-nos uma revelação interessante quando falamos de censura dizendo-nos ter vários colegas do curso de Cinema que foram trabalhar para a censura na esperança de mudar as coisas a partir de dentro, alguns mesmo com projectos de filmes.
“Pelo que sei”, diz Harriet, “há um processo de renovação em curso. A geração dos mais velhos tem um passado histórico que nós temos”, explica Harriet, anunciando como que uma “guerra de gerações” em curso. Por isso, acredita que as coisas têm tendência para mudar. “É como uma pequena luz na escuridão”, diz-nos, porque a vontade de mudar é grande. “Todos nós temos vontade de falar a verdade”, garante Harriet.
Para Tracy Choi, outra realizadora local, o boicote não é nenhuma novidade: “É a forma que eles têm de fazer as coisas”, diz, mas a sua opinião em relação ao assunto é clara: “não faz sentido nenhum. É um bocado estranho tudo isto”, diz, lamentando que os cineastas não sejam livres para escolherem os seus próprios temas.
Além disso, as dificuldades começam logo quando se procura um investidor, como diz Harriet, que também reconhece que se se pretende ter um filme na China tem de se passar por isso.
“O problema maior são os investidores”, diz Tracy, “porque se ficam com medo dos temas nem chegamos a fazer o filme. E aí a solução é fazermos filmes de baixo orçamento”, explica. Foi o caso de “Dez Anos”.
Harriet e Tracy não viram o filme, mas Vincent viu e considera que toda gente em Macau, Taiwan e Hong Kong também o deveria ver. A realização é um bocado imberbe, diz, mas o tema genial: “porque não é apenas algo que possa acontecer daqui a dez anos”, garante Vincent Hoi, “Está a acontecer agora.”

“Com esta presidente, não”

Mas se “Dez Anos” pode ajudar a explicar o boicote a Hong Kong, em relação aos Taiwan Golden Horses, a história é outra – de acordo com o China Digital Times, a cerimónia de Novembro também não irá passar na China, o que parece também pacífico de inferir a partir do comunicado dos SAPPRFT.
As razões ninguém as esclarece de forma clara, mas tudo indicia que a chegada de Tsai Ing-wen à presidência estará intimamente ligada a isso, pois a sua eleição não caiu bem em Pequim e os cavalos, apesar de ouro, também devem acabar na lista negra.

Comunicado da SAPPRFT

Devido às mudanças sociais registadas em Hong Kong e Taiwan este ano, e para prevenir as influências negativas de discursos, filmes e televisões que não se conformem com as condições nacionais, todos os principais websites e todas as aplicações móveis devem suspender qualquer transmissão directa ou em diferido dos “Hong Kong Film Awards” em Abril e dos “Taiwan Golden Horse Awards” no final deste ano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here