Em Trabalhos

Tânia dos Santos -
24
0
PARTILHAR

Osexo pode ser muita coisa, um trabalho também. O sexo dá trabalho, claro, não fosse uma actividade física de alto rendimento calórico. Mas o sexo é trabalho para muita gente. A indústria do sexo gera uma quantia generosa por ano porque há quem goste de consumir, e muito. Na minha limitação de conceitos de economia, consigo bem entender a lei da procura e da oferta: se há quem quer, há quem faça. Mas quem são estas pessoas que o fazem? De onde vêm, como se vêem, como as entendemos?
Os mais atentos devem-se ter deparado com a notícia que recentemente correu sobre uma professora de música do ensino secundário nos Estados Unidos da América a quem a vida na pornografia foi desvendada e consequentemente, viu-se obrigada a desistir do seu emprego diurno. Nas mais variadas descrições do sucedido houve uma especial preocupação em incluir uma linha como ‘os adolescentes com quem a professora trabalhava, estão livres de perigo’ ou qualquer coisa como ‘estão seguros’.
Outro exemplo controverso nos Estados Unidos da América foi o da Belle Knox, uma aluna de direito na Universidade que achou por bem seguir um part-time na pornografia para pagar os seus estudos. Porque vejamos, render-lhe-ia muito mais do que trabalhar como empregada de mesa num qualquer restaurante perto do campus universitário. Quando descoberta, por outro qualquer aluno consumidor de pornografia, foi alvo de ameaças bastante violentas e, assim, ostracizada por todos em redor. maxresdefault
Parece que há uma tendência natural em lidar com as pessoas que dão a cara à indústria como se de presidiários se tratassem. Pessoas de uma má influência brutal e, por isso, dignas de ser evitadas e privadas da vida que cada um de nós leva. Estas pessoas são socialmente pressionadas a levar uma vida à parte, num mundo à parte. O mundo do sexo que existe por aí, mas não sabemos bem como.

“Na minha limitação de conceitos de economia, consigo bem entender a lei da procura e da oferta: se há quem quer, há quem faça. Mas quem são estas pessoas que o fazem? De onde vêm, como se vêem, como as entendemos?”

Se já divaguei o suficiente sobre os prós os contras da pornografia anteriormente, tenho a acrescentar esta pequena reflexão acerca de quem para ela trabalha. E, julgo eu, enaltecer o facto de que se tratam de pessoas que não têm como principal objectivo de vida depravar todos aqueles que os rodeiam, ou seja, levar para esta vida pornográfica todos os amigos, colegas de trabalho ou alunos. São pessoas que estão lá porque há outras que gostam de ver pornografia, que até em quantidades saudáveis dão uma outra pimenta saudável ao sexo. São pessoas, espero eu, que fazem o que fazem porque gostam de fazê-lo. E não porque a vida depravada os levou a fazê-lo. Mas eu entendo, não é a carreira de sonho que gostaríamos que uma filha ou filho tivessem. However, people gotta do what people gotta do.
Por exemplo, vem-me à cabeça o Lars von Trier que nos últimos filmes, sem pudor nenhum, tem mostrado uma tendência erótico-pornográfica que não é necessariamente má. Má no mesmo sentido com que a pornografia é vista, e de quem a faz. Controversa, sem dúvida, mas não é por isso que pomos os pobres actores à margem da sociedade e a carregar a cruz da taradice. Isto para dizer que trabalho é trabalho com a dedicação que lhe queremos dar, por isso façam o favor de deixar os actores pornográficos em paz e deixem-se de conservadorismo.
Estou a pensar na pornografia que dentro das suas especificidades e pressupostos leva a uma discussão diferente do que se pensarmos nos outros produtos e trabalhadores da indústria. Se nos estendermos ao negócio dos brinquedos sexuais, por exemplo, já existe uma tentativa de tornar normal a forma como potencialmente se inclui no nosso rotineiro dia-a-dia. Estou a pensar nas reuniões à lá ‘reuniões tupperware’ com uma demonstração divertida e moderna de criatividade sexual (com acessórios) às mulheres mais interessadas. Uma forma mais discreta para adquirir os produtos mais desejados sem ter que entrar em lojas de montras negras onde temos a sensação que só os sofredores de parafilias entram. Lá está o estigma a atacar as alminhas que tentam apimentar a sua relação romântica ou só mesmo sexual.
Claro que se começarmos a procurar sofisticação, sofisticação na indústria, em geral, aparecerá. Porque se há uma tendência para a ver como degradante, para quem consome e para quem a faz, talvez seja interessante desenvolver repostas em tom de contestação. Na esperança de aparecer pornografia de melhor qualidade, feita pelos melhores a ser dada aos melhores. Sem remorsos, sem as nuvens negras da desonra, sem a marca penitenciária do sexo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here