Meter a boca no trombone

Eu não sei tudo sobre sexo, sou bastante humilde no meu conhecimento. Gosto de pensar sobre o sexo, teorizar sobre o sexo e praticá-lo em quantidades suficientes para satisfazer o corpo e a mente.  Suponho que o sexo tenha tantas e incríveis facetas que é impossível sabermos tudo (absolutamente tudo) sobre o acto. Pois que, surpresa das surpresas, muito recentemente deparei-me com um jeitinho sexual que não conhecia (nem nunca tinha ouvido falar!). Se calhar até é uma técnica bem conhecida pelo mundo espectador de pornografia, da qual situava-me em pura ignorância.

As práticas, truques, técnicas mais populares entre público que se interessa por coisas do foro sexual encontram-se nas variâncias entre o sexo vaginal, oral, anal, consoante a posição que se toma. Assim de repente podemos enumerar o 69, a posição de missionário, à canzana, por trás, em pé, sentado ou de lado. Há quem goste de dar nomes específicos às possíveis nuances posicionais, por exemplo, a ‘Montanha Mágica’, a ‘Ostra Vienense’ ou ‘Canzana com asa de Galinha’ (para mais informações não se acanhem em pesquisar). Não se queixem porque há de tudo para toda a gente, salvaguardando que as diferenças anatómicas femininas e masculinas tenderem para certas preferências, dependendo da forma como o órgão funciona (se já sabemos que se os homens gostam de enfiar o mais fundo possível, a pornografia faz crer que as mulheres também! E às vezes não é bem assim, por isso reforço a minha constante lenga-lenga que o prazer sexual deve ser descoberto a dois, e não prescrito pelos ditos ‘especialistas’ do sexo). Entre a panóplia de posições que possam estar detalhadamente a ruminar, sugiro que juntem uma mais: o Rusty Trombone. O trombone enferrujado.

Vou deixar que a ideia assente nas vossas mentes e que explorem o sentido sexual do termo.  Trombone… sugere um sopro de qualquer tipo,  mas e a ferrugem? De onde vem a ferrugem?

O trombone enferrujado resulta da simultaneidade de um trabalho anal com um trabalho de mãos. Normalmente é uma técnica associada ao prazer masculino, apesar de não ser exclusivo (a versão feminina entitula-se de trompete enferrujado, pela ausência de vara no instrumento). Explicitando, imaginem um homem em pé, e o seu parceiro a soprar-lhe para o ânus enquanto massaja pulsantemente o seu pénis, como se uma vara de trombone se tratasse. Dizem as várias fontes que publicitam a técnica que é preciso muita coordenação para conseguirem fazer a música desejada. Tal como tocar música, é preciso feeling, ritmo, concentração e muita vontade. Coordenam-se os elementos para uma combinação potenciadora de prazer. Há homens mais analo-tímidos que com dificuldade abraçam o potencial prazeroso da prostata, mas não vejo porque uma peça musical não possa desinibir o sentimento sexual de certas zonas mais… obscuras. Por isso eu diria que não é a técnica de todos os dias, mas a técnica para os dias especiais, para quando vos apetecer inovar.

Também bem sabemos que o ânus não é dos ambientes mais hospitaleiros que se conhecem, para além da timidez masculina, há outros factores que fazem com que esta zona seja lidada com algum temor. Pois bem, não há nada como uma boa preparação prévia. Uma boa ensaboadela (podem fazê-la a dois!) para depois tocar o instrumento de melodias eróticas de amor.

Estou a tentar meter a boca no trombone no verdadeiro sentido português porque esta diversidade de actuação tem que ser partilhada. Incita a reflexão e a criatividade semântica daquilo que o sexo é e das novas formas que podem surgir. Experimentem, por vossa própria conta e risco.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários