Ensino | Escola defende uso de materiais didácticos de Hong Kong 

Macau tem duas escolas que adoptam manuais escolares de Hong Kong, e o Colégio Perpétuo Socorro Chan Sui Ki é uma delas. A directora do estabelecimento de ensino, Cheung Yung Sau, explicou que a matéria ensinada nas salas de aula é muito virada para questões patrióticas, mas com garantias de equilíbrio, a fim de os alunos desenvolverem um pensamento crítico

 

Cheung Yun Sau, directora do Colégio Perpétuo Socorro Chan Sui Ki, disse ao Jornal do Cidadão que é correcto o uso de manuais escolares de Hong Kong por parte de escolas de Macau. O estabelecimento de ensino em causa é uma das duas escolas do território que utiliza estes livros.

A responsável frisou que a escola não ensina todos os conteúdos do livro, mas apenas uma parte como referência. A directora disse ainda que a matéria ensinada versa muito sobre questões patrióticas, servindo para abordar assuntos relacionados com direitos e leis civis, para que os alunos possam desenvolver um pensamento crítico.

“O material em causa é muito patriótico, fala sobre a Bandeira, o Hino Nacional e a história do país. Apenas um por cento dos conteúdos do livro aborda situações incomuns ou desagradáveis para a sociedade”, explicou. Por este motivo, a responsável considerou que os manuais utilizados são adequados e garantem o equilíbrio, ao abordarem todos os aspectos sociais, não contendo apenas elogios. “Um livro assim é uma boa referência”, frisou.

Para Cheung Yung Sau, os professores têm o papel de ensinar os alunos a respeitar a lei e os direitos dos outros de forma “pacífica, racional e não violenta”, pelo que os livros de Hong Kong vão continuar a ser utilizados no estabelecimento de ensino.

Sem pressões

A directora garantiu ainda que não sentiu quaisquer pressões por parte da Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) quanto ao uso destes materiais, e que sempre tem mantido uma estreita comunicação com este organismo público. Em Setembro, aquando do arranque de um novo ano lectivo, Lou Pak Sang, director da DSEJ, garantiu que as escolas têm autonomia para decidir que manuais adoptam.

“Nós queremos que os alunos cuidem da sua segurança e que evitem deslocar-se a locais perigosos”, disse, apelando a que os estudantes manifestem as suas opiniões “de forma pacífica”.

No que diz respeito ao debate sobre a situação política de Hong Kong na sala de aula, Cheung Yung Sau referiu que “já foi explicado que o uso da violência é errado”.

“Seja qual for a sua posição, todos têm o seu pensamento razoável. No entanto, no mundo não existe apenas uma linha de pensamento, há diversidade e isso permite que o mundo se desenvolva de forma abrangente”, apontou.

A directora adiantou também que “é normal que os alunos tenham sua própria opinião”, sendo importante “respeitar as suas ideias sempre que seguem o princípio de paz, razão, e não violência”, concluiu.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários