Tóquio 2020 | Ginasta Simone Biles desiste da final de solo

A atleta Simone Biles desistiu de participar na final olímpica de solo em Tóquio2020, depois de já abdicado das finais do concurso completo e de dois aparelhos (salto e paralelas assimétricas), anunciou hoje a Federação Norte-americana de Ginástica.

“Simone [Biles] retira-se da final de solo, na segunda-feira, e tomará mais tarde uma decisão sobre a participação na final de trave [marcada para terça-feira]”, informou o organismo federativo, revelando que a ginasta não defenderá o título conquistado no Rio de Janeiro.

A ‘estrela’ da ginástica mundial, que no Rio2016 conquistou cinco medalhas, quatro de ouro (por equipas, no concurso completo individual, no salto e no solo) e uma de bronze (trave), começou por desistir na terça-feira a meio do concurso por equipas, depois de um salto abaixo das suas expectativas.

A ginasta, de 24 anos, considerada uma das melhores de sempre, justificou a decisão com fragilidade psicológica. Biles disse querer manter a sua sanidade e revelou ter menos confiança em si do que tinha anteriormente.

A revelação da ginasta provocou várias reações de apoio um pouco de todo o lado, e o presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, considerou na sexta-feira que Biles foi “corajosa” ao falar abertamente dos seus problemas psicológicos.

1 Ago 2021

Citius, Altius, Fortius – Veritas

Têm sido os Jogos das atletas: à falta de público nas bancadas, da habitual ostentação de impantes patrocinadores, da procura de visibilidade mediática para dirigentes desportivos e políticos com mais ou menos propósito e dependentes de posicionamentos geo-políticos diversos, estas Olimpíadas têm tido pouco mais do que o exercício dos jogos em si mesmo, a competição desportiva reduzida à sua essência, atletas a disputar vitórias e medalhas perante câmaras que hão-de dar visibilidade a uma solidão improvável para as Olimpíadas. Não é que tenham faltado motivos para, por exemplo, se reacenderem velhas Guerras Frias, mas mesmo a compulsiva exclusão da Rússia havia de ser sabiamente compensada e drasticamente atenuada pela participação da enigmática ROC, sigla inicialmente incompreensível para espectadores com menos dedicação à causa, mas hoje já familiar a quem acompanhe os Jogos, mesmo com alguma reserva e distância.

Foi aliás num desses momentos mais propícios à frieza da guerras geopolíticas antigas que a História foi registando em Olimpíadas diversas que as atletas decidiram afinal oferecer um exemplo magnífico e anacrónico de desportivismo, respeito por rivais, solidariedade entre quem dedica esforço máximo e quase toda a vida a dar o melhor de si para se aperfeiçoar no exercício desportivo, na celebração do jogo: a formidável equipa de ginástica dos Estados Unidos tinha perdido a sua melhor atleta em plena competição, teve que disputar a final colectiva com essa inevitável desvantagem, acabaria por ver interrompida uma hegemonia planetária de quase 30 anos, agora conquistada pela Rússia, aliás a ROC, a maior herdeira da magnífica tradição soviética que nas últimas décadas foi sistematicamente derrotada pelas rivais da América do Norte, essas que no momento da derrota atravessam ténues fronteiras implícitas nos territórios do pavilhão, para beijarem e abraçarem as novas campeãs olímpicas, transformando subitamente guerras frias em amizades quentes. Disso certamente pouco se falará, que os tempos mediáticos são mais propícios à exaltação do sangue que possa correr em cada arena competitiva, à glória de quem ganha e à miséria de quem perde, com pouco ou nenhum espaço para eventuais e anacrónicas fraternidades entre quem joga o jogo que tem a jogar e sabe da efemeridade de cada resultado.

Foi nessa prova que se assistiu a um dos mais dramáticos momentos dos Jogos até agora: a desistência da ginasta norte-americana Simone Biles, super-favorita a conquistar todas as medalhas em disputa, individuais e por equipas, em qualquer dos aparelhos. Era também candidata a igualar ou melhorar históricos recordes de medalhas conquistadas por ginastas em Olimpíadas anteriores e tinha sobre si todos os olhares de quem aprecia a modalidade.

Falharia rotundamente, no entanto, em até em sentido literal: que o corpo faça pirueta e meia quando estava preparado, treinado e programado para duas piruetas e meia é suficiente para confundir e desestabilizar um cérebro que ali e naquele momento opera em concentração máxima, quando cada centésimo de segundo é decisivo para a performance que dura alguns minutos, poucos mas que oferecem corolário inevitável a anos de esforço, preparação, mentalização, criatividade, inteligência, superação a cada dia, todos os dias. É essa a vida de qualquer ginasta e nem vale a pena entrar nos detalhes do percurso particular que levou Simone Biles até Tóquio, que também inclui um ambiente familiar violento e casos de abuso sexual por parte de um médico da equipa de ginástica dos Estados Unidos. Afinal, no tapete é só ela e os seus demónios, assume a super-ginasta, um prodígio atlético, que afinal assume tranquilamente a sua fraqueza perante o mundo, a sua verdade, a importância de preservar a saúde mental neste planeta em que o lema olímpico “mais rápido, mais alto, mais forte” parece ter sido abusivamente adaptado para servir de mote a uma sociedade despojada de solidariedade comunitária e obcecada com vertiginosos processos competitivos onde, na realidade, acabamos sempre por perder qualquer coisa.

Simone Biles não foi, no entanto, a única super-estrela do firmamento desportivo a sair sem a espera glória mas com inesperada humildade desta peculiar edição dos Jogos, marcada por esse triste isolamento e distanciamento social que a convivência possível com a pandemia de covid-19 implica. Também Naomi Osaka, tenista de excelência, a jogar no Japão e pelo Japão, o seu país de nacionalidade mas onde nem sempre viveu e onde os filhos de pessoas japonesas com pessoas estrangeiras, como ela, são carinhosamente tratadas por “metade”, acabaria por ter uma participação em competição muito abaixo do que os seus pergaminhos nos rankings internacionais poderiam fazer prever. Neste caso, as fraquezas até já se tinham revelado antes dos Jogos: jogar é bom mas enfrentar a avidez da imprensa é um acto de violência para o qual se assume impreparada, recusando até participar em torneios do chamado “Grand Slam”, naturalmente com muito generosos prémios, para não ter que enfrentar despropositados interrogatórios de jornalistas a seguir ao esforço do jogo. Tal como Simone Biles, Naomi Osaka, quer pôr a integridade possível da sua saúde mental à frente da insanidade competitiva das sociedades contemporâneas e da respectiva implacável mediatização permanente. Ficamos com a generosidade da verdade destas fraquezas humanas para agradecer a estas super-atletas.

30 Jul 2021

Tóquio 2020 | Ginasta Simone Biles renuncia à final individual do concurso completo

A ginasta Simone Biles não vai participar na final individual do ‘all-around’ dos Jogos Olímpicos Tóquio2020 para “concentrar-se na sua saúde mental”, anunciou esta quarta-feira a Federação norte-americana de ginástica.

“Após uma avaliação médica, Simone Biles retirou-se da final individual do ‘all-around’ dos Jogos Olímpicos de Tóquio, para poder concentrar-se na sua saúde mental. Simone continuará a ser avaliada diariamente para determinar se participa ou não nas finais dos eventos individuais da próxima semana”, lê-se no comunicado publicado pela federação na rede social Twitter.

Biles, de 24 anos, considerada uma das melhores ginastas de sempre, tinha desfalcado na terça-feira a seleção dos Estados Unidos em plena final feminina por equipas de Tóquio2020, tendo justificado posteriormente a sua decisão com problemas de saúde mental.

“Assim que piso o praticável, sou só eu e a minha cabeça a lidarmos com demónios […]. Tenho de fazer o que é melhor para mim e focar-me na minha sanidade mental e não comprometer a minha saúde e o meu bem-estar”, afirmou a tetracampeã olímpica de ginástica artística no Rio2016.

Simone Biles, que no Rio2016, além da medalha de ouro por equipas, conquistou também os títulos olímpicos no concurso completo e em dois aparelhos (salto e solo), qualificou-se para as cinco finais individuais dos Jogos Tóquio2020.

Em Tóquio2020, a norte-americana procurava tornar-se na primeira ginasta a defender com sucesso o título olímpico no concurso completo em mais de 50 anos, mais precisamente desde a checoslovaca Vera Caslavska em 1968.

“Apoiamos plenamente a decisão da Simone e aplaudimos a valentia que teve em priorizar o seu bem estar. A sua coragem mostra, uma vez mais, por que ela é um modelo para tantos”, termina o comunicado da federação norte-americana.

29 Jul 2021

Tóquio 2020 | Biles culpa “demónios na cabeça” por abandono da prova por equipas

A ginasta norte-americana Simone Biles justificou hoje com problemas de saúde mental a saída prematura da prova por equipas feminina de ginástica artística dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, afirmando que tem lutado contra “demónios na cabeça”.

“Assim que piso o praticável sou só eu e a minha cabeça a lidarmos com demónios (…). Tenho de fazer o que é melhor para mim e focar-me na minha sanidade mental e não comprometer a minha saúde e o meu bem-estar”, afirmou a tetracampeã olímpica de ginástica artística no Rio2016.

A norte-americana Simone Biles desfalcou hoje a seleção dos Estados Unidos em plena final feminina por equipas de Tóquio2020, aparentemente devido a lesão.

Biles, de 24 anos, considerada uma das melhores ginastas de sempre, ausentou-se por momentos durante o concurso por equipas, acompanhada pelo médico da seleção dos Estados Unidos, regressando algum tempo depois para abraçar as colegas Grace McCallum, Sunisa Lee e Jordan Chiles.

Pouco tempo depois, a Federação Norte-americana de Ginástica informou que Biles seria substituída durante o resto da final, “por razões médicas” – após ter efetuado apenas a prova de salto -, e submetida a “exames médicos”, sem revelar detalhes sobre a possível lesão.

Simone Biles, que no Rio2016, além da medalha de ouro por equipas, conquistou também os títulos olímpicos no concurso completo e em dois aparelhos (salto e solo), está qualificada para as cinco finais individuais dos Jogos Tóquio2020.

A Rússia conquistou a medalha de ouro na prova por equipas feminina de ginástica artística em Tóquio2020, um título que escapava há 29 anos, quebrando a hegemonia dos Estados Unidos, que arrecadaram a prata.

28 Jul 2021

Campeã olímpica Simone Biles assume medicação para combater ansiedade

A ginasta multicampeã olímpica Simone Biles admitiu ontem que está a tomar medicação para combater a ansiedade desde que em Janeiro confessou ser vítima de abuso sexual do médico da selecção norte-americana Larry Nassar.

“Agora estou a tomar medicação contra a ansiedade porque tive muitos altos e baixos durante o ano, tentando perceber o que estava a falhar”, explicou a jovem norte-americana num programa da televisão ABC.

Nassar foi condenado a um mínimo de 40 anos de prisão por abusar de centenas de desportistas ao longo de vários anos.

“Não é fácil, mas graças às pessoas que me rodeiam, que são do melhor, é um pouco mais fácil”, acrescentou a vencedora de quatro medalhas de ouro nos Jogos do Rio2016, antes de revelar que recorre “com regularidade” a terapia.

Biles foi uma das últimas vítimas do clínico a reconhecer publicamente os factos, em pleno apogeu do movimento #MeToo, que denuncia as agressões sexuais sofridas maioritariamente por mulheres de diferentes áreas da sociedade.

“Eu também sou uma das muitas sobreviventes que sofreram de abusos sexuais por parte de Larry Nassar”, escreveu a ginasta de 21 anos, e que soma 14 títulos mundiais, na sua conta do Twitter.

12 Dez 2018

Ginasta Simone Biles chega ao 11.º título mundial no regresso à competição

A ginasta norte-americana Simone Biles conquistou ontem o título mundial do concurso por equipas, nos Mundiais de Doha, na sua primeira competição internacional após os quatro ouros olímpicos no Rio 2016.

Em Doha, Biles conquistou o 11.º título mundial da sua carreira, aos 21 anos, ao vencer a prova de equipas, com Grace McCallum, Morgan Hurd, Riley McCusker e Kara Eaker, num concurso em que somaram 171,629 pontos.

As norte-americanas conquistaram o ouro por nove pontos, à frente da Rússia (162,863) e da China (162,396), países que estão qualificadas desde já para os Jogos Olímpicos de Tóquio2020.

Qualificada para a final do concurso geral, e para as quatro finais individuais de aparelhos, Biles mostrou hoje, uma vez mais, estar na elite da ginástica mundial, com a conquista do seu terceiro título por equipas, após os êxitos de 2014 e 2015.

31 Out 2018