PARTILHAR
Foto: Sofia Margarida Mota
Fez a sua formação em Xangai. Regressou ao território para ter a sua companhia, e é o director e cenógrafo do Teatro Experimental de Macau. Tam Chi Chun dedica-se a trabalhar em projectos que dão relevo à interpretação pessoal e ao teatro musical

 

Estudou na Academia de Xangai, já trabalhou no Continente e mesmo em Berlim. Como é que se passou este regresso a Macau?

Vim para Macau por opção. Depois de dez anos fora do território, gostaria de me reencontrar aqui.

Como é que apareceu o Teatro Experimental de Macau?

A companhia existe desde 2008. O nosso nome inicial era “Teatro Horizonte”. Na altura resolvemos atribuir esse nome por se tratar também do título de uma peça de teatro clássica do dramaturgo americano Eugene O’Neill. Foi também a primeira peça que encenámos. Até 2011, o objectivo da companhia foi apresentar peças de teatro clássicas ao público de Macau. A ideia era trazer ao território os grandes nomes do teatro clássico, desde Shakespeare a Becket e Tchékhov. Em 2011 começámos a ter outros objectivos. Construímos um teatro blackbox com 60 lugares. Tínhamos um espaço para ensaiar e em que podíamos tentar implementar alguns projectos e mesmo conceitos. Foi quando começámos a ter peças originais e mais contemporâneas. Desde essa altura até agora, temos tentado fazer uma coisa diferente daquilo a que podemos chamar “o nosso período clássico”.

Foi quando mudaram de nome para Teatro Experimental de Macau?

Sim. Precisávamos agora de um nome que tivesse mais que ver com o tipo de trabalho que estávamos e estamos a fazer. Podemos dizer que, desde essa altura, temos desenvolvido trabalho em dois sentidos. Uma das vertentes diz respeito ao trabalho de interpretação individual. É um trabalho de actor. É um trabalho de equipa mas que se foca na interpretação contemporânea. Com a peça “Lungs”, de Duncan Macmillan, usámos técnicas muito ligadas ao teatro físico com uso do corpo em espaços vazios. A ideia era trabalhar o actor no seu isolamento em que só estão presentes o corpo e as emoções. A outra vertente tem que ver com o teatro musical em que começámos um trabalho sério a este respeito. No ano passado fizemos, nesta vertente, o “Sonho de um Aroma” de Wong Teng Chi. Esta foi também a primeira vez em que foi produzida uma ópera por uma companhia local. O facto de estarmos a integrar o teatro musical tem que ver ainda com a minha formação. Quando era pequeno estudei música e penso que trago esse gosto comigo até hoje.

Um companhia de teatro experimental depara-se com que tipo de dificuldades no território?

Enquanto grupo de teatro, e para subsistirmos, estabelecemo-nos como uma organização sem fins lucrativos, pelo que grande parte do nosso sustento provém de apoios do Governo. No entanto, o nosso conceito de desenvolvimento vai no sentido de nos tornarmos uma companhia de teatro independente, o que é muito difícil. Somos por agora uma organização não-governamental que se dedica ao teatro. A ideia é que, um dia, possamos ter uma equipa de direcção e mesmo de actores que possam trabalhar a tempo inteiro no Teatro Experimental de Macau e, neste momento, não temos ainda condições para isso. Trabalhamos com freelancers.

Não é complicado ter uma equipa tão volátil? 

Por vezes é. Seria melhor conseguir uma forma de conseguir colaborações a longo prazo com os nossos actores, cenógrafos, etc. Quando estamos a trabalhar numa peça nova, por vezes só conhecemos a nossa equipa uma ou duas semanas antes do início dos ensaios e não podemos trabalhar em profundidade. Cada encenador tem a sua metodologia de trabalho e é mais fácil trabalhar com pessoas que já a conhecem e em que a comunicação se torna toda mais simples.

Onde vai buscar os seus actores?

É difícil encontrar actores em Macau. Apesar de cada vez termos mais jovens a trabalhar na área, não temos actores com maturidade. Os jovens têm muito potencial mas por vezes precisamos de diversidade, mesmo física. Precisamos de actores diversificados, com idades diferentes e constituições físicas também diferentes, e aqui a escolha é praticamente nula. Dos 40 aos 50 anos não consigo encontrar ninguém. Se queremos um personagem que seja um pai ou um avô, não temos.

Como tem sido a evolução da resposta do público ao vosso trabalho?

Penso que, no período entre 2011 e 2015, altura em que tínhamos a blackbox, muito do trabalho que fazíamos era apresentado ali e foi um período em que tínhamos pouco público. Tratava-se de um prédio industrial e quem vinha ter connosco eram, essencialmente, pessoas que já conhecíamos. No entanto, foi um período em que pudemos experimentar muita coisa no que respeita ao trabalho que queríamos fazer. Depois de 2015 e da apresentação de “Lungs”, tivemos acesso ao espaço do edifício do antigo tribunal. Foi uma mudança importante porque nos permitiu entrar em contacto com uma audiência mais alargada. É um local central e muita gente que passava naquela zona acabava por ver os anúncios das nossas peças e por ir. Reparámos que muita gente, que normalmente trabalha em escritórios e que pertence à chamada classe média, começou a aparecer para ver os nossos espectáculos. Penso mesmo que, para muitos, era a primeira vez que iam ao teatro. É também um espaço que nos permite continuar a explorar o conceito de teatro em blackbox.

O edifício do antigo tribunal está destinado a ser a biblioteca central de Macau. Estamos a falar de um espaço que também está a ser “vosso”. O que acham da ideia?

Já sublinhámos várias vezes ao Governo a importância que este espaço tem na dinamização cultural e artística do território. Já é um lugar que as pessoas conhecem por ter espectáculos e eventos na área das artes, sendo importante no seu desenvolvimento local. Não é apenas um teatro, as pessoas já sabem que no edifício do antigo tribunal conseguem ver coisas de qualidade na área da cultura. Foi uma conquista muito valiosa e que vai acabar. Não entendo também o que é que o Governo que dizer por espaço multiusos quando diz que a biblioteca será um espaço desses. O antigo tribunal, na área do teatro, transformou-se naturalmente num espaço dedicado a este sector e as pessoas sabem disso. Acho que construímos alguma coisa nesse sentido, não só em termos de audiência, mas também de atmosfera e, uma vez fechado e transformado numa biblioteca, vamos ter de recomeçar outra vez. Com o encerramento do antigo tribunal, muita gente deixará de saber para onde ir.

Trabalha essencialmente no teatro. Numa sociedade multicultural como a de Macau, a linguagem pode ser um problema?

Temos cada vez mais informação disponibilizada em inglês e temos visto que há cada vez mais turistas a tentarem assistir a peças nossas que entram, por exemplo, no edifício do antigo tribunal e acabam por ficar. No festival BOK, em que participámos, optámos por levar peças em que a linguagem verbal era muito reduzida. Já anunciamos as nossas peças também em inglês e temos ainda o teatro musical. A música é uma linguagem universal. Mas quando utilizamos a nossa língua mãe, o cantonês, torna-se realmente difícil para o público que não a entenda perceber algumas das nossas peças. Vamos cada vez mais tentando ter legendas. Também nos tentamos associar, por exemplo, a associações portuguesas. Há dois anos, através do festival BOK, tivemos como parceira a Casa de Portugal em Macau. Queremos mostrar o nosso trabalho às diferentes comunidades do território. Talvez no ano que vem consigamos convidar artistas portugueses. Quando queremos fazer um espectáculo local, precisamos de artistas locais. Por que não portugueses? O problema é que ainda não nos conhecemos bem, mas tentamos abrir portas para que nos possamos encontrar. Para já, temos as legendas e o teatro musical para chegar a diferentes comunidades.

Vão agora entrar numa pausa de Verão. O que vamos ter no próximo ano?

Vou a Taiwan encenar mais uma peça de Wong Teng Chi. Gostaria de trazer actores de lá para fazermos um trabalho em Macau. Além das nossas produções, colaboramos ainda com um projecto comunitário que trabalha com a comunidade indonésia. É um projecto que já vai no terceiro ano e queremos que vá ao Festival das Artes. O primeiro ano foi focado na sua história antes de virem para Macau, este ano o foco foi no trabalho corporal em que exploramos as transformações que o corpo sofreu depois de virem para o território e, no próximo ano, queremos juntar estes dois aspectos num trabalho só.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here