Main menu
Este é o jornal Hoje Macau na internet. Somos as notícias, a análise, a opinião e muito mais, em língua portuguesa, na Região Administrativa Especial de Macau. Este é um espaço de duas frentes: dar e receber. Por isso queremos a sua colaboração: os seus comentários, as suas histórias e o seu olhar sobre o mundo são bem vindos. Partilhe connosco o que sabe e partilhe com os outros o que lhe dizemos. Faça parte do Hoje Macau, desta cidade úbere de factos e de histórias, de enganos e de memórias, de desembarques e de partidas, de amores e de aventuras — aqui onde a liberdade suavemente escreve a história de uma perene saudade do futuro.

Jogo | Centro do IPM r…

Académicos dizem que as operad…

Destaque

Turistas | Executivo a…

Muito se tem falado da possibi…

Destaque

Seac Pai Van | Governo…

O caso da parede oca de Seac P…

Destaque

Governo defende que id…

O Governo quer apostar na trad…

Destaque

Mulheres | Agnes Lam q…

A docente da Universidade de M…

Destaque

LAG | Transportes, Jog…

Três figuras do meio político …

Destaque

Imobiliário | Opiniões…

As declarações surgiram do líd…

Destaque

Bruno Figueiredo, cent…

Nasceu santista há 28 anos. Br…

Desporto

CCPPC | Alargamento da…

Xi Jinping prometeu, em Dezemb…

Destaque

Morte de bebé | Pai ex…

O pai do bebé que perdeu a vid…

Destaque

Moda | O mundo embrion…

Têm trabalhos a tempo inteiro …

Cultura

Imobiliário | Chui Sai…

Está à sorte do destino o dese…

Destaque
«
»
Second Menu
Hoje MacauPerspectivasCrescimento económico e crise ecológica

Crescimento económico e crise ecológica

“Communism aspired to become the universal creed of the twentieth century, but a more flexible and seductive religion succeeded where communism failed: the quest for economic growth. Capitalists, nationalists indeed almost everyone, communists included worshipped at this same altar because economic growth disguised a multitude of sins”.
Ecological economics: principles and applications
Herman E. Daly and Joshua Farley

Não há mais espaço para a ilusão. O que estamos a fazer ao planeta neste momento, deteriorando a sua superfície e libertando gases de estufa na atmosfera a um ritmo sem precedentes, é uma experiência nova para a Terra. As consequências são imprevisíveis, mas sabemos que incluirão surpresas que neste momento começamos a pagar, e algumas podem ser aterradoras para os seres humanos.

ENFRENTAMOS UMA ameaça certa, a confusão ambiental, que passa pelo apelo à prática de acções contraditórias. Ambientalistas e políticos encararam o ambiente, apenas em termos humanos e consideram que as substâncias químicas de base científica, e as indústrias dependentes da energia nuclear constituem o único inimigo.
O seu comportamento é tão inconsistente e negativo, como o daqueles in
divíduos de esquerda, que depois de Munique, exigiam ruidosamente o desarmamento. Outros consideram que a preservação da vida selvagem, em especial de animais simpáticos e aves raras, é o principal, quando não o único problema.
A sua perspectiva é tão limitada como a dos indivíduos de direita, que viam na ex-União Soviética, e ainda na Rússia do presente, a única ameaça. Foi necessária a invasão da Boémia e da Polónia para provar quem era o inimigo, e qual era a verdadeira causa. Serão necessárias maiores surpresas, que estão para vir, para que a comunidade global, em particular a científica e política despertem, como aconteceu há setenta anos.
Não há mais espaço para a ilusão. O que estamos a fazer ao planeta neste momento, deteriorando a sua superfície e libertando gases de estufa na atmosfera a um ritmo sem precedentes, é uma experiência nova para a Terra. As consequências são imprevisíveis, mas sabemos que incluirão surpresas que neste momento começamos a pagar, e algumas podem ser aterradoras para os seres humanos.
Face a uma situação caracterizada por uma triple crise ecológica, económica e sociopolítica, os movimentos activistas, de contestação e de defesa dos mais diversos direitos, precisam de novas respostas e caminhos de actuação. Esquerdas e direitas nacionais perdem-se em lutas internas, mas sobretudo encontram-se desconcertadas sobre os seus planos de acção e os limites para propor questões inovadoras. O decrescimento aparece como um dos elementos chaves de futuro e de alteração de discurso.
Os movimentos ecológicos, alguns em fase de reformulação, têm uma oportunidade para criar pontes teóricas e práticas para outras tradições políticas ao redor do conceito de decrescimento, que se alimenta das mesmas raízes que a ecologia política, como sendo uma concepção selectiva e justa dos países em contracção no Hemisfério Norte, e daí apresenta-se como condição necessária, mas não suficiente, para ajudar de forma solidária e sustentável os países do Hemisfério Sul.
Neste momento da vida dos referidos movimentos, o decrescimento parece convergir com o pensamento do filósofo austríaco, André Gorz, que se suicidou conjuntamente com a mulher em 2007, que pensava que a liberdade só se produz através de movimentos sociais, que continuamente se redefinem, através de revoltas ou perturbações político-sociais. Por exemplo, um movimento de esquerda que perca a ligação com a liberdade, destrói a própria razão de ser e solidifica-se, à custa dos seus causadores, em instrumento de domínio.
Pode ser entendida também, como uma evolução sócio-ecologicamente eficiente para os países em convergência, sem passar pelo mau caminho do desenvolvimento ocidental, mas com um direito ao crescimento possível e desejável.
Não é possível definir o que é de esquerda, centro ou de direita política de forma duradoura. Alterados os instrumentos de poder e as formas de domínio, mudam também, os objectivos e as formas dos diversos movimentos, que determinam no seu conteúdo as diversas preferências políticas. A partir dessa visão, uma parte da esquerda anti-capitalista e a ecologia política concederam ao decrescimento um papel de instrumento político de grande validade.
Pensamento que pode servir para substituir um capitalismo neoliberal, direccionado para a lógica do produtivismo, enquanto entronização da produção pela produção, que ambiciona inclinar-se para o ecológico, sem pôr em causa o seu pensamento impróprio e intolerável, bem como suportar o amargo futuro, que nos trazem as alterações climáticas, se não agirmos com determinação.
O agravamento de carências de diversas espécies devido à crise ecológica, é uma bomba colocada no centro do sistema, que não pode ser resolvida com outra reviravolta nos mercados, nos rendimentos e na especulação por muito ecológica que nos pretendam convencer, razão pela qual este modelo não é praticável.
A ideia de decrescimento põe em causa os principais alicerces do produtivismo, ao defender que não existe a mínima possibilidade de um desenvolvimento interminável, num planeta de recursos finitos. Sendo o decrescimento crucial à continuidade da vida, está em oposição com o pensamento geral e consensualmente aceite, de que o crescimento económico, é a única força motriz capaz de produzir a melhor qualidade de vida e bem-estar dos cidadãos, aceite sociopoliticamente.
Apesar, de há mais de cinquenta anos, o PIB mundial ter vindo constantemente a aumentar, a marca ecológica do ser humano, ou seja, os efeitos prejudiciais da comunidade global sobre o meio ambiente, ultrapassam actualmente em cerca de 35 por cento a capacidade de renovação do planeta, representando o consumo global 20 por cento.
Se todos os habitantes da Terra, vivessem como os americanos e europeus eram necessários quatro planetas. Considerando o consumo desenfreado que se está a instalar nos países de economias emergentes, serão precisos sete planetas em 2025.
Entretanto, as injustiças e as disparidades aumentam criando uma ruptura não apenas nos países do Hemisfério Sul, mas também em cerca de 22 por cento da população mundial que vive abaixo do limiar da relativa pobreza; sem ter em conta o deficit democrático na maioria dos países desenvolvidos e em desenvolvimento, sem possibilidade dos cidadãos poderem fiscalizar o cumprimento das políticas energéticas, acrescido da falta de instrumentos para o exercício da democracia directa, participativa, deliberativa ou liberal.
É de salientar que o decrescimento não é um pensamento novo, nem tão pouco um modelo económico bem determinado. Nas décadas de 1960 e 1970, pensadores e organizações não-governamentais (ONGs), aparecem como contestatários quanto à exequibilidade dos programas ecológicos, políticos e sociais de um sistema global assente no crescimento. As preocupações dos movimentos activistas da década de 1980, deixaram estagnada tal matéria, virando-se para outras questões sociais.
A década de 1990, marca o nascimento de objecção ao comércio injusto como arma da globalização. Quer a esquerda, quer a direita política tinham bastante dificuldade em encontrar um conceito que encadeasse questões até essa altura desconhecidas, e que se desviavam das ideias de trabalho e produção.
Vivemos outro tempo, que chegou rapidamente. É viável e saudável considerar algumas características que contém o conceito de decrescimento. Por um lado, pode ser uma concepção inadequada, ainda que possa ter uma forte capacidade de mobilização, e por outro lado, pode afectar principalmente, o Hemisfério Norte, trazendo um aumento de actividades como a agricultura ecológica e as energias renováveis.
Pese alguns dos seus méritos, a sua falta de aceitação camufla um forte receio ao seu conteúdo revolucionário e à difícil possibilidade de alteração arbitrária. Ao contrário do que acontece com o desenvolvimento sustentável, o conceito de decrescimento, apresenta maiores dificuldades de acolhimento e de fuga ao seu cumprimento pelo sistema.
No entanto, cada vez um maior número de pessoas e movimentos sociais começa a usar o decrescimento não apenas para viver em conformidade com princípios de simplicidade voluntária, traduzidos no consumo moderado, consciência ecológica e crescimento pessoal, mas também como forma de se organizarem, reflectirem e apresentarem propostas reais de mudança. Os movimentos ecológicos e de esquerda anti-capitalista, nalguns países da União Europeia, nomeadamente do Sul mediterrâneo, vão defendendo cada vez mais o decrescimento sustentável, diante da resignação ao caos capitalista e às suas crises endémicas.

Leave Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Conversas com quem sabe

Olavo Rasquinho, secretário-geral do Comité dos Tufões: "O diálogo com o Governo não aconteceu"

O secretário-geral do comité dos tufões, sediado na RAEM, está de saída ao fim de oito anos. O seu substituto será chinês e foi eleito depois de um processo pouco consensual. Para Olavo Rasquinho, Macau…

Destaque na edição de 02 Mar 2015

Joana Vasconcelos, autora da obra “Valkyrie Octopus”

A artista portuguesa Joana Vasconcelos apresenta no próximo dia 15 de Março “a maior valquíria alguma vez produzida”, onde as luzes e os materiais se unem aos elementos portugueses da Grande Praça do MGM. Uma…

Destaque na edição de 13 Fev 2015

José Pereira Coutinho: “Andamos na fartura, mas vamos pagar um preço”

“Desde o primeiro dia da RAEM que o Governo chinês tem total conhecimento da real situação de Macau. A questão é quando intervirá. Enquanto as coisas andarem bem, a nível da perspectiva da China, mesmo…

Destaque na edição de 13 Fev 2015

Carlos Monjardino, presidente da Fundação Oriente: “O papel da FO tem-se limitado à vertente cultural”

O presidente da Fundação Oriente, considera que deveria haver um papel mais activo de empresas portuguesas em Macau no ensino da língua e mais ligação do IPOR à DSEJ. Nos planos da Fundação estão o…

Destaque na edição de 11 Fev 2015

Lilybeth Deapera e Pete Raymond Delfin, Cônsules das Filipinas: "Trabalhadores estão numa melhor situação aqui"

Os novos cônsules das Filipinas na RAEM garantem que a comunidade filipina tem melhores condições de trabalho em Macau do que noutros locais. Em relação aos investimentos no país, os operadores junkets têm estado de…

Destaque na edição de 09 Fev 2015

Thomas Lim, cineasta: "É sempre fácil apontar o dedo ao Governo para dizer que o…

O realizador e actor nascido em Singapura e radicado em Macau fala sobre as indústrias culturais e criativas, principalmente na área do cinema e da realização. Para Thomas Lim, faltam em Macau guionistas e produtores…

Destaque na edição de 06 Fev 2015

Lau Wing Sze e Michi Lam, assistentes sociais dos Kaifong: "População não reconhece a nossa…

Numa altura em que se realiza a consulta pública sobre o novo Regime de Credenciação dos Assistentes Sociais, duas profissionais analisam a nova legislação e dizem o que deve mudar

Destaque na edição de 30 Jan 2015

Carlos Piteira, investigador do Instituto do Oriente: “É preciso a presença forte de uma comunidade…

O investigador do Instituto do Oriente defende que é complicado identificar a entidade macaense

Destaque na edição de 26 Jan 2015

Entrevista | António Conceição Júnior: "Há que implementar medidas com que o cidadão tenha consciência…

Chama-se ‘Histórias de Amor e Desafecto – Crónicas de Cidadania’ e é o mais recente livro de António Conceição Júnior. É lançado no dia 29 de Janeiro, no Consulado-Geral de Portugal, e traz-nos um conjunto…

Destaque na edição de 23 Jan 2015

  • 1
  • 2
  • 3

Escolhidas

Central Point, empresa…

A Central Point começou há menos de u…

3000 dias e 3000 noite…

Esta é a edição 3000 do Hoje Macau. D…

Reportagem | "Chamávam…

Três professores chineses contam como…

Reportagem | Empresári…

Acusações visam má organização e repr…

Reolian | Empresa fali…

A morte da Reolian saiu ontem à rua d…

Por ocasião do lançame…

Passaram este ano 500 anos desde que,…

Que mal fez a populaçã…

Que mal fizeram os residentes para qu…

Património | Um despre…

Um dos maiores problemas do restauran…

«
»

Pessoas

Contactos

Pensar culturalmente Macau é também pensar em português. É continuar um legado linguístico e patrimonial. É não negar a existência de uma fatia da sua população e o direito à sua afirmação.

hoje Macau

Calçada de Santo Agostinho, 19
Centro Comercial Nam Yue – 6.º A - Macau
Telefone: +853 28752401
Fax: +853 28752405
E-mail: info@hojemacau.com.mo

Facebook