“A revolução de 1383” de António Borges Coelho

Manuel Afonso Costa -
23
0
PARTILHAR

António Borges Coelho é natural de Murça, distrito de Vila Real em Trás-os-Montes onde nasceu em 1928. Tendo-se dedicado a várias actividades literárias tais como a poesia e o teatro é porém como historiador que produziu as suas obras mais significativas. Dessa obra variada e multifacetada destaco, A Revolução de 1383, uma das primeiras obras do autor datada de 1965, As Raízes da Expansão Portuguesa de 1964, Portugal na Espanha Árabe publicada entre 1972 e 1975, Comunas ou Concelhos de 1973, obra de referência para a compreensão social do fenómeno das cartas de foral atribuídas em Portugal ao logo da Idade Média, A Inquisição em Évora de 1987, que constituiu o tema da sua dissertação de doutoramento, na Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa. Dedica-se actualmente à elaboração e publicação de uma História de Portugal da qual saíram já alguns volumes. Foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem de Santiago e recebeu o Prémio da Fundação Internacional Racionalista.

A revolução paradigmática

Para Borges Coelho, tal como para António Sérgio e Álvaro Cunhal, a revolução de 1383 foi sobretudo orientada pela burguesia comercial e marítima e em certa medida instrumentalizada por esta classe social. Apesar de nenhum destes autores utilizar o conceito de sobredeterminação ou de causa em última instância, é esse o tipo de compreensão que resulta. Para Joel Serrão, que se opõe às teses dominantes, a revolução foi essencialmente popular e a verdade é que houve momentos em que o povo foi mesmo o único braço a abraçar a causa da revolução sem ambiguidades, mas a verdade também é que o plano foi gizado por Álvaro Pais e que o apoio da burguesia foi determinante. Quer dizer, apesar do papel importantíssimo do povo, a revolução foi, às claras algumas vezes e na sombra outras, desencadeada e alimentada pela estratégia e pelos interesses da classe média, o que quer dizer que foi em última instância liderada pela burguesia e sobredeterminada pelos seus interesses.

É justamente isso que nos mostra a obra de António Borges Coelho.

Nota adicional: Borges Coelho seguiu de perto a crónica de Fernão Lopes. Porquê? Desde logo porque é o grande documento da época e provavelmente o mais fiável. António Borges Coelho defende Fernão Lopes dos seus «detractores». E porque é que são «detractores»? Porque «o que a muitos dói é o conteúdo revolucionário da crónica que é a história da primeira revolução burguesa nacional». Porquê esta defesa tão apaixonada de Fernão Lopes? Possivelmente porque, como Álvaro Cunhal tinha afirmado, «o testemunho de Fernão Lopes é uma contribuição decisiva para a compreensão do carácter de classe da revolução». Ou provavelmente apenas porque Fernão Lopes é um cronista em vias de o não ser e a sua modernidade teria que ser tida em conta. Borges Coelho não foi o primeiro a incensar Fernão Lopes e seguramente que também não foi o último. A verdade é que o processo complexo que agita a sociedade portuguesa na antecâmara da Idade Moderna possui os contornos inequívocos de um processo revolucionário e é isso que incomoda algumas consciências. E a revolução de 1383 foi até uma revolução muito paradigmática pois não excluiu o plano do afrontamento social e o plano do confronto não apenas ideológico mas com recurso a uma violência que não deixa margem para dúvidas relativamente ao seu carácter revolucionário e radical. O assassinato do Bispo da Sé de Lisboa assim como a coacção sobre muitos alcaides que hesitavam em tomar partido pelo Mestre de Aviz, e alguns deles foram identicamente assassinados, são a par da fuga para Castela de figuras gradas da nobreza da época, sinais claros de que a revolução de 1383 apresentou todas as características de um processo revolucionário de classe. Pelo que me parece portanto que a análise de Borges Coelho é acertada, tanto na ênfase revolucionária, como na sua característica subordinada à luta de classes.

Quanto ao valor da crónica de D. João I e do próprio Fernão Lopes Borges Coelho não foge à questão e no prólogo à segunda edição da obra diz:

“Em que base se apoia «A Revolução de 1383»? No poço sem fundo em que mergulharam e beberam todos os comentadores: a Crónica de D. João I de Fernão Lopes. E não se envergonha do facto. Não tem complexos por isso. Quem desdenha da Crónica ou é tolo ou tem medo das cargas explosivas que transporta no seu ventre”.

Mas diz ainda referindo-se a outras fontes da sua obra:

“Mas o livro não enjeitou outras informações nem fugiu, muito menos, à contraprova documental. Embora não tivesse hibernado nos arquivos, utilizou os cinco livros da Chancelaria de D. João I conservados no Arquivo Nacional da Torre do Tombo; analisou numerosos documentos laboriosamente recolhidos por Silva Marques nos Descobrimentos Portugueses; por Gama Barros na História da Administração Pública em Portugal, por José Soares da Silva nas Memórias para a História…; por Caetano de Sousa na História Genealógica da Casa Real Portuguesa – Provas… E não só.

Bebeu ainda, contestando, nos diferentes autores que abordaram o que alguns ainda hoje designam, pudicamente e por hábito, como «crise». Cito, em especial, as Crónicas de Pedro Lopes de Ayala e Jean Froissart, A História da Sociedade em Portugal no século XV de Costa Lobo, As Lutas Sociais em Portugal na Idade Média de Álvaro Cunhal, a História da Cultura em Portugal de António José Saraiva, o prefácio à Crónica de D. João I de António Sérgio, O Carácter Social da Revolução de 1383 de Joel Serrão, etc”.

Com estas considerações o autor abre-se a uma ampla bibliografia sobre o estudo do tema e desse modo situa o seu livro no duplo papel de interpretação original a partir das fontes mas também o seu papel de síntese centrada nas múltiplas abordagens levadas a cabo pela historiografia e pelo ensaísmo nacional ao longo do século XX.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here