Overbooking cultural

É injusto reclamar de barriga cheia. Mas ainda é mais injusto ter demasiados eventos culturais e artísticos a convergirem nas mesmas datas da agenda, onde já existiam outros eventos culturais e artísticos previamente marcados. É frequente dar-se o caso de “overbooking” no meu calendário electrónico. E não há nada a fazer, não é possível desdobrar-me para conseguir estar em lugares vários ao mesmo tempo. Vem isto a propósito de muita festa e festival que se faz por cá. Não pretendo com isto que acabem, nem que se feche a torneira da cultura, até porque de pão e circo vivemos todos nós e eu gosto. Felizmente, muitos acontecimentos esgotam e, de certa maneira, fica o problema resolvido. Só que depois venho a saber que muitas filas permaneceram vazias durante os espectáculos, concertos, peças de teatro, projecções de filme, e tenho vontade de torpedear todos os quadradinhos que vi trancados nas bilheteiras online, como se fossem uma batalha naval imaginária, em que os porta-aviões e os submarinos que não se dignaram aparecer deviam acabar como destroços cobertos de verdete no fundo do oceano. É claro que ninguém tem culpa – além dos que se baldam aos eventos, mas que decerto terão o seu atestado de internamento hospital, que respeito e compreendo –, muito menos os organizadores que já muito fazem para permitir que os lugares vagos possam ser, de última hora, preenchidos por aqueles que arriscam a sua sorte à porta dos eventos. Considero isso um dever cívico das organizações, que aplaudo, só que à distância. Porque não sou dessas pessoas que tenta ir quando tudo parece já perdido. E depois fico com pena.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários