Cinema | CUT apresenta “Abe, de Fernando Grostein Andrade, no próximo sábado 

No próximo sábado, dia 29, será exibido “Abe”, o filme que encerra a sexta edição de um cartaz de filmes pensados virados para a família. A iniciativa, promovida pela Associação Audiovisual CUT, inclui ainda um workshop com Helen Ko sobre pratos tradicionais do Ano Novo Chinês. Rita Wong, directora da CUT, adiantou que um novo cartaz de filmes já está a ser pensado

 

“Abe”, um drama com toque de comédia, de Fernando Grostein Andrade, é a escolha da Associação Audiovisual CUT para encerrar um programa de cinema dedicado a miúdos e graúdos. A exibição acontece no próximo sábado, dia 29, na Casa Garden, sendo antecedida por um workshop sobre pratos tradicionais chineses com a artista Helen Ko. Os dois eventos têm lugar entre as 15h e as 17h.

Ao HM, Rita Wong, directora da CUT, contou que a escolha do filme visou, precisamente, reunir toda a família. “Este filme é mais ajustado para crianças um pouco mais velhas, entre oito a dez anos de idade, porque tem mais diálogos.

Também fazemos a curadoria de actividades e desta vez convidamos uma artista, Helen Ko, que nos vai falar sobre os pratos tradicionais do Ano Novo Chinês. Queremos, desta vez, aproximar-nos desta festividade, apresentar às crianças as comidas que tradicionalmente se preparam nesta altura do ano e dar-lhes a conhecer o seu significado e como estão ligadas à família. Queremos criar também uma maior consciência da criatividade.”

Este ciclo de cinema para as famílias teve início no ano passado, estando neste momento a CUT a preparar a edição de 2022. No entanto, como está dependente do apoio financeiro do Instituto Cultural, Rita Wong não quis adiantar grandes detalhes sobre o cartaz, que já está em preparação.

“Ao longo deste ano observámos que podemos ter mais filmes e eventos associados à natureza e aos modos de vida. Penso que há ainda mais espaço para criar novos programas com artistas locais.”

Acima de tudo, a CUT pretende “ter mais recursos para continuar com esta actividade, porque tem um grande significado e as famílias gostam bastante de assistir aos filmes em conjunto, bem como de participar nas actividades complementares que criamos”, frisou a responsável.

Outras fitas

Tendo em conta o cenário de pandemia, Rita Wong confessou que continua a haver bastante espaço para a exibição de filmes além das salas de cinema habituais e da Cinemateca Paixão, anteriormente gerida pela CUT.

“Nesta altura de pandemia as pessoas não conseguem sair e procuram por mais bons programas para fazerem sozinhos ou em família. Já são exibidos muitos filmes comerciais e penso que há de facto espaço para mostrar outro tipo de cinema diferente do que é produzido em Hollywood.”

“Abe” conta a história de um menino de 12 anos que mora na zona de Brooklyn, em Nova Iorque, com a mãe judia e o pai palestiniano. Com tantas diferenças no seio familiar, Abe decide começar um curso de gastronomia, tornando-se amigo e aprendiz de Chico, personagem interpretado pelo músico brasileiro Seu Jorge.

24 Jan 2022

Japão | Abe promete reformar Constituição em caso de novo mandato

O primeiro-ministro japonês prometeu ontem reformar a Constituição pacifista do arquipélago, durante o lançamento da campanha para um novo mandato na liderança do Partido Liberal-Democrata (PLD), que chefia sozinho há seis anos

Shinzo Abe, de 63 anos, é dado como o favorito para a eleição de 20 de Setembro, à qual concorre um único adversário, o antigo ministro da Defesa Shigeru Ishiba, de 61 anos. Uma vitória representará mais três anos à frente da terceira maior economia do mundo e a mais longa chefia do Governo na história do Japão.

“Chegou a altura de proceder à reforma da Constituição”, declarou Abe, ao anunciar a intenção de submeter uma proposta de lei ao parlamento até final do ano. Na Constituição, ditada em 1947 pelo ocupante norte-americano, na sequência da rendição do Japão no final da Segunda Guerra Mundial, Abe pretende alterar o artigo 9 que consagra a renúncia “para sempre” à guerra. O texto, visto pelos meios nacionalistas como uma humilhante relíquia da derrota imperial de 1945, acrescenta que para aquele fim “nunca serão mantidas forças terrestres, navais e aéreas, ou outro potencial de guerra”.

Fiel aliado dos Estados Unidos durante a Guerra-Fria, o Japão reconstituiu forças militares, denominadas “forças de autodefesa”, que só podem intervir se o país for directamente atacado.

Shinzo Abe explicou que pretende modificar a Constituição para dar um estatuto claro a estas tropas, ao mesmo tempo que mantém o princípio fundamental do pacifismo ao qual os japoneses dão grande importância.

Por outro lado

No discurso, o primeiro-ministro destacou a estratégia de relançamento económico, “abenomics”, que permitiu manter uma taxa de desemprego muito reduzida, aumentar o número de turistas e voltar a dar ao Japão “uma economia decente”. Na frente diplomática, Abe reafirmou a “determinação de se encontrar pessoalmente” com o dirigente norte-coreano, Kim Jong-un, para resolver a questão dos cidadãos japoneses raptados por agentes norte-coreanos nos anos 1970 e 1980 do século passado para formar espiões.

O rival de Abe, Ishiba, que tinha denunciado a ausência de debate no seio do partido, sublinhou os problemas demográficos do país, confrontado com um envelhecimento da população e uma fraca taxa de natalidade, bem como a ameaça nuclear norte-coreana.

11 Set 2018

Japão planeia cooperar com iniciativa da China ‘Uma Faixa, Uma Rota’

O Japão planeia aderir ao vasto projecto chinês ‘Uma Faixa, Uma Rota’, que ambiciona reavivar simbolicamente o corredor comercial que uniu o Oriente o Ocidente, revelaram fontes do Governo nipónico à agência Kyodo. “A nossa estratégia é alcançar a estabilidade e a prosperidade da sociedade internacional mediante a coordenação com os países dos oceanos Índico e Pacífico”, afirmou uma das fontes à agência de notícias japonesa.

Os planos do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, de promover a cooperação no desenvolvimento do projecto de investimentos em infra-estruturas ‘Uma Faixa, Uma Rota’, configuram uma mudança na política diplomática que tem vindo a manter até agora.

Tóquio expressou, em Maio, a sua intenção de ajudar outros países asiático a impulsionar o seu desenvolvimento, sem concretizar, porém, se seria no âmbito da iniciativa liderada pela China “Uma Faixa, Uma Rota”, versão simplificada de “Faixa Económica da Rota da Seda e da Rota Marítima da Seda para o Século XXI”.

O Governo japonês planeia agora, através da actividade de empresas de ambos os países, apoiar o desenvolvimento de infra-estruturas e da actividade comercial na região, assinalaram as mesmas fontes governamentais à agência Kyodo.

A iniciativa ‘Uma Faixa, Uma Rota’, que foi idealizada pelo Presidente chinês, Xi Jinping, durante uma visita oficial à Ásia Central em 2013, ambiciona reavivar a antiga Rota da Seda, o corredor económico que uniu o Oriente o Ocidente, abrangendo mais de 60 países e regiões da Ásia, passando pela Europa Oriental e Médio Oriente até África.

No início de novembro, Shinzo Abe tinha manifestado que “esperava uma boa cooperação com a China em relação à iniciativa da nova rota da seda, que seguia em paralelo com a sua estratégia de alcançar uma região do Indo-Pacífico livre e aberta”.

O primeiro-ministro japonês considera imperativo melhorar a sua relação com a China face à crescente presença da segunda potência mundial na economia e segurança globais.

19 Dez 2017