PARTILHAR

Em navegação inconsequente no Facebook deparei-me com o seguinte artigo, que mereceu milhares de likes e resmas de comentários: “Benefits of Being Bilingual”.
E a minha primeira reacção foi: mas, o quê, então ainda existem pessoas que não falam mais do que uma língua?..
Não me entenda mal, caríssimo leitor, não se trata de arrogância da minha parte. É claro que essas pessoas ainda existem, sobretudo as que pertencem a uma geração mais antiga. E não há nada de errado aqui, pese embora a minha avó ter 90 anos e ser bilingue.
O que me levou a ter aquela reacção foi o facto de (1) o artigo ser escrito por uma jovem universitária, (2) o visível e assumido entusiasmo e show-off pelo facto de ser bilingue, como se fosse algo do outro mundo, e (3) a autora do artigo ser norte-americana.
Uma das experiências mais ricas da minha vida foi o meu 4º ano da faculdade que foi em Nápoles, em conjunto com cinco colegas do Porto, ao abrigo de uma bolsa do programa Erasmus da União Europeia.
Foi um ano de (alguma) absorção académica e (muito) convívio com colegas universitários dos vários cantos da Europa. E, naturalmente, também com colegas locais, já que a nossa língua veicular era o italiano. Muitas são as histórias desses tempos que, infelizmente, não podem ser aqui contadas.
Não obstante, o que merece a pena ser aqui contado é que nós, portugueses em Nápoles, ganhámos rapidamente a fama de ser os que mais línguas estrangeiras falavam. E junto de toda a gente: na faculdade, junto dos professores e dos alunos; na noite, junto da comunidade dos bolseiros Erasmus onde se contavam espanhóis, alemães, austríacos e gregos, entre outros.
Por incrível que possa parecer, na faculdade os professores e alunos com quem tivemos contacto dominavam apenas uma língua: o italiano. Pelo que, quando vieram a saber que nós, portugueses, falávamos também inglês e algum francês – tendo-lhes até explicado que em Portugal era normalíssimo, já que no nosso sistema de ensino são duas as línguas estrangeiras – ficaram pasmados pois, em conjunto com o italiano, isto fazia de nós trilingues (e quadrilingue no meu caso, com o chinês).
Mas será que isso acontece pelo facto de nós, portugueses, termos mais inclinação para línguas? Não. Fundamentalmente, existem aqui, para mim, dois factores que devem ser analisados.
Em primeiro lugar, há que perceber que Portugal é um país pequeno, com uma população de 10 milhões de habitantes. O nosso mercado doméstico tem pouco peso, pelo que em muitos aspectos consumimos e dependemos do que vem de fora.
Na faculdade, por exemplo, habituei-me a estudar com livros em francês, espanhol ou inglês, pois era vulgar não existir versão em português das obras dos grandes mestres. Aliás, que me lembre, os poucos livros em português que tive na faculdade eram na verdade traduções de português do Brasil. Este sim, um país com um grande mercado.
Em segundo lugar, talvez pelo facto de sermos originários de um pequeno país, somos humildes e temos um comportamento que se calhar os outros povos nem sempre têm: raramente adoptamos a atitude do “és tu que tens de me compreender”, pois funcionamos ao contrário, “sou eu que tenho de te compreender”.
Ora, que língua fala o português quando está em Espanha? Fala portunhol, certo? E o espanhol em Portugal, tem a mesma atitude? Não, não tem.
Pelo que, em Nápoles, éramos seis portugueses em Itália e procurámos falar italiano desde o início e sem complexos. Muito improvisámos no começo, tipo portunhol, já que nenhum de nós tinha tido aulas de italiano, ao contrário dos alemães ou espanhóis, enfim, mais bem preparados e organizados que nós.
Mas isso nunca nos impediu de avançarmos sem medos, não fossemos nós, portugueses, os campeões no campo da improvisação. Estou-me a lembrar de um amigo meu que disse uma vez “quarta-fieri” no lugar de “mercoledí”. Foi uma risota total.
Há também a história de andarmos na faculdade à procura do “gabineti di relazioni internazionali” e, seguindo as informações de um funcionário que nos indicou o caminho, fomos parar a umas casas de banho. Ora, em italiano correcto o que procurávamos era o “ufizzio dei rapporti internazionali”. Pois “gabinetto” em italiano significa casa de banho…
Demos as nossas cabeçadas, é verdade. Mas em pouco tempo tornámo-nos verdadeiramente fluentes em italiano e perfeitamente integrados no meio.
Não sei se o Mourinho passou pelo mesmo. O que sei é que duas semanas após a sua chegada a Itália como treinador do Inter, surpreendeu tudo e todos quando se expressou fluentemente em italiano na sua primeira conferência de imprensa.
Em contrapartida, Fabio Capello, na qualidade de treinador da selecção nacional inglesa de futebol, sempre se demonstrou incapaz de se expressar em inglês nas conferências de imprensa, explicando caricatamente aos jornalistas ingleses as suas opções e tácticas futebolísticas em italiano, dando origem a um cenário hilariante no mínimo.
Coitadinho. Há que compreender que, em Itália, tudo funciona em italiano.
Um dia, os meus amigos italianos convidaram-me a ir ao cinema para assistir a um filme chamado “Il Miglio Verde”. Pensava que se tratava de uma produção local. Qual quê. Era na verdade o “The Green Mile”, um filme americano.
E foi tudo dobrado: pela primeira vez na minha vida vi Tom Hanks a falar italiano. Incrível. Posteriormente, foi-me explicado que em Itália a dobragem é em si uma arte reconhecida e a voz em italiano de determinada estrela de Hollywood é sempre interpretada pelo mesmo artista. E esse artista é, em seu pleno direito, uma estrela em Itália – porque é a voz “oficial” daquela estrela de Hollywood.
Ou seja, se fosse assistir ao “Foresta Gump”, iria ouvir a mesma voz em italiano da boca do Tom Hanks. Surreal, não?
A verdade é que é assim em muitas partes do mundo. Ouvi histórias semelhantes dos meus amigos espanhóis. Aliás, todos nós já ouvimos falar do “Juanito Andante” nos bares espanhóis e dos grupos musicais “Las Pedras Rolantes” ou “Las Chicas Piri-piri”, certo? (*)
No entanto, como nós, portugueses, temos a sorte de vir de um pequeno país com pouca importância no palco internacional, e dada também a humildade acima explicada, habituámo-nos a não poder contar com a nossa língua para muita coisa. Pelo que falamos também as línguas dos outros. (**)
Porque muitos desses outros estão habituados a ter um comportamento diferente que se define por uma certa arrogância na imposição da sua língua como critério universal a seguir. Tornam-se então extremamente redutores e, em particular, no que concerne aos ilustres de língua materna inglesa, tendem a camuflar a coisa toda com um conceito de “internacional” globalmente estabelecido o qual, para mim e até certo ponto, não passa de uma grande treta.
Não há dúvidas de que o inglês é a língua comum mais vulgar quando indivíduos de línguas maternas diferentes têm de interagir entre si. Contudo, estou farto de pessoas que me vêm dizer que no passado recente Macau se transformou numa cidade “internacional”. E depois há também as escolas “internacionais”.
Ora, esse conceito de “internacional”, quer me parecer, prende-se unicamente com o uso da língua inglesa e nada mais. Por essa razão, para esses ilustres monoglotas, Hong Kong e Singapura são cidades “internacionais”.
Assim, para provocar, vou até ignorar o facto de Hong Kong e Singapura serem praças financeiras internacionais e deixar aqui escrito que muitos consideram essas cidades “internacionais” pelo simples e superficial facto de o inglês ser uma língua comum nesses territórios, do domínio de todos. Pelo que, o gwailou que não fala outra língua senão o inglês, integra-se bem nessas cidades que, por conseguinte, são por ele classificadas como “internacionais”.
Em contrapartida, como em Macau nem todos falam inglês – e mais, alguns nativos até falam uma língua estranha que se chama português e que ninguém consegue mesmo entender para que serve – essa cidade já não é “internacional”.
Talvez daí, por isso, todo o fogo-de-artifício da autora do “Benefits of Being Bilingual”. Pois no universo fechado e simultaneamente “internacional” da autora, falar mais do que uma língua é algo de transcendental e motivo de celebração flamejante no Facebook.
Caríssimo leitor, seja justo e diga-me aqui, entre nós, em português e com sinceridade: afinal, no meio disto tudo, quem é que é o verdadeiro “internacional”?
Vou lançar um foguete.

Sorrindo Sempre

Em tempos dediquei um artigo às caricatas e absurdas situações que tenho de enfrentar pelo facto de o meu nome não bater certo com a minha cara.
A saga continua, mas agora trata-se do meu filho que, com apenas 4 anos, já atura o que o papá atura.
Interacção entre um funcionário de um hotel na cidade “internacional” de Hong Kong, o meu filho e eu:

– Hello little boy! What’s your name?
– Diogo.
– Diego?
– No! Diogo!
– Should be Diego, right?
– Well, Diego is Spanish and Diogo is Portuguese.
(devolvi simpaticamente)
– Oh, I see… And what made you give him a Portuguese name?
(com ar de engraçadinho e sorriso cínico)
– Because we are fu**ing portuguese.
(dito em segredo, a 32 cm do ilustre e com os olhos nos olhos)

Sorrindo sempre.

(*) The Rolling Stones e Spice Girls.
(**) No entanto, o português em Macau não fala chinês. Por motivos particulares que vou deixar para outro artigo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here