Pais de alunos transfronteiriços queixam-se do caos

O surto de covid-19 desta semana deixou retidos em Macau mais de 1.000 alunos transfronteiriços e alguns pais. Chao foi um dos progenitores que passou a fronteira para levar o filho à escola na segunda-feira, e que foi apanhado pela retirada da isenção da quarentena para regressar a Zhuhai e por todas as restrições impostas na sequência dos novos casos de covid-19.

“Parece que o Governo está a brincar connosco”, afirmou ao jornal Ou Mun, indignado com a forma repentina e em cima da hora como o Executivo anunciou a suspensão das actividades lectivas, quando estas estavam prestes a ser retomadas.

Por sua vez, Hong, mãe de outro aluno transfronteiriço também retido em Macau, queixou-se de que o anúncio do cancelamento do regresso às aulas foi emitido apenas às 7h30, quando a maioria dos alunos transfronteiriços já tinham entrado na RAEM. A angústia de mãe agravou-se com a impossibilidade de regressar a Zhuhai para cuidar de outro filho.

O jornal Ou Mun citou ontem outra mãe nas mesmas condições, de apelido Lao, que retratou o panorama das pessoas apanhadas de surpresa com a continuidade da obrigação de quarentena à entrada em Zhuhai como uma situação caótica. A encarregada de educação contactou a polícia, sem que lhe fossem dadas as informações que havia requerido e caracterizou como precipitada a decisão de reabrir as escolas.

O director da Escola Hoi Nong Chi Tai pediu ao Executivo mais atenção para evitar que no futuro se repitam situações semelhantes. Em declarações ao jornal Cidadão, Vong Kuoc Ieng apelou às autoridades de Macau e Zhuhai para que encontrem uma solução para que os estudantes e os seus progenitores possam regressar a casa. O responsável sugeriu a possibilidade de cumprirem quarentena nas suas habitações.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários