Stephanie Chiang, fundadora e directora do projecto Girls in Tech Macau: Ligação a Hengqin “ajuda muito”

Fundado nos Estados Unidos, o movimento Girls in Tech chegou a Macau o ano passado por iniciativa de Stephanie Chiang. A trabalhar na área do marketing digital, a responsável pretende apostar em mais recursos educativos para fomentar a ligação das mulheres à tecnologia. Stephanie Chiang defende que será difícil que a tecnologia se transforme num sector económico de peso por si só devido à falta de talentos, mas acredita que a ligação a Hengqin constitui uma ajuda fundamental

 

A Girls in Tech Macau apresentou o seu primeiro evento na RAEM em Setembro do ano passado. Quais são os vossos principais objectivos?

A Girls in Tech é uma organização sem fins lucrativos com um programa internacional e foi criada em 2007 pela primeira vez nos EUA. O objectivo é promover o diálogo e partilhar as nossas experiências. O ano passado apresentei a candidatura [para fundar o Girls in Tech em Macau]. Felizmente em Fevereiro do ano passado recebi a aprovação para trazer o projecto para cá e fizemos o nosso primeiro evento em Setembro. Temos a ideia de criar uma associação sem fins lucrativos, mas está apenas na fase de projecto, ainda não foi oficialmente criada. Pretendemos construir uma comunidade segura, diversa e inclusiva para as mulheres de Macau apaixonadas por tecnologia e empreendedorismo. Oferecemos oportunidades educativas e de networking para ajudar as mulheres a descobrirem os seus poderes.

Que outros projectos pretendem desenvolver?

Queremos promover programas na área do marketing digital e partilha de experiências por parte de mulheres empreendedoras. Todos os eventos que tínhamos programados para este ano tiveram de ser adiados por um ano devido à pandemia. Mas vamos organizar o concurso “She Loves Tech Hong Kong, Taiwan & Macau District” tendo Macau como parceiro organizador. Trata-se da maior competição mundial ao nível da tecnologia e das startups e que irá acontecer online a 26 de Setembro. Ainda estamos à procura de candidatos de Macau.

Quais são os principais desafios que as mulheres em Macau enfrentam nesta área?

Penso que há uma falta de recursos de aprendizagem. Acho que é muito difícil desenvolver conhecimentos na área da codificação ou programação, e foi por isso que decidimos trazer este projecto internacional para Macau, a fim de providenciar mais recursos de aprendizagem para os locais.
Acredita que as universidades necessitam de investir mais recursos na área da investigação tecnológica?
As universidades já investiram muitos recursos nesta área, mas há ainda muitas empresas que dizem não conseguir encontrar os talentos de que necessitam. Poderíamos ter mais workshops na área da tecnologia ou hackathons [maratonas de programação] para providenciar outros recursos internacionais e oportunidades para que os estudantes locais aprendam com os talentos de outras cidades. Isso pode ser motivador para eles.

Têm alguns programas em conjunto com universidades locais?

Ainda não temos qualquer cooperação com universidades locais. Também sou uma das fundadoras do Macau Startup Club, que é mais diverso e não está apenas virado para as mulheres. Nesse projecto fazemos vários eventos na área das startups e trabalhamos muito com as universidades e com as PME. Temos uma iniciativa chamada “Startup Weekend”, onde juntamos estudantes universitários para que possam conhecer melhor o universo das startups. Trabalhamos com a Universidade de São José e Universidade Cidade de Macau.

Que análise faz à tecnologia que se vai desenvolvendo no meio académico?

Pelo que sei as universidades têm investido muitos recursos na área da tecnologia. Sei que a Universidade de Macau e a MUST já investiram muito, mas talvez nem todos os alunos estejam interessados neste tipo de investigação. É preciso motivação e é necessário aprender com alunos de outras cidades. Tive um projecto e queria encontrar alunos locais para colaborarem comigo, mas não consegui. Eu tinha um projecto relacionado com electricidade e não consegui encontrar nenhum colaborador que estivesse familiarizado com esta área. Uma das razões pelas quais isto acontece é pelo facto de não haver muitas empresas que exijam este tipo de formação. O que também se deve ao facto de Macau não ter uma economia diversificada. Noutras cidades é muito fácil encontrar estes sectores-chave na área da tecnologia e quando os alunos terminam os seus cursos conseguem facilmente encontrar trabalho, mas em Macau mesmo que façam um curso nesta área não conseguem especializar-se.

Considera que Macau tem condições para se tornar num hub tecnológico, com maior competitividade, à semelhança do que acontece com cidades como Shenzhen e Hong Kong? 


É muito difícil. Não temos um bom ambiente para que isso aconteça. Não temos muitas indústrias. O facto de estarmos ligados a Hengqin, em Zhuhai, ajuda muito pois permite que empresas abram as suas sucursais na Ilha de Hengqin e, dessa forma, pode-se construir um ambiente favorável e mais competitivo. Sem Hengqin é difícil devido à falta de espaço e pelo facto de a população em Macau ser reduzida. Graças ao programa de financiamento para “Projectos de Investigação Científica realizados através da Cooperação entre Duas Partes” já há quatro laboratórios de Macau com presença em Hengqin e que têm como objectivo tornarem-se centros internacionais de inovação. Trabalham em áreas como a medicina tradicional chinesa, cidades inteligentes, chips, Internet, ciência especial. O Girls in Tech Macau gostaria de promover soluções tecnológicas para ajudar as PME com as suas operações diárias e também para que haja uma transformação digital.

Há capacidade para que a tecnologia seja um verdadeiro sector económico?

Penso que será sempre um sector interligado com outros. É difícil fazer com que a tecnologia constitua um sector económico por si só. Mas podemos associar a tecnologia à cultura ou ao desporto, por exemplo. Estas áreas podem usar a tecnologia em prol da diversificação e do desenvolvimento do sector. Macau continua a não ter talentos suficientes na área da tecnologia e é necessário investir mais em educação. Sem dúvida que a tecnologia pode ser, no futuro, uma área importante, mas neste momento só se pode desenvolver com outras indústrias em prol de uma maior inovação.

As mulheres, em Macau, têm menos oportunidades do que os homens na área da tecnologia?

Têm oportunidades, mas não há muitas mulheres a optarem pela informação tecnológica como área de formação. Sentimos que esses cursos muito técnicos são mais escolhidos por homens. E digo isto porque há dois anos tentei fazer um evento ligado ao empreendedorismo feminino nas startups. E quando estava à procura de pessoas para participarem na nossa iniciativa descobrimos que eram raras as mulheres que estavam no ramo da tecnologia, a maior parte dos participantes era do sexo masculino. Não foi fácil encontrar membros do júri ou mesmo participantes por esse motivo. Penso que é uma questão cultural e que também está relacionada com a falta de recursos de aprendizagem. No entanto, sei que há cada vez mais mulheres com cargos de topo em empresas de tecnologia, o que requer capacidades de gestão e de comunicação. É uma transformação que vem provar que a tecnologia não está apenas ligada à programação ou à criação de códigos, é mais diversa e inclusiva. No Girls in Tech Macau queremos promover que a tecnologia é para todos, com diferentes ferramentas.

Relativamente à tecnologia na área do jogo, Macau poderia investir mais neste sector?

Sei que há algumas startups que já trabalham com os casinos. Há uma incubadora que trabalha com casinos e desenvolve manufactura na área do jogo e soluções tecnológicas relacionadas com o entretenimento. Uma vez que o jogo é a actividade económica principal talvez seja mais fácil desenvolver a tecnologia neste sector, mas não só. Penso que poderíamos associar também a tecnologia ao sector artístico, por exemplo.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários