Brasil tenta aumentar exportações em feira de Xangai

O Brasil é um dos 12 países em destaque na primeira Feira de Importações de Xangai, na China, que decorre até 12 de novembro, e durante a qual pretende ampliar as exportações, anunciou o Governo brasileiro.

O ministro brasileiro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, chefiará a delegação do Brasil na primeira edição da Feira de Importações de Xangai (CIIE). A delegação integrará também o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, e o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge de Lima, além de mais de 150 empresas brasileiras.

Com a intenção de ampliar o mercado para os produtos brasileiros na China, o Brasil estará presente no evento com cerca de 90 empresas do setor de alimentos e agrícola, equipamentos médicos e de saúde, comércio de serviços e de bens de consumo.

A expectativa dos organizadores é de que a feira receba até 300 mil visitantes e 150 mil compradores chineses e estrangeiros.

No total, mais de 3.000 expositores de mais de 130 países apresentarão os seus produtos.

Além de conferir acesso privilegiado ao mercado chinês, a CIIE será uma oportunidade para a captação de investimentos e a participação em cadeias globais de valor, de acordo com um comunicado do Governo brasileiro.

Na passada quarta-feira, a China lançou um alerta à economia brasileira e ao Presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, de que se o país seguisse a linha de Trump e rompesse acordos com Pequim, quem sofreria seria a economia brasileira.

Foi através da publicação de um editorial no principal jornal estatal chinês, o China Daily, numa versão em inglês, que a China se pronunciou acerca da eleição de Jair Bolsoanro, a quem chamou de “Trump Tropical”, deixando evidente a reação que o político já criou em Pequim.

De acordo com o editorial, as exportações brasileiras “não ajudaram apenas a alimentar o rápido crescimento da China, mas também apoiaram o forte crescimento do Brasil”.

Bolsonaro, ao longo de toda a sua campanha presidencial, criticou a China. Em fevereiro, o político da extrema-direita visitou ainda a região de Taiwan, o que não agradou a Pequim.

O editorial do jornal chinês deixou ainda uma chamada de atenção para a importância da China na economia brasileira: “Ainda assim, esperamos que quando ele assumir a liderança da oitava maior economia do mundo, Bolsonaro olhe de forma racional e objetiva para o estado das relações Brasil-China (…) a China é o seu maior mercado exportador e a primeira fonte comercial”, escreveu o jornal.

“Mais importante: as duas economias são complementares e dificilmente competidores”, pode ler-se.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários