PARTILHAR
Para os residentes não há necessidade em preservar o antigo Hotel Estoril. A maioria concorda com as ideias do Governo, mas dizem que é preciso um novo parque de estacionamento

Os residentes concordam com a ideia do Governo em transformar o Hotel Estoril num pólo cultural, mas dizem que não há necessidade de preservar o prédio. Foram mais de 2800 os residentes que responderam a um estudo sobre o destino a dar ao edifício do antigo hotel. De acordo com o resultado do estudo ontem apresentado, o actual debate centra-se na demolição ou preservação deste prédio, que no Tap Seac tem estado desde a década de 50, com mosaicos que aludem à Arte Nova francesa.
A esmagadora maioria – 72,8% – dos membros de associações e organizações locais respondeu que “não há necessidade” de preservar o espaço. No entanto, a opinião não é assim tão esclarecedora quando se fala do destino a dar ao local, excluindo a visível vontade de ali erigir um estacionamento subterrâneo. Dos entrevistados por telefone, uma esmagadora maioria concordou com as ideias de transformação do local, mas não opinou quanto ao destino exacto.
“Os residentes foram questionados sobre se tinham ou não opiniões em relação à demolição e reconstrução do antigo Hotel Estoril e da Piscina Municipal Estoril e 81,5% deles expressaram que ‘não têm opinião’”, escreve a entidade responsável pelo estudo, a eRS.
Em cima da mesa estavam hipóteses como demolir toda a estrutura, preservá-la totalmente ou apenas de forma parcial, ou reconstruí-la. O documento encontra-se dividido em duas partes: uma primeira com “opiniões da sociedade”, para a qual foram recolhidas informações em sedes de associações, durante sessões na rádio e na televisão, entre outros.
Ficam por responder questões como a necessidade de preservar o mosaico – característico do hotel –, a transformação do espaço num centro cultural e recreativo para jovens e o que fazer à piscina.

A quem convém

Foram os residentes das zonas da Av. Conselheiro Ferreira de Almeida e da Guia que mais revelaram saber sobre o projecto em discussão. A razão dada pela empresa responsável pelo estudo é, de acordo com o investigador Angus Cheong, o impacto da solução junto das pessoas que moram perto do local.
A primeira pergunta feita via telefone pretendeu saber se os residentes estavam a par das ideias de reaproveitamento para o antigo hotel e as apoiavam. Ficou acima da média, de 0 a 10 pontos. “Em termos gerais, o apoio da população em relação às ideias de reaproveitamento do antigo Hotel Estoril e da Piscina é de 7,4 pontos, acima da média”, refere a empresa e-research & solutions na explicação. Quase 75% dos inquiridos têm conhecimento sobre o assunto em causa.
Quanto à criação de um centro de actividades culturais naquele local, os resultados são também expressivos, com 74,7% das opiniões a favor e apenas 7,5% contra. O estabelecimento de cafés, esplanadas e espaços de lazer está no fundo da lista de vontades da população, com a construção de um novo auto-silo no primeiro lugar de pedidos. A seguir surge a criação de instalações desportivas e a criação de uma piscina de água aquecida, com todas estas propostas a ter nota positiva acima dos 7,3 pontos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here