PARTILHAR
Bruno Gaspar está a dar a volta ao mundo com a Lusofonia na bagagem. É o mentor do festival de cinema etnográfico Cinantrop que decorre em Portugal. Nesta edição, o evento dá destaque a Macau e à China. O território é, desde o ano passado, o seu “quartel-general” enquanto percorre a Ásia.

 

O Cinantrop Film Fest é um festival exclusivamente dedicado ao cinema etnográfico. Como é que nasceu?

O Cinantrop Film Fest nasceu em 2013. É um projecto pessoal criado com a intenção de unir os povos. A ideia é preservar e divulgar o património material e imaterial. O projecto começou na Alta Estremadura, em Portugal. Apesar de ter nascido em Paris, foi ali que cresci. Por outro lado, a ideia apareceu quando, ainda miúdo, assisti a umas projecções dedicadas ao realizador António Campos, um cineasta independente com contributos fundamentais quando se fala em cinema etnográfico. A partir daí, fiquei com um interesse muito grande pelo seu trabalho. É também em homenagem a António Campos que o prémio vencedor do Cinantrop tem o mesmo nome. O festival decorre em cinco museus da Alta Estremadura. O objectivo é que haja filmes em simultâneo em vários sítios durante uma semana e, desta forma, levar o cinema a quem muitas vezes não tem acesso a ele. Se calhar seria mais fácil fazer outro tipo e festival, de ficção ou de cinema de animação. São áreas com as quais as pessoas estão mais familiarizadas e de consumo mais fácil. Mas quero apostar nesta linha e é para continuar. Além das projecções nos museus da região centro de Portugal, o festival já tem também projecções em Lisboa e estou ainda a preparar um DVD com os filmes premiados nas várias edições. Não tem sido fácil porque muitas vezes tenho de ser eu a custear as despesas. Ainda relativamente ao legado de António Campos e dada a sua importância no cinema etnográfico, faz parte dos planos do festival trazer sua obra a Macau. Estou a tentar fazer os contactos para isso. Não tem sido fácil trabalhar com entidades públicas. Uma outra dificuldade que tenho sentido, é a de atingir um dos grandes objectivos do Cinantrop: a digitalização das películas deste realizador que, de alguma forma, é o responsável pela existência do festival. Esta digitalização tem dois objectivos: manter a obra viva porque o original em película tende a degradar-se com o tempo, e poder levar o seu trabalho a vários sítios. Gostava de a trazer também a Macau. Espero que com isso possa despertar o interesse pela temáticas do festival, e pela identidade dos povos.

Porquê a opção por dedicar a presente edição do festival a Macau e ao Continente?

Decidi incluir Macau e China nesta edição porque estou a tentar criar uma rede lusófona, de cariz cultural e falada em português entre todos os continentes. Um vez que estou em Macau e a par da minha outra actividade, em que estou a dar a volta ao mundo e sou cronista de viagens, Macau parece-me o ponto mais importante quando se fala de Lusofonia na Ásia. Tem a relação histórica que tem com Portugal e é para mim uma pedra angular de divulgação e de descoberta do mundo lusófono. Macau é também o meu quartel general que me permite chegar a outros países na Ásia. Como agora estou neste projecto de uma longa viagem de volta ao mundo, trago comigo uma mala em que tenho poesia de escritores de língua portuguesa que quero ver traduzidas para chinês mas tenho também os filmes que passam no Cinantrop. A viagem está a ser uma oportunidade de os divulgar. Já mostrei os filmes em aldeias que nunca viram Portugal, o Brasil ou S. Tomé e Príncipe. Já consegui ter apresentações no Japão, na Malásia e nas Filipinas. Estive recentemente na China, na Universidade Internacional de Xangai e espero continuar a conseguir passar pela universidades chinesas onde se aprende a língua portuguesa para criar uma troca de conhecimento linguístico e não só.

Como é que conheceu o cinema feito por cá?

Comecei a pesquisar. Fui batendo a várias portas e estando atento aos festivais que vão decorrendo no território. Depois acabei por me ir cruzando com realizadores de cá, sobretudo portugueses. O cinema feito em Macau surpreendeu-me. 

Porquê?

Há capital humano com qualidade para poder desenvolver o cinema e Macau só tem mesmo é de continuar o caminho que está a seguir. O cinema não é uma coisa morta por cá e é bom que seja tratado como uma bandeira de atracção e de desenvolvimento do território.

Como é que seleccionou os filmes que vão ser apresentados? Quais os critérios?

A selecção, por uma questão de barreira linguística, deu prioridade ao trabalho já feito sob orientação portuguesa. Para isso recorri não só à Casa de Portugal mas a realizadores que falam português e que já têm trabalho feito. Não nos podemos esquecer que estamos muito longe de Portugal. Existem diferenças culturais que, considero, são também a vertente mais bonita e mais rica do que é apresentado. Nesta primeira fase de aproximação também decidi que a selecção de filmes deveria ser consequência de um olhar de alguém que não é nem Chinês nem de Macau, de alguém que olha para as tradições de cá como algo novo e que quer mostrar esse tipo de olhar. É esta novidade que é mostrada depois em Portugal.

Como é que acha que estes filmes vão ser recebidos?

Penso que vão ser muito bem recebidos. Tenho consciência que o Cinantropo é um projecto que está a ganhar público. É um projecto contínuo e transversal. Não envolve apenas as projecções de cinema. Tenho tentado envolver escolas e a chegar a um público mais novo. Tento também ter vários realizadores, motivar aqueles que normalmente estão mais virados para a ficção para tentarem abordar o documentário. Peço-lhes para pegarem nas câmaras e irem buscar histórias e costumes da realidade, especificamente de uma realidade mais etnográfica e antropológica. Este desafio tem começado a dar frutos e há cada vez mais público sensibilizado para esta temática. Mas o mais importante é o que o Cinantrop passe a representar um legado cultural para futuras gerações. Também aqui, Macau ocupa um lugar fulcral e, no que respeita à Lusofonia, reúne todas as condições e características para ser um centro nevrálgico neste projecto. O território pode ser visto como uma espécie de capital do cinema etnográfico da Ásia.

A programação do festival integra também uma série de trabalhos de João Pimenta que está em Pequim. Porquê esta escolha?

O trabalho do João Pimenta foi uma descoberta fruto da pesquisa que fui fazendo. Aqui já se funde o trabalho do jornalista com o trabalho do filme na sua dimensão documental tendo em conta interesses e conteúdos etnográficos. É uma parte da programação que está mais virada para o Continente e que considero fundamental no sentido de desmistificar uma série de preconceitos relativos a este país. Quero também ajudar a fazer compreender esta China actual. Há ainda algum preconceito por parte do ocidente em relação à China e muita gente ainda pensa que se trata de um país subdesenvolvido.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here