Fotografia | António Leong expõe na Associação Católica Cultural

Retratar a beleza do catolicismo no quotidiano de Macau e a integração na cidade. Foi este o desafio lançado a António Leong pela Associação Católica Cultural, que o escolheu para uma exposição que marca a inauguração da nova sede

 

A beleza dos detalhes do quotidiano e da integração do catolicismo em Macau foram os pontos de partida para uma viagem fotográfica que culminou na exposição “Descoberta da Beleza da Vida Diária”, de António Leong. A mostra estará patente até ao final de Setembro na nova sede da Associação Católica Cultural de Macau, na Rua Formosa.

Em exibição desde Junho, o fotógrafo admite que o grande objectivo das fotografias escolhidas foi mostrar a beleza dos símbolos da religião. Nesse sentido, a exposição multiplica-se em três, com a exibição de um conjunto de fotografias diferentes a cada mês da exposição.

“O objectivo passa por, através das fotografias, mostrar os diferentes aspectos e detalhes das igrejas em Macau e a integração do catolicismo na cultura local”, explicou António Leong, em declarações ao HM.

O artista procurou captar os melhores ângulos de espaços que reflectem não só a beleza arquitectónica e decorativa, mas também com o património histórico. “Por exemplo, a segunda série [de fotografias da exposição] foi tirada dentro do Seminário de São José, um dos espaços mais importantes durante os séculos XVII e XVIII para a formação e educação do catolicismo em Macau”, justificou.

Apesar das fotos serem de António Leong, a ideia para a exposição partiu da Associação Católica Cultural de Macau, que desafiou o fotógrafo a contribuir para o evento que celebra a inauguração da nova sede. “A associação mostrou interesse nas minhas fotografias, após ter visto o meu perfil no Facebook. Depois, começámos a discutir [sobre o conceito para a exposição] e a ‘Descoberta da Beleza na Vida Diária’ e foi algo que se tornou comum e arrancámos com o projecto”, partilhou.

Viagem histórica

Que imagens transmitem melhor para o artista e para a associação a beleza em Macau no dia-a-dia? Segundo António Leong, a escolha exigiu reflexão das partes envolvidas, e implicou mostrar diferentes aspectos da religião.

“Tivemos uma longa conversa sobre quais as igrejas que devemos mostrar durante estes três meses. No final, decidiu-se que seriam a Igreja da Penha, Igreja de São José e Igreja de São Lourenço, porque em termos de imagem apresentam mais detalhes e mostram diferentes aspectos do catolicismo em Macau”, revelou.

Para António Leong, a possibilidade de fotografar diferentes igrejas foi também uma viagem de descoberta da ligação entre Macau e o catolicismo. “Só depois de participar neste projecto tomei conhecimento das relíquias e monumentos que existem em Macau”, admitiu.

Apesar do teor religioso da exposição, Leong confessa que não é crente. Porém, este não é o primeiro contacto com a igreja: “Fui educado desde a infância numa escola católica, por isso teve uma influência imensa na minha vida”, reconhece. António Leong não afasta o lugar que o divino ocupa no seu trabalho e explica parte do seu processo de criação através das palavras de Ansel Adams, célebre fotógrafo americano do século passado: “Às vezes vou parar a sítios no momento em que Deus está pronto para ter alguém a carregar no botão da máquina”, cita.

30 Ago 2021

Fotografia | Casa do Povo expõe “Daily Impermanence” até ao dia 24

A mostra de trabalhos fotográficos de António Leong incide sobre a faceta mais genuína do território, como a zona da Barra e do Porto Interior, deixando de lado a imagem publicitária de Macau ligada aos casinos ou ao Grande Prémio

 

António Leong é o fotógrafo que protagoniza a nova exposição patente na galeria Casa do Povo. “Daily Impermanence” é o nome da mostra inaugurada este sábado e que estará patente até ao dia 24. Ao HM, António Leong contou que estas são sobretudo imagens de arquivo sobre o dia-a-dia em Macau.

“O nome ‘Daily Impermanence’ remete para o facto de mostrar a vida diária e de esta não ser sempre igual. É um termo ligado ao budismo, que significa que as coisas correm como água e não se repetem. São histórias ou fotografias da vida diária que eu encontro, mas não há uma única fotografia igual.”

Leong diz ter fotografado bastante as zonas antigas do território, tal como a Barra ou Porto Interior, e que espelham a genuinidade do território. “Interessa-me a preservação da memória e da cultura de Macau, que é menos conhecido do que aquilo que vemos na publicidade, ou as coisas que vemos sobre Macau, como o Grande Prémio ou os casinos. É a parte de Macau que eu pessoalmente mais gosto, porque é a parte real de Macau.”

Lusofonia na calha

A mostra “Daily Impermanence” teve como origem uma outra iniciativa de António Leong, também na área da fotografia, mas que tem o festival da Lusofonia como pano de fundo. Nesse processo, António Leong cruzou-se com Sofia Salgado, curadora da Casa do Povo, que o convidou para expor.

No que diz respeito ao projecto da Lusofonia, António Leong procura personagens que caracterizem a comunidade portuguesa tal como ela é. “Este projecto pretende mostrar a diversidade da comunidade depois da transição e o facto de muitos estarem cá a trabalhar e a falar português. Muitos pensam que a maioria das pessoas são juízes ou advogados, mas como conheço a comunidade cheguei à conclusão que temos uma comunidade muito diversa com muitos talentos.”

António Leong irá fotografar um rosto, e cada pessoa irá escrever uma história sobre Macau, que acompanhará a imagem. O fotógrafo assume já ter encontrado uma enorme diversidade de pessoas, não tendo, para já, local ou data para expor este seu projecto, por ser ainda embrionário.

11 Nov 2019

Fotografia | Casa do Povo expõe “Daily Impermanence” até ao dia 24

A mostra de trabalhos fotográficos de António Leong incide sobre a faceta mais genuína do território, como a zona da Barra e do Porto Interior, deixando de lado a imagem publicitária de Macau ligada aos casinos ou ao Grande Prémio

 
António Leong é o fotógrafo que protagoniza a nova exposição patente na galeria Casa do Povo. “Daily Impermanence” é o nome da mostra inaugurada este sábado e que estará patente até ao dia 24. Ao HM, António Leong contou que estas são sobretudo imagens de arquivo sobre o dia-a-dia em Macau.
“O nome ‘Daily Impermanence’ remete para o facto de mostrar a vida diária e de esta não ser sempre igual. É um termo ligado ao budismo, que significa que as coisas correm como água e não se repetem. São histórias ou fotografias da vida diária que eu encontro, mas não há uma única fotografia igual.”
Leong diz ter fotografado bastante as zonas antigas do território, tal como a Barra ou Porto Interior, e que espelham a genuinidade do território. “Interessa-me a preservação da memória e da cultura de Macau, que é menos conhecido do que aquilo que vemos na publicidade, ou as coisas que vemos sobre Macau, como o Grande Prémio ou os casinos. É a parte de Macau que eu pessoalmente mais gosto, porque é a parte real de Macau.”

Lusofonia na calha

A mostra “Daily Impermanence” teve como origem uma outra iniciativa de António Leong, também na área da fotografia, mas que tem o festival da Lusofonia como pano de fundo. Nesse processo, António Leong cruzou-se com Sofia Salgado, curadora da Casa do Povo, que o convidou para expor.
No que diz respeito ao projecto da Lusofonia, António Leong procura personagens que caracterizem a comunidade portuguesa tal como ela é. “Este projecto pretende mostrar a diversidade da comunidade depois da transição e o facto de muitos estarem cá a trabalhar e a falar português. Muitos pensam que a maioria das pessoas são juízes ou advogados, mas como conheço a comunidade cheguei à conclusão que temos uma comunidade muito diversa com muitos talentos.”
António Leong irá fotografar um rosto, e cada pessoa irá escrever uma história sobre Macau, que acompanhará a imagem. O fotógrafo assume já ter encontrado uma enorme diversidade de pessoas, não tendo, para já, local ou data para expor este seu projecto, por ser ainda embrionário.

11 Nov 2019

António Leong, fotógrafo amador, “Tirar fotografias é como escrever um diário”

Do Largo do Lilau até aos jardins de Lou Kau vão uns meros passos de distância. A história que vive em cada pedra da calçada portuguesa permanece desde um tempo distante. Tal também acontece em São Lázaro, lugar de cultura e de arte e, afinal de contas, de religião: é lá que existe uma igreja e onde se faz anualmente a tradicional festa do São João.

Estes são os lugares preferidos de António Leung para fotografar. Capturar imagens através da lente é apenas um passatempo, revelado nas redes sociais, como o Facebook ou Instagram. Por norma, António Leung vai visitando a sua cidade e capturando aquelas imagens que mais lhe tocam o coração.

“Gosto de ‘viajar’ na cidade através do meu motociclo”, disse ao HM. A fotografia surgiu na sua vida há pouco tempo.

“Por volta de 2012 começou o meu interesse em tirar fotografias. Primeiro comecei por tirar fotos na minha hora de almoço ou depois do serviço, quase todos os dias. Não sou um fotógrafo profissional e tiro fotos como um hobbie”, contou.

Na sua página “Antonius Photoscript” contam-se histórias através de imagens que quase dariam para um qualquer guião. Até porque andar de máquina ao peito já faz parte da rotina diária de António.

“Tenho um outro trabalho a tempo inteiro. Para mim, tirar fotografias é como escrever um diário todos os dias.”

Nas suas imagens cabe uma Coloane soalheira com o seu mercado, as portas vermelhas, as Ruínas de São Paulo no silêncio da noite, uma Macau cheia de uma luz que não vem dos casinos.

Num território onde o turismo é a principal actividade económica, e não apenas por causa do jogo, o património acaba por aparecer na maioria das imagens de António. O próprio reconhece que, antes deste hobby, nunca reparou nos velhos edifícios que os portugueses deixaram, ou nas antigas fachadas tipicamente chinesas.

“Macau fez um grande esforço para preservar o património, mas antes de começar a tirar fotos nunca tinha notado que tínhamos uma grande presença histórica. Acho que é bom que os jovens conheçam melhor a história e a cultura desta cidade”, apontou.

Português desde a primária

António Leong não fotografa só a sua terra, mas também outras. As diferenças culturais que existem, e também em termos de espaço, fizeram-no olhar para as particularidades do território.

“Fui ao Butão em Junho e levei, pelo menos, três a quatro horas para andar de um ponto turístico ao outro. Mas em Macau podemos visitar todos os pontos turísticos a pé, e, além disso, há uma mistura de diferentes culturas”, frisou.

António estudou português desde a escola primária, apesar de ter confessado que não falava a língua de Camões há muito tempo. Na universidade, acabou por estudar engenharia civil, algo completamente diferente da área que abraça nas horas vagas.

Não que goste propriamente do curso que tirou. “Naquele tempo não tínhamos muitas escolhas”, referiu.

Para o futuro, António Leong gostava de desenvolver novos projectos relacionados com a fotografia. “Gostaria de trabalhar com outros criativos locais, tal como estilistas, e criar esse cruzamento. Também gostaria de fazer photo stories dos residentes”, concluiu.

20 Out 2017