PARTILHAR

O que é que faz um corpo sexy? Não é consensual entre as massas, e muito menos  através dos tempos. Aliás – e este não é um argumento original – parece que os corpos (especialmente os femininos) ganham partes dependendo se estamos na Primavera/Verão 2018 ou no Inverno 2011.

É como a moda, vai mudando de temporada em temporada. A novidade deste Verão 2018 é o anteriormente desconhecido, e pouco explorado, ‘decote das ancas’, i.e., o que no mundo de língua inglesa andam a chamar de hip cleavage. Talvez até haja uma tradução ‘oficial’ mas não encontrei, o ‘decote de ancas’ terá que funcionar. E que parte do corpo vem a ser esta? Os decotes de anca que andam a ser orgulhosamente exibidos pelas redes sociais dos mais famosos, não são tão novas quando isso. Já nos anos 80 era orgulhosamente exibida uma linha de anca bastante decotada  nas idas à praia. Uma cuequinha, só era uma boa cuequinha, se apresentasse uma abertura generosa e acima do osso da anca, a expôr ainda mais umas coxas bem firmes e torneadas. Certamente que se lembrarão de uma Pamela Anderson com um fato-de-banho encarnado nas Marés Vivas.  Pois que a moda voltou, e fez com que reaparecesse na esfera pública uma nova, mas velha, parte do corpo feminino.

O fenómeno não é novo. Sempre houve uma constante proliferação de zonas/partes de intensa sexualidade ao longo dos séculos. O que não deixa de ser divertido, não é? De seis em seis meses posso  – as às vezes sinto-me obrigada – olhar para o meu corpo de maneira diferente, corpo esse que só pode ser mutante, já que lhe pressupõem tanta diversidade e transformação. Olhem a revista Vogue – a aclamada voz da moda anda a dizer que o peito já não é o que era, os decotes já não se usam. O que é uma porcaria, porque era daqueles truques fáceis e simples de uma saída nocturna mais sexualmente sucedida, vá. ‘Vou pôr aquele vestido de decote generoso e estou pronta para sair!’ Mas dizem os ‘especialistas’ que já não é bem assim. Os super-famosos ‘wonderbras’, os tais super potentes capazes de levantar até as mamas mais descaídas para uma linha de peito eriçado e redondinho está fora de moda (!). As mais conhecidas marcas de lingerie até já andam a vender  soutiens sem armação. Diz, quem se acha de direito, que é porque o look ‘natural’ é a tendência de momento. Por acaso ‘wonderbras’ nunca me interessaram por aí além, e sempre fui apologista do tal look natural, mas não consigo deixar de pensar que o que a ‘indústria’ julga natural pode ser discutível. Porque já houve o fascínio da mama até à ultima consequência – também proliferaram partes de mama antigamente desconhecidas, ou pelo menos pouco pensadas- pela prega da mama de baixo, de lado (leia-se underboob, sideboob). Quem é que se recorda do desafio de 2016 de segurar uma caneta com a prega mamária inferior? – a internet está cheiinha disso. Decote de anca, linha de mama lateral e frontal anterior, decote dos pés que mostram mais linha de dedos ou menos linhas de dedos, espaço entre as coxas, as covinhas das costas ou de ‘Vénus’ (que é genético), o refego do rabo, o rabo de ‘lado’ (sidebutt) são só meros exemplos do que se tornou moda. E como devem calcular esta atenção particular aos rabos, às pernas, e às mamas têm catapultado a importância da cirurgia plástica. Acho que o rabo de ‘lado’ tem sido um grande hit, mas para vos ser muito honesta nem sem bem o que é, é simplesmente um rabo que tem uma saliência de lado, nada de anormalmente mutante, só mais redondo e cheio

Eu não sei muito bem quem culpar este culto do corpo. Se não são as mamas, são rabos, são ancas, são sobrancelhas, sei lá, é preciso estarmos a reinventar-nos constantemente. Porque o que importa é comercializar e transformar os nossos corpos sazonalmente. Mas para quem? É como se existisse uma vontade omnipresente de ditar as tendências do físico mas que ninguém sabe muito bem para qual finalidade. Eu duvido que os homens estejam tão obcecados em criar novas formas de  objectificação feminina – que não digo que não exista – a cada 6 meses. Parece que andamos todos na busca incessante para promover as formas desejáveis, resolver os defeitos, reinventar os feitios… A consequência disto tudo não é necessariamente patológica – como anorexia e bulimia nervosas – é só particularmente irritante. Estas são vozes e vozinhas que inundam os nossos pensamentos porque não temos pernas afastadas o suficiente, ou rabos de jeito o suficiente, ou as mamas assim ou assado. E o pior é que é suposto mudarmos de ano a ano, dependendo… nem sei muito bem de quê.

Porque afinal… quem é que tem a clarividência de que o corpo não é mutante, mas é simplesmente o que é? Quem são os corajosos que não se deixam melindrar, nem por um momento, que o corpo, e a nossa sexualidade, tem uma perfeição imperfeita?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here