Aeroporto quer cortar emissões de CO2 em 30% em dez anos

O Aeroporto Internacional de Macau (AIM) anunciou ontem a “meta ambiciosa” de reduzir em 30 por cento as emissões de dióxido de carbono (CO2) por movimento até 2028.

“Considerando o aumento constante do tráfego e a expansão futura do Aeroporto, temos uma meta ambiciosa de reduzir as emissões de carbono por movimento em 30 por cento em 2028 em comparação com [o nível] de 2018”, indicou o AIM, em comunicado.

O AIM diz estar confiante de que irá alcançar essa meta ao pôr em marcha uma série de projectos de investimento e medidas operacionais de eficiência energética, de combustível, gestão de resíduos, entre outras.

Na mesma nota, o AIM salienta que, até ao final do ano passado, obteve “conquistas assinaláveis”, como a poupança de 2,7 milhões de quilowatts de electricidade, nomeadamente graças à substituição de lâmpadas convencionais por LED, o que permitiu abater a factura em 2,3 milhões de patacas.

Em paralelo, aproximadamente 40 por cento dos veículos de serviço do AIM são híbridos ou eléctricos e mais 310.000 quilogramas de diferentes tipos de resíduos foram reciclados, detalhou o AIM, indicando que, até ao final de 2018, a infra-estrutura reduziu em mais de 41 por cento as emissões de dióxido de carbono por movimento comparativamente aos valores de 2012.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários