Caixas negras do avião da Lion Air indicam a mesma falha em voos anteriores

As autoridades indonésias anunciaram hoje que as caixas negras do avião que se despenhou no Mar de Java na semana passada mostram falhas no indicador de velocidade nos últimos quatro voos realizados pelo mesmo aparelho.

O chefe do Comité Nacional de Segurança dos Transportes da Indonésia, Soerjanto Tjahjono, disse em conferência de imprensa, em Jacarta, que a situação é comum aos quatro últimos voos do avião que se despenhou no Mar de Java na passada segunda-feira com 189 pessoas a bordo.

Tjahjono afirmou que os dados recolhidos através da consulta das caixas negras “são consistentes” e dizem respeito aos valores “erráticos” dos indicadores de velocidade e de altitude que se registaram nas últimas quatro viagens que o aparelho efetuou.

Trata-se da primeira informação obtida através da consulta das caixas negras e que foi divulgada logo após uma reunião particularmente emotiva entre os familiares das vítimas e um dos fundadores da companhia de baixo custo indonésia Lion Air e que foi organizada pelas autoridades de Jacarta.

Os familiares queixam-se da falta de informações sobre as causas do acidente e pedem o apuramento de responsabilidades.

Soerjanto Tjahjono afirmou também que o estado em que se encontram os restos do avião demonstra “grande velocidade” no momento em que o Boeing se despenhou.

“A velocidade com que se despenhou foi suficientemente elevada para libertar uma grande energia. Por isso a fuselagem ficou fragmentada em pequenos elementos”, disse.

Dezenas de elementos das equipas de resgate continuam as buscas no local do acidente na tentativa de encontrarem o aparelho que grava os diálogos do cockpit do avião e que podem ajudar a esclarecer com precisão as causas que levaram o Boeing 737 Max 8 a despenhar-se poucos minutos após a descolagem.

5 Nov 2018

Austrália proíbe funcionários de viajarem na Lion Air

A queda de um avião da companhia aérea indonésia ‘low cost’, Lion Air, vem engrossar ainda mais a lista de acidentes aéreos que ocorrem nas ligações entre as ilhas do arquipélago asiático. A bordo do Boeing 737 seguiam 188 pessoas

 

O Governo australiano anunciou ontem ter proibido funcionários do Governo e contratados a voar com a companhia indonésia Lion Air, até que pelo menos esteja concluída a investigação sobre o acidente de ontem.

As autoridades indonésias informaram ontem que um avião da companhia aérea Lion Air caiu no Mar de Java, com 188 pessoas a bordo, 13 minutos após ter descolado do aeroporto de Jacarta.
“Depois da queda de um avião da Lion Air hoje (ontem), funcionários do Governo australiano e contratados foram instruídos a não voar com a Lion Air. A decisão será revista quando forem claros os resultados da investigação ao acidente”, explica o alerta.

A curta mensagem não formaliza qualquer recomendação a outros cidadãos australianos. O avião seguia da capital indonésia para Pangkal Pinang, na ilha de Samatra, num voo que tinha uma duração prevista de uma hora. O avião Boeing 737-800, da companhia aérea de ‘low cost’ Lion Air, partiu de Jacarta por volta das 06:20 de ontem.

A página de internet da Flightradar, que regista o percurso dos voos, mostra num mapa a trajectória da aeronave em direção a sudoeste, um desvio para sul e depois para nordeste antes de desaparecer repentinamente sobre o Mar de Java, não muito longe da costa.

Dependências fatais

A Indonésia, um arquipélago do sudeste asiático de 17.000 ilhas e ilhotas, é altamente dependente de ligações aéreas, sendo que os acidentes são comuns. Em Agosto, uma criança de 12 anos sobreviveu a um acidente aéreo que matou oito pessoas numa área montanhosa da remota província de Papua (leste).

Em Dezembro de 2016, 13 pessoas morreram quando um avião militar se despenhou perto de Timika, outra região montanhosa de Papua. Em Agosto de 2015, um ATR 42-300 da companhia aérea indonésia Trigana Air, que transportava 49 passageiros e cinco tripulantes, todos indonésios, caiu nas Montanhas Bintang. Nenhum sobrevivente foi encontrado.

30 Out 2018

Avião indonésio caiu no mar, afirmam autoridades

As autoridades da Indonésia acabam de confirmar que o voo da Lion Air que voava esta madrugada de Jakarta, capital do país, para a cidade de Pangkal Pinang, na ilha de Sumatra, caiu no mar. “Confirma-se que o avião caiu no mar”, disse Yusuf Latif, porta-voz da agência indonésia responsável pelas investigações e buscas neste tipo de incidentes, citado pelo jornal South China Morning Post. A bordo viajavam 188 pessoas, sendo que o avião Boeing 737-800 partiu de Jacarta por volta das 06h20 de hoje.

O avião da Lion Air, uma companhia de aviação ‘low cost’ indonésia desapareceu do radar poucos minutos depois de descolar do aeroporto de Jacarta, segundo a mesma fonte.

A página de internet da Flightradar, que regista o percurso dos voos, mostra num mapa a trajetória da aeronave em direção a sudoeste, um desvio para sul e depois para nordeste antes de desaparecer repentinamente sobre o mar de Java, não muito longe da costa.

A Indonésia, um arquipélago do sudeste asiático de 17.000 ilhas e ilhotas, é altamente dependente de ligações aéreas, sendo que os acidentes são comuns.

Em Agosto, uma criança de 12 anos foi a única sobrevivente de um acidente aéreo que matou oito pessoas numa área montanhosa da remota província da Papua.

Em Dezembro de 2016, 13 pessoas morreram quando um avião militar se despenhou perto de Timika, outra região montanhosa da Papua.

Em Agosto de 2015, um ATR 42-300 da companhia aérea indonésia Trigana Air, que transportava 49 passageiros e cinco tripulantes, todos indonésios, caiu nas montanhas Bintang. Nenhum sobrevivente foi encontrado.

29 Out 2018