PARTILHAR

Pois que o dia 8 de Março já passou, com greves, celebrações, rosas, pedidos de igualdade, e o já clássico ‘dia das mulheres é todos os dias, não é só hoje!’. Pronto, já sabemos – neste 2018 houve celebrações de todos os tipos.

Para uma celebração à la sexanálise, achei adequado inserir novamente um tópico clássico à condição feminina: a menstruação. Vou desde já partir do princípio que todos estão conscientes de que a menstruação ainda é um tabu social, em algumas zonas do globo mais do que outras. Rebobinem nas vossas cabeças os anúncios de tampões e pensos higiénicos que já viram, o que é que aparece? Close-ups de rabos de miúdas e quiçá um pensinho onde vertem um líquido azul – que se parece bastante com a menstruação, não é? Not. E sabem porquê? Porque a menstruação ainda suscita algum horror, alguma vergonha, algum desconforto.

Os mais variados eufemismos servem para evitar o confronto menstrual. No mundo anglo-saxónico tudo que seja relativamente vermelho serve para falar ‘da chegada’ sangrenta: o comunismo, o Drácula, o Arsenal (em Portugal fala-se do Benfica), a Bloddy Mary ou Mar Vermelho. Só para enumerar uns quantos, porque dizem os que se dedicam a isto que devem existir 5000 expressões para evitar dizer uma palavra relativamente inocente como ‘período’. Não estou de todo a defender que a menstruação se deva tornar num tópico de conversa à mesa de jantar, eu tenho mais decência que isso. Mas porque não discutí-la de forma ponderada fora da hora das refeições?

A menstruação não é só o sangue que cai entre as pernas de 3 a 5 dias por mês. A menstruação acompanha-se de todo um conjunto de sintomas (chatos) que variam de pessoa para pessoa. Como se costuma achar que ‘tudo é normal’ aquando da menstruação (‘Ah, estás com dores? É normal’; ‘Ah estás mais irritadiça? É normal) ninguém pára para pensar que há coisas que não são tão normais quanto isso. Saiu estes dias um artigo em que um médico chegou à conclusão que as dores menstruais podem ser tão intensas quanto um ataque cardíaco. Um ataque cardíaco, pessoal!

A Dismenorreia (a forma mais médica de dizer dores menstruais) pode dar cabo da vida das pessoas detentoras de um útero. As dores, que são fruto de contracções uterinas, podem não ter uma razão aparente. Quando têm, é provavelmente causada por Endometriose, que é basicamente o endométrio a crescer em lugares atípicos, que pode ser até na bexiga, nos pulmões e no cérebro (!!!!)… Pois, este é o tipo de informação que nem sempre chega a todos. Há pessoas e pessoas que vão a médicos, que se queixam e que opinam sobre o seu desconforto menstrual, e que não chegam a conclusão nenhuma. Como a menstruação é tópico candidato ao evitamento, e como a sociedade acredita que a menstruação é o fardo feminino da impureza e do desconforto, as ferramentas médicas e tecnológicas para mudar o paradigma (da menstruação) deixam-nos muito aquém do que merecíamos.

Se existe activismo menstrual (sim, isto é mesmo um conceito) é por estas e por outras mais. Fica por discutir os transtornos pré-menstruais, os preços absurdos dos produtos de higiene feminina, os impostos que lhes exigem quando é um produto de necessidade básica, a poluição associada aos produtos descartáveis, o estigma de que a menstruação está sujeita ou às exigências sociais/familiares quando uma rapariga está menstruada e pode ‘manchar’, ainda que de uma forma abstracta, tudo à sua volta. Ser mulher, perdão, ter um útero (porque ser mulher é uma categoria muito mais inclusiva) e ter a menstruação é, a maior parte das vezes, difícil. De que nos vale arrastar os preconceitos de muitos em detrimento de uma menstruação feliz?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here