Jho Low | Polícia da Malásia acusa Macau de falta de cooperação

Apesar do desmentido de Wong Sio Chak na semana passada, o Inspector-Geral da polícia da Malásia voltou a insistir que o fugitivo acusado de crimes financeiros, Jho Low, está escondido em Macau a conduzir os seus negócios livremente. As autoridades malaias pediram ainda que a polícia de Macau actue com responsabilidade

 

O Inspector-Geral da polícia da Malásia, Abdul Hamid Bador, voltou ontem a insistir que Jho Low, empresário acusado de estar envolvido num esquema que desviou 4,5 mil milhões de dólares norte-americanos do Estado malaio, está escondido em Macau. A insistência chega praticamente uma semana depois de o secretário para a segurança Wong Sio Chak ter desmentido a presença de Low no território.

De acordo com declarações do Inspector-Geral da polícia da Malásia à agência France-Presse (AFP), citadas pelo Malay Mail, Jho Low “está praticamente a conduzir de forma livre os seus negócios a partir de Macau”, deixando um novo apelo: “Queremos que as autoridades locais e a polícia de Macau ajam com responsabilidade. Será que as autoridades de Macau não têm o instinto policial para nos ajudar?”.

Garantindo que as autoridades malaias “não vão descansar enquanto não for feita justiça”, Abdul Hamid Bador acusou ainda as autoridades de Macau de “falta de cooperação”.

Recorde-se que a recente tomada de posição do Governo de Macau vem no seguimento do Inspector-Geral da polícia da Malásia ter afirmado que Jho Low fez transacções durante a sua permanência em Macau e que os seus familiares estão a circular livremente em Hong Kong. Na resposta, Wong Sio Chak desmentiu as ocorrências, lembrando que já em 2018, o Governo de Macau esclareceu que o bilionário não se encontrava em Macau, após ter sido emitido um mandato internacional para a sua captura. “A Polícia da Malásia, contrariando as regras e as práticas no âmbito de cooperação policial internacional, divulgou unilateralmente que Lao XX [Jho Low] se encontra em Macau, informação que não corresponde à verdade”, segundo um comunicado do gabinete do secretário para a Segurança.

“Em 2018, o sub-gabinete de Macau da Polícia Judiciária do Gabinete Central Nacional Chinês da Interpol recebeu um pedido das autoridades da Malásia, tendo dado resposta clara de que o referido indivíduo não se encontrava em Macau”, pode ler-se na mesma nota divulgada na semana passada.

Crime maior

Jho Low, cujo nome real Low Taek Jho está em fuga desde 2017, e é procurado por um crime de desfalque de fundos públicos no valor de 4,5 mil milhões de dólares norte-americanos, que envolve a companhia 1Malaysia Development Berhad (1MBD).

O escândalo ligado ao desvio de um fundo soberano culminou no final de Julho numa sentença de 12 anos de prisão para o ex-primeiro-ministro da Malásia Najib Razak, dois anos depois de provocar a queda do seu Governo.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários